Pesquisar
Pesquisar

Mais da metade das crianças da zona rural na Amazônia são anêmicas, aponta estudo

Problemas de saúde se sobrepõem, dada a baixa escolaridade da população e o baixo acesso a serviços de saúde e saneamento nesses municípios
Patricia Fachin
Instituto Humanitas Unisinos
Porto Alegre (RS)

Tradução:

Apesar de a discussão sobre o consumo de carne de caça ainda ser muito incipiente ou quase inexistente no Brasil, o fato é que a pandemia de Covid-19 trouxe à tona novamente a preocupação com as doenças zoonóticas. Para além dos riscos existentes, a pesquisadora Patricia Torres chama a atenção para a desinformação e falta de debate sobre o consumo de carne de caça em populações para as quais essa é a segunda principal fonte de proteína animal, como é o caso de comunidades ribeirinhas que vivem na Amazônia. “Quando olhamos somente para os riscos da fauna silvestre, acabamos deixando de olhar para um risco potencial muito maior, que é o dos animais domésticos tanto em relação à sua criação quanto à destruição de habitats para a criação desses animais. Então, o desmatamento também é um risco para a proliferação de doenças zoonóticas”, pondera. Sobre os hábitos alimentares das populações ribeirinhas que se alimentam de carne de caça, acrescenta, elas, “em geral, são sempre negligenciadas em relação às suas necessidades e aos seus modos de vida”.

Na entrevista a seguir, concedida por WhatsApp ao Instituto Humanitas Unisinos – IHU, Patrícia Torres comenta a pesquisa realizada em uma parceria entre o Instituto Leônidas & Maria Deane (Fiocruz Amazonia), a Lancaster University, do Reino Unido, a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Federal do Pará (UFPA), envolvendo vários pesquisasdores, entre eles, Carla Morsello, e o coordenador do projeto de pesquisa, Luke Parry, sobre a correlação do consumo de carne de caça e a concentração de hemoglobina em crianças que residem em áreas rurais e urbanas do estado do Amazonas. De acordo com ela, as evidências empíricas do estudo indicam a importância do consumo de carne de caça em termos de saúde. “Em relação à saúde das crianças, a anemia é prevalente. Segundo os testes que realizamos, mais da metade das crianças da zona rural (60%) são anêmicas, especialmente as mais vulneráveis à pobreza. Na zona urbana, a situação é um pouco melhor, mas o nível ainda é preocupante. De modo geral, as crianças devem ter problemas de saúde que se sobrepõem, dada a baixa escolaridade da população e o baixo acesso a serviços de saúde e saneamento nesses municípios. (…) O que a pesquisa mostra é que a carne de caça de fato é importante para essa parcela da população, que são as crianças mais vulneráveis à pobreza. (…) Até agora, vemos que os benefícios superam os riscos quando se trata do consumo desse tipo de alimento”.

A seguir, Patricia Torres também reflete sobre o manejo sustentável da caça de animais silvestres e a correlação entre o consumo alimentar dessas espécies e a preservação ambiental, e compara o mercado de venda de animais vivos na China com a comercialização de carne de animais silvestres no Brasil. “Na China se deu muita ênfase aos mercados em que os animais são mantidos vivos, em grandes quantidades, estressados, com espécies distintas e muito próximas. Na Amazônia, há comércio de carne de caça em áreas urbanas, mas, no geral, os animais não são vendidos vivo; a carne já vem tratada para ser vendida. Então, o risco de emergência dessas doenças é menor se formos comparar com a realidade dos mercados chineses ou asiáticos, no geral”, observa.

Problemas de saúde se sobrepõem, dada a baixa escolaridade da população e o baixo acesso a serviços de saúde e saneamento nesses municípios

Saulo Cruz

Na zona urbana, o consumo de carne de caça é menos comum do que nas zonas rurais, explica Patricia Torres




Confira a entrevista

IHU – Em que consistiu o estudo sobre o consumo de carne de caça de animais como roedores, antas, porcos selvagens, veados e aves, muito comum entre os ribeirinhos da Amazônia, e a redução de taxas de anemia infantil? Qual foi a motivação da pesquisa?
Patricia Torres – Neste estudo, pesquisamos se há associação entre o consumo de carne de caça por crianças e a concentração de hemoglobina no sangue delas. Usamos a concentração de hemoglobina como indicador de anemia, pois é a medida mais comumente usada e viável de ser obtida em campo, usando um equipamento portátil. Assim, não precisávamos guardar nenhuma amostra de sangue das crianças, porque o resultado do exame era feito na hora, levando em conta que estávamos trabalhando em áreas completamente remotas.

A motivação da pesquisa é a discussão feita na literatura, há muito tempo, sobre o papel da carne de caça para a segurança alimentar, principalmente das populações que vivem em florestas tropicais ou áreas próximas, que usam esse recurso. Apesar de a literatura indicar que a carne de caça é importante para a alimentação dessas populações, temos poucas evidências empíricas sobre, especialmente em relação à segurança nutricional e à saúde. Então, a pesquisa teve o objetivo de investigar um indicador mais direto de saúde, que foi a anemia.

Com relação à anemia, há outros estudos que relacionam a carne de caça com a segurança nutricional da população, geralmente verificando como esta carne contribui em termos de macronutrientes, como proteína e gordura em relação a outros alimentos consumidos. Mais recentemente, foram realizados alguns estudos no Brasil, um deles específico na Amazônia, sobre como a carne de caça poderia contribuir em termos de micronutrientes. No nosso estudo, partimos do que já é discutido na literatura, que a carne de caça é importante para as populações ribeirinhas para prover zinco e ferro, e queríamos medir empiricamente se de fato existia essa associação entre o consumo de carne de caça e algum problema de saúde gerado pela falta desses micronutrientes, no nosso caso, o ferro.

IHU – Na literatura, a correlação entre o consumo de carne de caça e redução da anemia infantil já era conhecida e abordada? Como tem se dado o debate sobre essa questão no país?
Patricia Torres – Até onde conhecemos, existe um artigo que de fato estudou essa correlação entre o consumo de carne caça e a redução da anemia infantil. Foi um estudo menor do que o nosso, em uma comunidade em Madagascar, na costa Leste da África. Nesse estudo, foram incluídas aproximadamente 60 crianças de até 12 anos, que viviam na zona rural. O nosso estudo inclui 600 crianças, inclusive algumas da zona urbana, que também consomem carne de caça com uma frequência diferente. Aquele estudo encontrou uma correlação entre o consumo de carne de caça e a concentração de hemoglobina: quanto maior era o consumo de carne, maior era o concentração de hemoglobina, e isso quer dizer que a probabilidade de essas crianças terem anemia era menor. Aquele estudo fez uma amostragem sobre o consumo mais a longo prazo do que o nosso, mas foi uma pesquisa local, em um contexto em que o consumo de proteína animal de modo geral era bastante baixo. O contexto, portanto, era diferente. As crianças que participaram da nossa pesquisa frequentemente comem peixe e têm um consumo de proteína animal maior do que as de Madagascar.

Até onde conhecemos a literatura, esse debate não é feito no país. Existe um debate sobre o manejo de recursos, especialmente de animais aquáticos na Amazônia, em termos econômicos. Em termos de saúde e com relação à carne de caça, o debate não existe.

Metade das crianças da zona rural são anêmicas, especialmente as mais vulneráveis à pobreza – Patricia Torres

IHU – Pode nos dar um panorama sobre a situação da saúde das crianças que foram avaliadas pelo estudo e das regiões em que o estudo foi realizado?
Patricia Torres – A nossa área de estudo contou com quatro municípios no estado do Amazonas, que variavam de tamanho. Um deles tinha um porte médio, com 60 mil habitantes, sendo que metade destes reside na zona urbana e metade na zona rural. Os demais municípios eram menores, variando de 12 mil a 20 mil habitantes aproximadamente. Não há acesso terrestre a eles, somente por barcos, e em alguns deles há aeroportos para a chegada de aviões monomotores para poucos passageiros. Basicamente, todo o transporte de pessoas e de cargas é feito por barco. Os municípios variavam de distância entre a capital, Manaus. Os mais próximos estão a cerca de 200 quilômetros por via fluvial e os mais distantes, a até dois mil quilômetros. Esses municípios têm o Índice de Desenvolvimento Humano – IDH baixo, são carentes em infraestrutura de modo geral e no acesso a serviços públicos.

Em relação à saúde das crianças – vamos publicar um artigo sobre o tema, que está em revisão –, a anemia é prevalente. Segundo os testes que realizamos, metade das crianças da zona rural são anêmicas, especialmente as mais vulneráveis à pobreza. Na zona urbana, a situação é um pouco melhor, mas o nível ainda é preocupante. De modo geral, as crianças devem ter problemas de saúde que se sobrepõem, dada a baixa escolaridade da população e o baixo acesso a serviços de saúde e saneamento nesses municípios.

Na zona urbana, o consumo de carne de caça é menos comum do que nas zonas rurais – Patricia Torres

IHU – Com que frequência as crianças se alimentam com carne de caça?
Patricia Torres – Varia de acordo com a alimentação, a localização e o contexto socioeconômico de cada domicílio. Medimos o consumo de carne de caça nos domicílios nos últimos 30 dias e, para ter acesso aos dados sobre o consumo das crianças, realizamos entrevistas com os cuidadores delas, geralmente as mães. Perguntamos se a criança já havia consumido carne de caça e se costumava consumir quando havia o alimento em alguma refeição no domicílio.

Na zona urbana, o consumo de carne de caça é menos frequente do que nas zonas rurais; menos de uma vez por semana, ou seja, em média, 0.3 vezes por semana, enquanto o consumo na zona rural é maior, em torno de 1.65. O consumo variava segundo a pobreza do domicílio. Por isso, dividimos a nossa amostra entre o que chamamos de domicílios mais vulneráveis e menos vulneráveis – usamos dois indicadores para isso, a renda monetária e um índice de pobreza multidimensional. Os domicílios mais vulneráveis à pobreza tendem a consumir carne de caça com menos frequência do que aqueles que são menos vulneráveis. Enquanto entre os mais vulneráveis a média de consumo era uma vez por semana, nos menos vulneráveis era cerca de duas vezes por semana.

Temos poucas evidências empíricas sobre a importância do consumo de carne de caça para a segurança alimentar e nutricional – Patricia Torres

IHU – O que suas pesquisas sobre o uso e importância da carne de caça para populações rurais e urbanas na Amazônia têm evidenciado sobre o consumo desses alimentos e a segurança alimentar?
Patricia Torres – Mais recentemente, os estudos se concentram no consumo de carne de caça na zona urbana, porque antigamente eles se concentravam mais no consumo da população que vive na zona rural. No geral, temos poucas evidências empíricas sobre a importância do consumo de carne de caça para a segurança alimentar e nutricional. Considerávamos que esta carne era importante a depender do consumo ou da importância deste em relação a outras fontes de proteína animal, como, por exemplo, qual é a razão entre o consumo de carne de caça e carne de peixe ou carne de caça e outras fontes de proteína de origem doméstica.

Nas zonas urbanas, como o consumo é menos frequente, consideramos que ele é menos importante do que é, por exemplo, para as populações que vivem na zona rural. Mas sabemos que mesmo em regiões urbanas, alguns domicílios consomem e dependem mais da carne de caça do que outros. Domicílios que têm origem rural, ou seja, cujos chefes de família migraram para a zona urbana, tendem a consumir mais carne de caça do que aqueles domicílios em que as famílias não vieram da zona rural. É importante notar que os domicílios rurais são mais vulneráveis em termos de pobreza e acesso a serviços como educação e, portanto, a carne de caça é mais importante nesses domicílios.

Com relação a um indicador mais direto de segura alimentar, ainda não temos estudos realizados no Brasil e na Amazônia sobre a importância da carne de caça para a percepção da segurança alimentar das populações. Estou analisando alguns dados em relação a isso porque medimos a segurança alimentar usando a escala brasileira de insegurança alimentar, mas ainda não temos os resultados. 

Há uma limitação de informação das pessoas com relação à importância que o consumo tem na vida das pessoas que fazem uso desses recursos – Patricia Torres

IHU – Quais são as principais confusões ou equívocos sobre o consumo de carne de caça?
Patricia Torres – Se formos pensar no público que é de fora do contexto em que se consome esse tipo de carne, há uma limitação de informação das pessoas com relação à importância que o consumo tem na vida daqueles que fazem uso desses recursos. Em geral, pensamos que o consumo de carne de caça é ruim porque ele está relacionado a uma sobrecaça que vai gerar a diminuição da população desses animais e isso é ruim para a conservação ambiental. Existe uma falta de informação sobre a real importância do uso desse recurso para as populações. Quando nos referimos a regiões como a Amazônia, pensamos na conservação da floresta e da biodiversidade, e acabamos não olhando para as populações humanas que vivem nessa região. Essas populações, em geral, são sempre negligenciadas em relação às suas necessidades e aos seus modos de vida. Há, em geral, uma falta de informação sobre o modo de vida das populações, e isso envolve a falta de conhecimento sobre os recursos que elas utilizam, como a carne de caça.

Quando nos referimos a regiões como a Amazônia, pensamos na conservação da floresta e da biodiversidade, e acabamos não olhando para as populações humanas que vivem nessa região – Patricia Torres

IHU – Nos últimos anos, tem se acentuado o debate sobre a importância da proteção e conservação de espécies da flora e da fauna. Como conciliar a preservação e o consumo de animais silvestres em regiões em que eles são a principal fonte de alimento?
Patricia Torres – Existem diferentes contextos. A situação depende muito do contexto ambiental, da disponibilidade de outras fontes de proteína animal e do grupo ao qual estamos nos referindo. No nosso contexto de estudo, a carne de caça nem é a principal fonte de proteína animal; a principal fonte é o peixe, que vem da atividade pesqueira. Mas nas áreas rurais, em comunidades ribeirinhas, a carne de caça é a segunda principal fonte de proteína animal. As pesquisas sobre caças são mais frequentes na África, e há regiões onde as pessoas consomem pouca proteína animal e a carne de caça acaba sendo a mais importante.

Nas áreas rurais, em comunidades ribeirinhas, a carne de caça é a segunda principal fonte de proteína animal – Patricia Torres


Manejo sustentável

Para conciliar o consumo de carne de caça e a preservação dos animais, é preciso fazer um manejo participativo. Ou seja, as pessoas que utilizam esse recurso devem fazer o monitoramento das populações animais e o manejo, de modo que ele seja sustentável. Algumas iniciativas estão sendo realizadas em unidades de conservação, que fazem o monitoramento e o manejo sustentável da caça. Também existem iniciativas em áreas indígenas e manejo de sucesso com relação a recursos aquáticos. Por exemplo, o pirarucu, que estava quase extinto em várias regiões da Amazônia, voltou a ser explorado de modo sustentável em vários locais depois que foi implementado o manejo comunitário. Outro exemplo é o dos bichos com casco, como algumas tartarugas da Amazônia. Então, as populações podem usar esses recursos para subsistência, através do manejo sustentável das populações.

O manejo sustentável é mais complicado no caso da caça porque é difícil fazer o monitoramento desses animais; não é algo trivial. Mas vários estudos mostram que é possível fazê-lo porque as pessoas conhecem o ambiente, vão para a mata com muita frequência e conseguem ter uma percepção melhor sobre a saúde desses animais. É possível focar em algumas espécies que têm uma reprodução mais rápida e caçar menos outras espécies que têm uma reprodução mais baixa. Mas, para isso, é preciso de algumas condições: as comunidades precisam ser organizadas, precisam estabelecer algumas regras de uso dos recursos que vão respeitar. É mais fácil fazer isso em um contexto institucional mais organizado, como nas unidades de conservação, onde há órgãos técnicos que dão suporte às comunidades. É mais complexo fazer o manejo da caça fora das unidades de conservação, mas é possível tentar organizar as comunidades para fazê-lo. Como o recurso é de uso comum, é preciso fazer um manejo coletivo e não um manejo focado apenas em uma comunidade.

É mais complexo fazer o manejo da caça fora das unidades de conservação, mas é possível tentar organizar as comunidades para fazê-lo – Patricia Torres

IHU – Em função da pandemia, voltou à pauta a discussão sobre doenças zoonóticas. Como avalia essa discussão à luz do estudo realizado? Há riscos específicos no consumo de carnes de caça?
Patricia Torres – Há riscos específicos sobre o consumo de carne de caça e há poucos estudos sobre isso no Brasil. Há algumas evidências de transmissão da hanseníase, por exemplo. Não é algo comum nem tão estudado em algumas regiões, mas é possível haver essa transmissão, principalmente pela manipulação do animal, na hora de cortá-lo, quando as pessoas têm contato com o sangue. No Brasil existe pouca vigilância sobre isso.

Também há um problema sobre como a caça é vista. Como a legislação sobre caça é contraditória no Brasil, existem tabus de conversar sobre isso e discutir o uso desse recurso. Idealmente, seria importante ter uma vigilância, com amostra e análise de alguns exemplares, para verificar se há algum patógeno neles e também para educar a própria população sobre a manipulação dessa carne. Ou seja, não tanto para quem vai consumir, mas para quem vai abater e tratar a carne.

Há riscos específicos sobre o consumo de carne de caça e há poucos estudos sobre isso no Brasil – Patricia Torres


Zoonose

Sobre a discussão acerca da zoonose na carne de caça, o nosso estudo trouxe evidências para um lado da história, que consiste em refletir sobre a importância da caça em termos de saúde. O que a pesquisa mostra é que a carne de caça de fato é importante para essa parcela da população, que são as crianças mais vulneráveis à pobreza. Pode haver um trade off [a escolha de uma opção em detrimento de outra] sobre quais são os riscos e quais são os benefícios desse consumo. Até agora, vemos que os benefícios superam os riscos quando se trata do consumo desse tipo de alimento.

Ficou muito em voga tratar dos riscos por causa da Covid-19, vírus que veio de animal silvestre, mas temos que lembrar que as doenças zoonóticas também vêm dos animais domésticos que são criados para a alimentação humana. Quando olhamos somente para os riscos da fauna silvestre, acabamos deixando de olhar para um risco potencial muito maior, que é o dos animais domésticos tanto em relação à sua criação quanto à destruição de habitats para a criação desses animais. Então, o desmatamento também é um risco para a proliferação de doenças zoonóticas.

No caso do consumo da carne de caça, o risco vai depender muito de como será feita a manipulação do animal. Na China se deu muita ênfase aos mercados em que os animais são mantidos vivos, em grandes quantidades, estressados, com espécies distintas e muito próximas. Na Amazônia, há comércio de carne de caça em áreas urbanas, mas, no geral, os animais não são vendidos vivo; a carne já vem tratada para ser vendida. Então, o risco de emergência dessas doenças é menor se formos comparar com a realidade dos mercados chineses ou asiáticos, no geral.

A outra questão a se analisar é a da importância e do risco desses animais para as populações. Na China, houve uma discussão específica sobre o comércio de mercados em zonas urbanas porque hoje em dia eles são voltados para a população que tem poder aquisitivo maior. Ou seja, não é um consumo voltado para populações vulneráveis e que não têm outras fontes de consumo de proteína animal, mas, sim, um comércio de luxo, de venda de iguarias, o que não é o caso do consumo, de modo geral, do nosso contexto. De fato, existe um consumo, na zona urbana, de pessoas que compram uma espécie como iguaria, mas ele é muito maior na zona rural, onde o consumo dos animais é a segunda proteína de fonte animal mais importante.

O que a pesquisa mostra é que a carne de caça de fato é importante para essa parcela da população, que são as crianças mais vulneráveis à pobreza – Patricia Torres

IHU – Deseja acrescentar algo?
Patricia Torres – Gostaria de destacar alguns pontos sobre as limitações do estudo e também sobre o trade off que temos entre o quanto de informação mais específica conseguimos coletar e nosso interesse em fazer um estudo que tivesse uma escala maior, conforme foi feito.

Temos dados sobre o consumo de carne de caça por domicílio a partir de uma amostragem cross sectional [nas análises de dados de corte transversal, diferenças de tempo, que não possuem grande significância, são ignoradas], na qual amostramos os dados somente uma vez no tempo. Então, não temos dados longitudinais [medidas ao longo do tempo sobre um mesmo dado], ou seja, não temos dados de recordatório alimentar da alimentação da criança especificamente. Estamos assumindo que a criança comeu o que foi consumido no domicílio. Nesse sentido, é importante que estudos que forem realizados daqui para a frente tentem coletar dados mais específicos da alimentação da criança. Estudos já publicados sobre o contexto amazônico, parecidos com o que realizamos, mostram que a locação intradomiciliar não tende a ser diferente entre os membros. Então, acreditamos que não há muitos erros em relação aos dados sobre o consumo de carne de caça, mas é importante fazer mais estudos longitudinais que tenham uma estimativa mais precisa sobre o consumo das crianças.

O que tentamos fazer – e o que foi o nosso estudo de maior escala em relação à anemia e ao consumo de carne de caça –, foi mostrar um número maior de municípios para mostrar igualmente os diferentes contextos, mais remotos e mais próximos da capital. Amostramos quase 60 comunidades rurais diferentes, além dos domicílios amostrados nas cidades. Por meio de entrevistas, usamos questionários para coletar informações sobre o consumo de carne de caça e as condições socioeconômicas dos domicílios, como renda e outras características que podem estar relacionadas à pobreza e à vulnerabilidade. Também coletamos dados sobre a situação da saúde das crianças no período recente, se tiveram malária, se foram diagnosticadas com parasitas intestinais, como era o saneamento e o acesso à água nos domicílios, e a coleta de hemoglobina para indicar a anemia.

Patricia Torres é graduada em Ciências Biológicas e mestre em Ecologia pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp, e doutora em Ecologia pela Universidade de São Paulo – USP. No início do estudo, a pesquisadora fazia estágio de pós-doutorado no Núcleo de Altos Estudos Amazônicos – NAEA na Universidade Federal do Pará – UFPA e atualmente é pós-doutoranda no Programa de Modelagem em Sistemas Complexos da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP. Desenvolve pesquisas sobre o uso e importância da caça para populações rurais e urbanas na Amazônia, com ênfase em segurança alimentar e nutricional e seus efeitos na conservação de espécies silvestres.



As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul.
Patricia Fachin

LEIA tAMBÉM

Jose_Marti_natureza
Martí e a necessária evolução das ideias em respeito à natureza
Boluarte_Peru
Ameaça dupla: regime Boluarte apoia desmatamento e privatização da água no Peru
ee1d2ada-f0f3-4ca2-a22b-16079757c3dd
5 anos de Brumadinho: batalha das vítimas da Vale vai muito além da reparação financeira
8670cdfd-ba7d-4954-b2da-5cfd98b62521
Família Rocha: donos da fazenda de “Terra e Paixão” têm terra ligada a trabalho escravo e infantil