Pesquisar
Pesquisar

Massacre no Colorado: mais um resultado do discurso conservador anti-LGBTQIA+ nos EUA

Segundo o ativista Jay Brown, da Human Rights Campaign, só em 2022 foram apresentadas mais de 340 leis contra essa comunidade no país
Redação Esquerda.Net
Esquerda.Net
Lisboa

Tradução:

A noite de sábado (19) no Club Q, em Colorado Springs, tinha no programa um espetáculo com música punk e alternativa e, para domingo, estava prevista uma festa para assinalar o Dia da Memória Trans, a data que homenageia as vítimas da violência transfóbica. Não se sabe se foi a proximidade da efeméride que levou Anderson Lee Aldrich, de 22 anos, a entrar na discoteca com uma espingarda automática pouco antes da meia-noite e começar imediatamente a disparar.

Segundo os donos da discoteca, os disparos teriam durado cerca de dois minutos, até que um homem confrontou e desarmou o atirador e com ajuda de outro cliente do bar conseguiram imobilizá-lo ainda antes da chegada da polícia. “Nem sequer sei os nomes destas pessoas”, disse Nic Grzecka ao Washington Post, “mas o que eles fizeram foi incrível”. Os dois cidadãos teriam contribuído para que o ataque não fizesse mais vítimas e se assemelhasse ao ocorrido há seis anos na discoteca Pulse, em Orlando, no estado da Florida, quando um atirador matou 49 pessoas.

Eleitos em 2020, democratas têm sido incapazes de barrar leis conservadoras nos EUA

Segundo a imprensa, Aldrich não era um desconhecido da polícia. No ano passado, ele teria feito uma ameaça de bomba e ameaçado a própria mãe, que chamou a polícia, tendo acabado por se render ao fim de quase uma hora de cerco policial. No entanto, esse antecedente não o impediu de conseguir ter acesso a armas e munições que usou para efetuar o ataque de sábado.

Este atentado volta a chamar a atenção para o fenômeno dos tiroteios em massa – quando mais de quatro pessoas são vitimadas, excluindo o autor – nos Estados Unidos, que neste ano já ultrapassaram a marca dos 600 casos. Além disso, aponta também para o aumento da violência contra a comunidade LGBTQIA+, que surge acompanhada das iniciativas políticas e da retórica agressiva por parte dos grupos conservadores.

Para Jay Brown, vice-presidente da Human Rights Campaign, estes atos de violência não podem ser dissociados das tentativas por parte de alguns estados de limitar os direitos dessa comunidade. “Só neste ano já vimos mais de 340 leis anti-LGBTQIA+ serem apresentadas”, afirma o ativista, sublinhando que estas iniciativas vêm acompanhadas de retórica anti-LGBTQIA+ online e por parte de políticos, a par de ameaças concretas.

No próprio estado do Colorado, um dos mais favoráveis aos direitos LGBTQIA+, vale lembrar que a deputada republicana e ativista pelo porte de armas Lauren Boebert, que não poupa insultos quando se dirige à comunidade transgênero, acusando-a de ser um perigo para as crianças. Boebert também qualifica espetáculos de drag para famílias como uma “depravação”. Por isso, a sua mensagem de condenação do ataque nas redes sociais foi criticada como hipócrita por outros políticos do estado.

Desde 1999, mais de 300 mil crianças sofreram violência sob arma de fogo em escolas nos EUA

Na vigília que se seguiu ao ataque, muitas pessoas recordavam outro ataque a tiros que marcou a comunidade de Colorado Springs em novembro de 2015, quando um atirador dos movimentos anti-aborto abriu fogo contra uma clínica de planejamento familiar, matando três pessoas e ferindo outras nove. Outras lembraram a discoteca como um dos poucos locais seguros para os jovens LGBTQIA+ numa cidade conhecida pelo seu conservadorismo.

Numa declaração feita no domingo, o presidente norte-americano Joe Biden reconheceu que “a violência armada tem um impacto particular nas comunidades LGBTQIA+ em todo o país” e insistiu que é preciso “enfrentar a epidemia de saúde pública da violência com armas sob todas as formas”, bem como “afastar as iniquidades que contribuem para a violência contra as pessoas LGBTQIA+”.

Redação | Esquerda.net


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Esquerda.Net

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda