Pesquisar
Pesquisar
Foto: Wikimedia Commons

Milei bloqueia 5 mil ton de comida, deixa mais pobres com fome e inflama revolta na Argentina

Alimentos seriam destinados a bairros, refeitórios e escolas populares; preços continuam subindo e consumo nos supermercados caiu mais de 30%
Stella Calloni
Diálogos do Sul Global
Buenos Aires

Tradução:

Beatriz Cannabrava

Neste sábado (25), a poucas horas de começar os atos comemorativos da data pátria de 25 de maio de 1810, na Argentina, a semana terminava com uma severa crise econômica. Enquanto isso, no gabinete presidencial, o presidente ultradireitista Javier Milei se preparava para viajar a Córdoba, apesar de não ter conseguido um pacto com os governadores. O país está em chamas com a rebelião social na província de Misiones há mais de uma semana, e o governo só teve como única intervenção a repressão mediante forças de segurança enviadas pelo Ministério de Segurança Nacional.

Na quinta-feira (23), essas forças atuaram contra os docentes, trabalhadores da saúde e outros setores que realizaram uma marcha multitudinária e chegaram até a casa do governador Hugo Passalacqua, e agora é cada vez maior a quantidade de descontentes que participam dos acampamentos e marchas. Na sexta, manifestantes que tentavam chegar ao prédio onde os legisladores locais estavam em sessão foram novamente reprimidos com gás de pimenta e outros meios, o que causou mais indignação; por isso, mesmo sob chuva, os acampamentos continuam, sob barracas e guarda-chuvas na Avenida Uruguai, em Posadas, capital de Misiones. Ao protesto se somaram os trabalhadores do sindicato de Luz e Força, realizando assembleias nos locais da empresa de energia da província (EMSA).

Leia também | Superávit de Milei é ilusionismo contábil: a verdade sobre a economia Argentina

Um dos problemas é o assombroso aumento das tarifas de luz, impossíveis de pagar com os baixíssimos salários, enquanto o governo nacional continua sem enviar o dinheiro de coparticipação que lhe corresponde. Os manifestantes advertiram que poderiam realizar novas medidas de protesto. Até a noite de sexta, os representantes dos policiais locais continuavam negociando com o governo. Há movimentos similares em outras províncias do país, inclusive Córdoba, cuja capital foi virtualmente militarizada para impedir os protestos sindicais anunciados em rejeição à visita presidencial.

Retenção de alimentos e outras crises

Se a situação já era grave nesta capital – onde depois da paralisação nacional dos estudantes, professores e pessoal superior das universidades, houve paralisações, marchas e panelaços populares – a indignação chegou ao limite quando as organizações sociais souberam (graças à investigação do portal Destape) que o governo de Milei e a ministra de Capital Humano, Sandra Pettovello, retiveram cinco mil toneladas de alimentos secos, deixados pelo governo anterior e que deveriam ser distribuídos em bairros e refeitórios desde o fim de dezembro de 2023.

O próprio governo confirmou esta situação que, segundo Pettovello, “era para prevenir, caso houvesse uma catástrofe”. Mais de cinco meses se passaram desde que o governo Milei assumiu, e deixou de enviar alimentos para mais de 40 mil refeitórios populares no país, supostamente para “auditá-los” por “possibilidades” de “corrupção”, o que provocou que milhares de pessoas indigentes, ou cada vez mais empobrecidas, a maioria crianças, não consigam comer sequer uma vez ao dia, o que também afetou os refeitórios escolares.

Leia também | Repressão na Argentina de Milei: liberdade de expressão é relativa na “democracia neoliberal”

Na semana passada, todos os preços aumentaram e o consumo em supermercados caiu mais de 30%. As mobilizações, greves e reclamações contra o ajuste “criminoso” imposto pelo presidente Milei mostraram uma imagem muito diferente da apresentada pelo governante, que se autodenomina o mais “importante libertário do mundo”.

Em meio à decisão do governo contra os meios públicos como a televisão, a Rádio Nacional e a Agência Nacional de notícias Télam, diante de cujo prédio, os funcionários acampam diante do edifício onde funcionava a redação e a sala de transmissão. Também foram afetadas todas as províncias às quais chegavam tanto a TV pública quanto a Rádio Nacional e a Télam, e tenta-se acabar com a programação do tão reconhecido programa infantil Paka Paka ou do canal cultural e educativo Encontro, em um avanço total para destruir a cultura nacional.

Por outro lado, sindicatos como o de Pneumáticos (Sutna) decidiram fazer um lentejada solidário (cozinhar lentilhas em cozinhas solidárias) em frente às fábricas Fate e Pirelli, diante do que consideram um brutal ataque do governo e apelando à unidade e à solidariedade da classe trabalhadora. Serão acompanhados por grupos musicais.

Pior semana

Os analistas da situação econômica consideram que esta é a pior semana financeira desde que Milei chegou ao poder, agravada pelo aumento do dólar e novos aumentos, além de estar ocorrendo uma forte crise interna no governo, com a queda de altos funcionários do gabinete nos próximos dias, incluindo rumores sobre o ministro da Economia, Luis Caputo. A indignação diante das viagens presidenciais, por razões partidárias, e o ato no Luna Park, entre outras atuações, tem piorado a difícil situação e alimentado o enojo e a indignação, inclusive entre seus seguidores.

Uma boa parte do público em um ato de Milei na quarta-feira (22) era evangélica, da Igreja Universal do Reino de Deus, que prega que a terra prometida é Israel.

La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Stella Calloni Atuou como correspondente de guerra em países da América Central e África do Norte. Já entrevistou diferentes chefes de Estado, como Fidel Castro, Hugo Chávez, Evo Morales, Luiz Inácio Lula da Silva, Rafael Correa, Daniel Ortega, Salvador Allende, etc.

LEIA tAMBÉM

noboa-equador2
Equador: desmonte de Noboa atinge necrotérios e pilha de corpos "derrete" em Guaiaquil
javier-milei
Resistência: 8x em que povo argentino derrotou a motosserra de Milei
PascualHernandezCUC
“Do genocídio praticado contra indígenas na Guatemala surgiu o termo palestinização”, afirma CUC
Peru-mulheres-indigenas-rio-maranon
Mulheres indígenas enfrentam petroleira para proteger Rio Marañón, no Peru