Pesquisar
Pesquisar

“Não me farão recuar”, declara Castillo durante discurso de um ano de governo, no Peru

"Vão cansar-se de procurar provas porque não as vão encontrar", acrescentou o presidente peruano entre aplausos e críticas de congressistas
ARN - Agencia Regional de Notícias
ARN - Agencia Regional de Notícias
Montevidéu

Tradução:

O presidente do Peru, Pedro Castillo, defendeu o seu primeiro ano de mandato perante o Congresso nesta quinta-feira (28). Ele admitiu que cometeu “erros em algumas nomeações”, garantiu que não será obrigado a “recuar” apesar das “ameaças” e afirmou que se submeterá à justiça e ao “devido processo”.

Castillo entregou a sua mensagem à nação no seu primeiro ano de mandato numa sessão especial do Congresso marcada por aplausos de vários legisladores, enquanto outros o insultaram como “corrupto”, vários deixaram a sala e alguns viraram-lhe as costas e exigiram que ele se demitisse do seu posto. O “Saia”, um grupo de parlamentares, gritou enquanto Castillo terminava o seu discurso.

Leia também:
Presidente peruano, Pedro Castillo, renuncia ao partido Peru Livre após intensa crise interna

“Este primeiro ano recebi uma bofetada daqueles que não aceitaram o resultado” das eleições, começou Castillo.

Ele reconheceu imediatamente que tinha cometido “erros em algumas nomeações”. Nos seus primeiros meses de mandato, Castillo nomeou 59 ministros. Quatro destes foram censurados pelo Congresso.

Referiu-se também às acusações contra ele. “Embora a minha família seja insultada diariamente e a majestade da Presidência da República seja afetada, submeto-me à justiça para esclarecer os crimes de que sou acusado”, disse ele.

Castillo tem atualmente cinco investigações contra ele. O Ministério Público abriu uma investigação preliminar pelo alegado crime de tráfico de influência na adjudicação de um projeto conhecido como Ponte Tarata III. Além disso, o Ministério Público ordenou a reativação das investigações contra o presidente pelo possível crime contra a administração pública e tráfico de influência na compra de biodiesel a favor da empresa Heaven Petroleum Operators.

"Vão cansar-se de procurar provas porque não as vão encontrar", acrescentou o presidente peruano entre aplausos e críticas de congressistas

Pedro Castillo – Twitter
Enquanto Castillo falava, no exterior do congresso houve manifestações a favor e contra o presidente

Os outros três casos estão ligados a investigações sobre promoções alegadamente irregulares na carreira militar; obstrução da justiça, como denunciado pelo ministro do Interior, Mariano González, e possível plágio na sua tese de mestrado em Psicologia da Educação.

O Parlamento procurou por duas vezes remover o presidente. A este respeito, Castillo disse nesta quinta-feira que aqueles que “exigem” a sua vaga o fazem para “defender os seus interesses privados e impedir as mudanças” que o seu governo está a promover.

“Os insultos e ameaças não me farão recuar”, disse, acrescentando que “vão cansar-se de procurar provas porque não as vão encontrar”.


Manifestações

No seu discurso, questionou os meios de comunicação, dizendo que eles estão “empenhados em desestabilizar o governo”. Eles não estão interessados em divulgar as realizações”, disse ele, “eles apenas “desinformam”.

Leia também:
Cavalo de Troia: Ex-ministro do Peru admite ter usado cargo para desestabilizar Castillo

Em grande parte do seu discurso, Castillo enumerou uma série de ações levadas a cabo pelo seu governo. Referiu-se à campanha de vacinação contra a covid-19, medidas para proporcionar alojamento à população vulnerável, um aumento de algumas pensões, reforma agrária e um vale de alimentação para seis milhões de famílias. Salientou também que o Peru é o país “que mais tem crescido na região”.

Enquanto Castillo falava, no exterior do congresso houve manifestações a favor e contra o presidente.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
ARN - Agencia Regional de Notícias

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia