Pesquisar
Pesquisar

Na Costa Rica novo presidente é esperança de mudança

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Isabel Soto Mayedo*

Nacoes-Unidas-preparam-Agenda-de-Desenvolvimento-pos-2015_article_full_l Luis-Guillermo-Solis1A confirmação de Luis Guillermo Solís como presidente da Costa Rica, para o período 2014-2018, alenta a perspectiva de oxigenar a governabilidade democrática e a participação cidadã na gestão pública.

Desde sua eleição para presidente, em 6 de abril, o representante do Partido Acción Ciudadana (PAC) mostrou intenção de dirigir os destinos do país sobre a base da negociação e com isso semeio esperança de retorno da vida democrática, lacerada pelo liberacionismo.

Para o titular da Assembleia Legislativa, Henry Mora, também do PAC, a gestão do Partido de Liberación Nacional (PLN), pode ser resumida em três aspectos: muita corrupção, maior desigualdade e incapacidade de reduzir a pobreza.

Em diálogo com Orbe, via internet, o economista recordou que os três pilares do novo governo estão voltados a frear e reverter no possíveis tais problemas através da luta fontal contra a corrupção em todos os níveis do estado.

O problema principal que aflige a sociedade costarriquense é o aumento na contração da riqueza e da desigualdade, como resultado do modelo neoliberal implementado nas recentes três décadas, segundo definiu o secretario geral da Frente Ampla (FA), Rodolfo Ulloa. Diante desse panorama o PAC prevê uma ruptura parcial com esse esquema d desenvolvimento ainda que ofereça uma mudança moderada.

O grande desafio para esta administração será impulsionar as mudanças sonhadas, pois Costa Rica perdeu até a capacidade de sonhar e, depois de tanto tempo de imposição do sistema neoliberal, desmontá-lo resulta quase que impossível em apenas quatro anos, alertaram outros especialistas e ativistas sociais.

Luis Guillermo Solís2Os desafios para Solís e sua equipe não são nada simples, muito ao contrário. Chegar por primeira vez a um governo e arrancar do zero em tudo (por que a estrutura foi por décadas derrubada), para executar mudanças, levará seu tempo, advertiu em editorial o jornal diário Extra.

A publicação leva a entender que talvez as expectativas de mudança exigirão certo lapso para serem consolidadas, num contexto marcado por um déficit fiscal crescente, falta de oportunidade de emprego para muitos e a deterioração das instituições chaves, para só citar algumas.

Não obstante, destacou que a investidura neste 8 de maio do primeiro presidente do PAC simboliza uma renovação política histórica que marcará os destinos da nação e abrirá as portas à transformação do esquema político costarriquenho em procurar de forças renovadoras.

Por mais caótico que o panorama possa parecer, o trabalho titânico de domar não é impossível e em um primeiro momento será suficiente dar um voto de confiança para avançar por um caminho equilibrado e responsável, sugeriu.

De acordo com o catedrático da Universidade de Costa Rica, Alberto Cortés, o cenário que resultou das eleições coloca uma oportunidade para levar adiante uma nova forma de reconstruir a governabilidade, prejudicada nesses dois governos consecutivos do PLN.

Para alcançar essa meta, o politólogo propõe que valerá a pena resgatar a transparência e a prestação de contas efetiva e permanente, bem como a incorporação da participação da cidadania na política pública.

O que ocorreu durante a eleição do diretório da Assembleia Lagislativa prova a disposição de várias forças partidárias de se unirem para avançar para garantir governabilidade no país.

S bem existam nove frações partidárias e nenhuma com maioria, o PACV, a FA e o Partido Unidad Social Cristiana foram capazes de construir acordos que permitem ter controle do diretório e da gestão do parlamento, asseverou.

Se estes partidos tiverem a capacidade e clareza de entender a importância de constituir este bloco parlamentar, derrotando de maneira contundente ao PLN, abre a possibilidade de uma agenda legislativa com prioridades diferentes das dos últimos 30 anos, finalizou.

*Original da Revista Orbe, especial para Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

246b5cfe-7d91-4985-ae5b-374b4de380be
Após fracasso do "bloco do retrocesso", siglas regionalistas é que vão definir futuro espanhol
cf32429d-ab6a-4498-a7de-e71017970143
Sánchez: Mais que disputa de partidos, há nestas eleições uma ameaça real sobre a Espanha
365da2a6-b1be-4f30-ad19-87e2e4ba6ac2
Eleições na Espanha: direita pode levar Presidência, mas não forma maioria no Parlamento
325e7cbf-30fa-407c-86e8-8b3c9b668461
Eleições na Espanha: PP promete ações para mulheres e imigrantes, mas mantém pacto com Vox