Pesquisar
Pesquisar

Mais de 50% dos grandes lagos do mundo está secando; 1/4 da humanidade pode ser afetada

Estudo indica urgência em incorporar o consumo humano, a mudança climática e os impactos da sedimentação na gestão sustentável dos recursos hídricos
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Washington

Tradução:

Mais de 50% dos maiores lagos do mundo estão perdendo água, segundo um estudo publicado na revista especializada Science em maio.

Isto se deve, fundamentalmente, ao aquecimento do clima, ao consumo humano insustentável e à sedimentação, afirmaram os pesquisadores das universidades de Colorado Boulder e de Kansas, nos Estados Unidos.

Assista na TV Diálogos do Sul

Os especialistas criaram uma técnica para medir as mudanças nos níveis de água em quase dois mil dos maiores lagos e represas do mundo, que representam 95% do armazenamento total do vital líquido no planeta.

A equipe combinou três décadas de observações de uma série de satélites com modelos para quantificar e atribuir tendências no armazenamento de lagos em nível global.

Geopolítica da água: água para a guerra ou água para a paz?

Os resultados foram assombrosos: 53% dos lagos no mundo experimentaram uma redução no armazenamento de água.

A mudança climática e o consumo humano de água dominaram a redução líquida global do volume dos lagos naturais e das perdas de água em cerca de 100 destes acidentes geográficos, destacaram os cientistas.

Continua após o banner

Os autores da pesquisa calcularam que aproximadamente uma quarta parte da população mundial, dois bilhões de pessoas, reside na bacia de um lago que está secando.

Isso indica — afirmaram — uma necessidade urgente de incorporar o consumo humano, a mudança climática e os impactos da sedimentação na gestão sustentável dos recursos hídricos.

Redação | Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.
Tradução: Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

marx-ecologia
Marxismo ecológico: como Marx entendia a relação entre mudança climática e capitalismo?
Panamá-refugiados-climaticos
Governo do Panamá desloca refugiados climáticos, mas novas moradias ignoram tradições indígenas
Incendio_forestal_en_Puente_Sampayo
2024 pode superar 2023 em número de incêndios florestais no México
nordeste-seca-Fernando-Frazao
"Grande Seca": a tragédia climática que matou 500 mil pessoas no Nordeste entre 1877 e 1879