Pesquisar
Pesquisar

Maioria dos estadunidenses acredita que política econômica de Trump favorece os ricos

Pesquisa realizada pelo Centro de Pesquisa Pew registrou que 69% dos estadunidenses dizem que chefe da Casa Branca só veem benefícios para classe mais alta
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Washington

Tradução:

Enquanto o presidente estadunidense Donald Trump continua presumindo hoje de que o país tem “a melhor economia de todas”, uma pesquisa de opinião indica que a maioria dos estadunidenses só veem benefícios para os mais ricos.

O chefe da Casa Branca, que está perto de ser acusado formalmente e submetido a um processo de julgamento político, em meio aos seus ataques contra os democratas por levar a cabo a investigação contra ele, empenha-se também em ressaltar as suas conquistas em matéria econômica.

Por isso, destaca continuamente as baixas cifras de desemprego, celebra cada ganho do mercado de valores, promove como positiva a sua política aduaneira, apesar de ser constantemente criticada por especialistas e empresários, e publica no Twitter que a economia estadunidense é “invejada pelo mundo”.

Pesquisa realizada pelo Centro de Pesquisa Pew registrou que 69% dos estadunidenses dizem que chefe da Casa Branca só veem benefícios para classe mais alta

Prensa Latina
58% dos entrevistados avaliou que a economia está prejudicando as pessoas de classe média

Apesar do bom desempenho do país em geral nessa área, uma enquete realizada pelo Centro de Pesquisa Pew encontrou que 69% dos estadunidenses dizem que a economia está ajudando os ricos, enquanto mais de 60% estimou  que prejudica os pobres e aqueles sem títulos universitários.

De igual modo, 58% dos entrevistados avaliou que a economia está prejudicando as pessoas de classe média, enquanto 32% considerou que ajuda esse grupo. 

As respostas a esse estudo foram muito diferentes segundo os grupos de renda: quase três quartas partes das famílias de alta renda diz que as condições econômicas são “excelentes ou boas”, mas a maioria das pessoas de baixa renda diz que a economia é “medíocre ou pobre”. 

Para o canal de negócios CNBC, as respostas sugerem que inclusive com uma expansão econômica recorde, uma taxa de desemprego de 3,5% – a mais baixa em 50 anos – e um crescimento salarial de mais de 3% ao ano, muitos estadunidenses não sentem que estão se beneficiando tanto como aqueles de nível superior. 

De acordo com o Centro de Pesquisa Pew, os pontos de vista sobre a economia estão fortemente vinculados ao partidarismo, com republicanos e independentes mais propensos que suas contrapartes democratas a ter uma visão positiva da economia atual.   

“Embora as atitudes com relação à economia têm sido partidárias durante muito tempo, hoje o são particularmente, e quase todo o aumento das opiniões positivas desde que Donald Trump se converteu em presidente dos Estados Unidos tem estado entre os republicanos”, indicou a fonte. 

Mas inclusive entre os republicanos, os de baixa renda têm cerca de quatro vezes mais probabilidades do que aqueles de renda alta de dar à economia uma qualificação medíocre ou má. 

*Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

**Tradução: Beatriz Cannabrava

Veja também

 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor
Javier_Milei_and_Santiago_Abascal_(cropped)
Superávit de Milei é ilusionismo contábil: a verdade sobre a economia Argentina
Desigualdade_FMI_Banco-Mundial
Em Washington, Brasil adverte: FMI e BM seguem privilegiando EUA e outros países poderosos