Pesquisar
Pesquisar

Maior que Trump e Biden: nada é mais valioso do que unidade social que se forma nos EUA

A ampla coalisão sob a etiqueta de Black Lives Matter e seus aliados estão sacudindo este país ao se unirem em um grande movimento progressista para resgatar o país
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Corrupto, traficante de influências, mentiras sobre enganos sobre falsidades, incompetente, neofascista, xenofóbico, o que deu a ordem para separar famílias imigrantes à força e enjaular crianças imigrantes, violador e assediador sexual, recusador da ciência, racista, inimigo da imprensa, repressor e macartista, anti-mexicano e construtor de muros, gangster e valentão,  delinquente de suas obrigações fiscais e de serviço militar, são só algumas das palavras que todos tivemos que reportar de maneira objetiva e com ampla evidência uma e outra vez ao longo dos últimos quatro anos.  

Concluirá seu primeiro prazo na Casa Branca com mais de 220 mil estadunidenses falecidos (dado atual) – mais de quatro vezes os mortos no Vietnã – em grande medida por seu manejo da pandemia e com uma perda neta de empregos (uns 3,9 milhões e seguimos contando) entre outros desastres e como um presidente que foi “impeached”.

“Donald Trump não pode resolver os problemas mais urgente da nação porque ele é o problema mais urgente da nação”, declara a junta editorial do New York Times, a qual adverte que a reeleição de Trump “representa a maior ameaça à democracia estadunidense desde a Segunda Guerra Mundial”.

A ampla coalisão sob a etiqueta de Black Lives Matter e seus aliados estão sacudindo este país ao se unirem em um grande movimento progressista para resgatar o país

Associated Press
O futuro do experimento estadunidense está em jogo nesta eleição.

Mas apesar de tudo isso também temos de reportar que, quatro anos depois, este sujeito goza de mais de 40% de aprovação nas pesquisas. O que fazer com isso? 

Ao mesmo tempo, o senador socialista democrático Bernie Sanders, como candidato presidencial este ano foi o político nacional mais popular do país, e sua candidatura foi uma grave ameaça à cúpula do Partido Democrata, que se dedicou a descarrilá-la. Mas ele e seus milhões de seguidores são expressões de algo novo que continua – vale recordar que hoje em dia segundo as pesquisas, uma maioria dos jovens dos Estados Unidos favorecem o socialismo e que 40% de todos os estadunidenses expressaram preferir viver em país socialista sobre um capitalista. O que fazer com isso?

De fato, Trump declarou na semana passada que a eleição é uma decisão “entre um pesadelo socialista e o sonho americano”, embora para “socialistas como Sanders, essa eleição é “entre Trump e a democracia”.

Talvez a notícia mais importante desta conjuntura política não seja a contenda entre Trump e seu opositor democrata Joe Biden e a pugna entre republicanos e democratas que impera nos meios, mas sim o surgimento de um massivo embora fragmentado movimento social conformado por diversas correntes que de repente se encontram nas ruas e no ciberespaço que incluem – às vezes juntos, às vezes por separado – a ampla coalisão sob a etiqueta de Black Lives Matter (sua parte mais politicamente dinâmica é o Movement for Black Lives, uma rede de 150 organizações) e seus aliados multirraciais e intergeracionais, junto com velhas e novas expressões latinas, professores rebeldes, enfermeiras heroicas, comissárias de bordo que elegeram uma socialista como sua líder nacional,  imigrantes que salvam e reconstroem este país todos os dias, ambientalistas sobretudo os jovens que amanheceram com Greta, estudantes contra a violência das armas, sem falar dos diversos movimentos encabeçados por mulheres e pela comunidade gay que, em seu conjunto, está sacudindo este país e que oferece a  promessa de consolidar-se em um grande movimento progressista que se requer para resgatar este pais de si mesmo.  

Dizem que o futuro do experimento estadunidense está em jogo nesta eleição. Por ora, há uma grande batalha entre defender os mecanismos já deteriorados da eleição, com uma multitude de iniciativas, coalisões e redes preparando-se – tardiamente – para defender a expressão da vontade popular, porque nem isso está garantido nesta crise democrática. 

Mas aqui, mais que uma eleição, este é um momento de decisão sobre e entre o futuro e o passado dos Estados Unidos, com implicações planetárias. 


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Cuba
EUA tiram Cuba de lista sobre terrorismo: decisão é positiva, mas não anula sanções
EUA-democracia
Eleições nos EUA: uma democracia que não permite oposição
DC_Capitol_Storming_EUA_Trump
Eclipse democrático nos EUA: logo será tarde para deter o fascismo
Biden_Trump
EUA: mais de 60% desaprovam Biden e Trump; só 16% confiam no governo