Pesquisar
Pesquisar

Jenin sob ataque: Israel opera ofensiva mais violenta contra Cisjordânia em 20 anos

Incursão eleva o número de palestinos mortos neste ano na região para mais de 130
Redação Esquerda.Net
Esquerda.Net
Lisboa

Tradução:

Por volta da 1h desta segunda-feira (3), Israel lançou uma grande ofensiva aérea e terrestre na cidade de Jenin. Os meios de comunicação falam entre cinco e nove mortos e dezenas de feridos, mas é previsível que este número aumente à medida que prossegue a contabilização das vítimas. A investida contra a região já é considerada como a maior em 20 anos.

De acordo com o The Guardian, foram realizados, pelo menos, dez ataques de drones a edifícios, e entre 1.000 a 2.000 soldados israelitas, apoiados por escavadoras blindadas e atiradores nos telhados, entraram na cidade e no seu campo de refugiados.

Violando Direito Internacional, Israel aprova lei que oficializa anexação da Cisjordânia; entenda

Khaled Alahmad, um motorista de ambulância palestino, citado pelo jornal britânico, afirmou que “o que está acontecendo no campo de refugiados é uma guerra real”.

“Houve ataques aéreos. Conduzimos cerca de cinco a sete ambulâncias e voltamos cheios de feridos”, relatou.

Continua após o banner

O grupo Palestina em Portugal divulgou imagens de corpos espalhados nas ruas de Jenin e de infraestruturas destruídas, bem como fotos das vítimas.


Um porta-voz do presidente palestino, Mahmoud Abbas, chamou a operação de “um novo crime de guerra contra o nosso povo indefeso”. Já a Força de Defesa de Israel (IDF) e os serviços secretos israelitas, Shin Bet, disseram que atacaram um centro de comando no campo de refugiados de Jenin que era usado por um grupo militante local.

Incursão eleva o número de palestinos mortos neste ano na região para mais de 130

TIMES OF GAZA – Reprodução/Twitter

Desde o início deste ano, 16 crianças foram mortas, enquanto 13 morreram no total em 2022

Aumento das mortes e da violência

A incursão eleva o número de palestinos mortos este ano na Cisjordânia para mais de 130, num período marcado pelo aumento da violência que resultou em alguns dos piores derramamentos de sangue na área em quase duas décadas.

A incursão israelita originou protestos durante a noite em toda a Cisjordânia, inclusive num posto de controle perto da cidade de Ramallah. Neste local, um palestino morreu após ser baleado na cabeça pelo exército. Os sistemas de defesa aérea de Israel foram colocados em alerta para possíveis disparos de foguetes de retaliação da Faixa de Gaza bloqueada.

Israel já matou 143 palestinos em 2023, frente à impunidade e ao silêncio de várias potências

O contra-almirante Daniel Hagari, porta-voz da IDF, informou que a operação deve durar entre um e três dias. E um oficial israelita esclareceu que o ataque pretendia “quebrar a mentalidade de porto seguro do campo, que se tornou um ninho de vespas”.

Os ataques de colonos israelitas na Cisjordânia contra aldeias palestinas também estão crescendo em escala e escopo.

“A alimentação, a saúde e a educação de milhões de palestinos estão ameaçadas”

O Mediapart (link is external) falou com Philippe Lazzarini, chefe da UNRWA, a agência das Nações Unidas para os Refugiados Palestinos, que alertou para o fato de esta organização estar ameaçada na sua existência por uma crise financeira e política sem precedentes, que acaba por enfraquecer a alimentação, a saúde e a educação de milhões de palestinos, incluindo centenas de milhares de crianças.

Lazzarini condena a indiferença internacional perante o aumento da violência. O responsável da UNRWA afirmou que na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, a situação de segurança piorou, e os “confrontos são quase diários”. “Desde o início deste ano, 16 crianças foram mortas, enquanto 13 morreram no total em 2022, que já foi um ano particularmente violento”, apontou.

Continua após o banner

De acordo com Philippe Lazzarini, “o exército israelita não hesita em entrar nas escolas da UNRWA como em dezembro passado em Belém”.

A organização sente “uma ansiedade crescente entre os refugiados palestinos face à falta de solidariedade global com a causa palestina, em comparação com o que existia há vinte ou trinta anos”.

1.128 palestinos sob prisão administrativa, sem acusação ou julgamento

A organização de direitos humanos israelita HaMoked denunciou no domingo (2) que o número de pessoas em prisão administrativa aumentou exponencialmente durante o último ano e meio.

A HaMoked refere que, em julho de 2023, Israel mantinha 4.885 presos de “segurança”, consistindo em 2.312 prisioneiros condenados, 1.441 detidos em prisão preventiva, 1.132 sob detenção administrativa, sem acusações formais ou julgamento, o número mais elevado em duas décadas. Destes 1.132, 1.128 são palestinos.

Cannabrava | Ofensiva de Israel para acabar com os palestinos

“Contra os palestinos, Israel efetua um uso massivo do que deveria ser uma medida rara e excecional. Agora, o Governo também está a ampliar o uso da detenção administrativa contra os judeus israelitas”, afirmou Jessica Montell, diretora-executiva da HaMoked, citada pela agência noticiosa EFE. “Todos os presos administrativos devem ter um julgamento justo ou ser libertados”, defendeu.

A HaMoked escreve que, “embora a prisão restrinja inerentemente a liberdade de uma pessoa, os prisioneiros e detidos mantêm todos os seus direitos fundamentais”.

Continua após o banner

“As condições dos reclusos de ‘segurança’ diferem dos reclusos ‘regulares’. O tratamento dado por Israel aos presos de segurança viola os seus direitos à igualdade, dignidade, vida familiar, educação e muito mais, em violação do direito internacional”, explica a organização de direitos humanos.

Sublinhando que “a esmagadora maioria dos presos de segurança são palestinos dos Territórios Ocupados”, a HaMoked enfatiza que “manter prisioneiros e detidos do OPT dentro de Israel constitui uma flagrante violação da Quarta Convenção de Genebra, que proíbe a transferência de prisioneiros e detidos para fora do território ocupado, e também viola os direitos humanos básicos consagrados, inter alia, na lei israelita”.

Continua após o banner

Já Israel argumenta que a detenção administrativa contribui para manter “terroristas perigosos fora das ruas” e permite detê-los sem a divulgação de informações confidenciais.

Israel envenena plantações e animais para expulsar palestinos

Uma investigação da Universidade de Nova Iorque, citada recentemente pelo diário israelita Haaretz(link is external), revela que o exército israelita envenenou, em diversas ocasiões, plantações e animais para expulsar os palestinos e espoliar as suas terras.

A investigação foi conduzida pelo Taub Center for Israel Studies da Universidade de Nova Iorque, e baseia-se em documentos de arquivo, entretanto vindos a público.

Redação | Esquerda.Net


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Esquerda.Net

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes