Pesquisar
Pesquisar

Mais cubanos desfrutam de instalações turísticas

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Leonel Nodal*

playas-turismo-cubaA temporada de verão em Cuba entrou no mês mais quente do ano com novos índices de frequência dos cubanos aos centros de férias do país, quer sejam hotéis, resorts “all inclusive”, destinados a captar divisas do turismo estrangeiro, ou vilas de campismo popular vendidas em moeda nacional.

O também chamado “mercado nacional” deixou atrás a menor idade em 2013 para consolidar-se como um robusto competidor do canadense, o mais assíduo frequentador das instalações de sol e praia dispersas ao longo de todo o arquipélago nacional.

Apesar de limitações econômicas visíveis e reconhecidas, cifras oficiais mais recentes indicam que de janeiro a dezembro de 2014, 1.208.123 cubanos residentes na Ilha desfrutaram de instalações e ofertas turísticas, pagas em moeda nacional ou em divisas.

A cifra representa um aumento de quase 24% (mais 222 mil veranistas) em comparação com os resultados de 2013, quando foram registrados 976.192 turistas nacionais.

Os dados compilados pelo Escritório Nacional de Estatísticas indicam que as atividades que mais recursos captaram no sistema turístico nacional foram o alojamento (38,9%), a gastronomia (32,3%) e o transporte (25,6%) enquanto o comércio varejista e a recreação representaram apenas 0,4% da renda total.

Por sua vez, os indicadores de Campismo Popular mostram que 2.291.843 cubanos utilizaram as instalações desse grupo empresarial, cifra 3,2% menor do que o afluxo de 2013, o que talvez possa ser explicado pelo crescimento da utilização de alojamentos de mais qualidade.

Segundo analistas do setor, este ano de 2015 avança em bom ritmo, buscando-se alcançar a meta de 4 milhões de visitantes de fora.

Segundo o Escritório Nacional de Estatísticas, o turismo internacional aumentou 15,9% no primeiro semestre de 2015, em relação a igual período de 2014.

Segundo as estatísticas, 1.923.326 estrangeiros chegaram à Ilha no período, dos quais 833.890 vieram do Canadá, que se mantém como líder entre os mercados emissores.

Como principais países emissores aparecem a Alemanha, o Reino Unido, a França, Itália, Estados Unidos e Argentina.

*Colaborador de Diálogos do Sul, de Havana, Cuba – Tradução de Ana Corbisier


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

LEIA tAMBÉM

Cuba
EUA tiram Cuba de lista sobre terrorismo: decisão é positiva, mas não anula sanções
19 pontos que comprovam os sucessos de Cuba em direitos humanos nos últimos 5 anos
O que querem Almagro e a OEA em Cuba às vésperas das eleições?
Centenário de Pérez Prado: “!Que rico suena el mambo!”