Pesquisar
Pesquisar

Milhares protestam contra exploração de petróleo no mar com bombas acústicas na Argentina

Técnica para a exploração sísmica utiliza bombas acústicas que se chocam com o fundo do mar. Efeitos sobre biodiversidade são graves
Redação Esquerda Diário
Esquerda Diário
São Paulo (SP)

Tradução:

A mobilização foi convocada pela Assembleia por um mar livre de petroleiras”. Milhares de jovens, famílias, trabalhadores da pesca, coletivos ambientalistas, movimentos sociais e da esquerda disseram “Não às petroleiras!” e exigiram a revogação da resolução 436/21, sancionada em 30 de dezembro, que autoriza a exploração sísmica e a exploração de petróleo próximo a Costa Atlântica a cargo da empresa norueguesa Equinor

E o que implica a exploração sísmica? A técnica para a exploração sísmica utiliza bombas acústicas que se chocam com o fundo do mar, a fim de localizar e extrair hidrocarbonetos. No entanto, o estrondo afeta enormemente a biodiversidade marinha.

Segundo estudiosos, se geraria uma explosão a cada 10 segundos, 24h do dia. Seria portanto o segundo maior contribuinte de ruído subaquático, porque o primeiro são as explosões nucleares e militares. Por outro lado, sabemos que onde há petróleo, também há vazamento.

Como prova, há o exemplo de Río Negro e o vazamento de Vaca Muerta, com menos de um mês do ocorrido, afetando a fauna e a flora nativas. 

A resolução rechaçada pela mobilização leva a assinatura do ministro do Meio Ambiente, Juan Cabandié. E no dia 30 de dezembro, um decreto firmado pelo presidente Alberto Fernández, o chefe de Gabinete, Juan Manzur e o ministro da Economia, Martín Guzmán, definiu os royalties a serem pagos pelas petroleiras que realizem a exploração offshore no Mar del Plata.

Técnica para a exploração sísmica utiliza bombas acústicas que se chocam com o fundo do mar. Efeitos sobre biodiversidade são graves

Esquierda Diario
Milhares de jovens, famílias, trabalhadores da pesca, coletivos ambientalistas, movimentos sociais disseram “Não às petroleiras!"

Desta forma, ignoram o rechaço massivo de cientistas, organizações ambientalistas e universidades, que junto a mais de quatrocentas pessoas rejeitaram o relatório de impacto ambiental apresentado pela petroleira Equinor na audiência pública não vinculativa para tratar do tema. Após a audiência e o início das mobilizações na cidade, Cabandié suspendeu a resolução até o fim das eleições. Porém, neste dia 30 de dezembro, na véspera do Ano Novo, ele aprovou o projeto extrativista

Podemos encontrar um motor comum da política extrativista tanto em Chubut quanto agora no mar argentino: a persistência do governo nacional em possibilitar o saque de recursos naturais em troca da obtenção de dólares para pagar ao FMI, a dívida ilegal e ilegítima deixada por Mauricio Macri.

No entanto, como milhares destacaram na terça-feira, a vitória em Chubut contra o rezoneamento da mineração abre caminho para o combate ao extrativismo em todo o país. Durante seis dias a província foi convulsionada por mobilizações massivas. Os trabalhadores e trabalhadoras portuários e marítimos fizeram greve, paralisando setores estratégicos da economia, como os portos, fazendo retroceder o governador que dias antes havia dito que “não pensava em recuar”.

Existem forças para vencer! Mas a luta está apenas começando. Nesta terça-feira (04/01) foram milhares os que protestaram por um mar sem petroleiras. No próximo sábado (08/01), às 9h, a “Assembleia Por um Mar Livre de Companhias Petrolíferas” se reunirá na Plaza España para debater desde a base como continuar a luta.

Confira aqui mais foto do ato na Argentina.

Redação Esquerda Diário


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Esquerda Diário

LEIA tAMBÉM

marx-ecologia
Marxismo ecológico: como Marx entendia a relação entre mudança climática e capitalismo?
Panamá-refugiados-climaticos
Governo do Panamá desloca refugiados climáticos, mas novas moradias ignoram tradições indígenas
Incendio_forestal_en_Puente_Sampayo
2024 pode superar 2023 em número de incêndios florestais no México
nordeste-seca-Fernando-Frazao
"Grande Seca": a tragédia climática que matou 500 mil pessoas no Nordeste entre 1877 e 1879