Pesquisar
Pesquisar

Nestas eleições, abster-se ou anular voto é cruzar os braços diante da tragédia brasileira

Será uma eleição de caráter plebiscitário, na qual o povo brasileiro decidirá se mantém o desgoverno miliciano ou resgata a democracia e soberania popular
Frei Betto
Diálogos do Sul Global
São Paulo (SP)

Tradução:

No próximo domingo, 2 de outubro, mais de 156 milhões de eleitores irão às urnas decidir quem deve ocupar na administração pública brasileira funções servidoras de deputado estadual, governador, deputado federal, senador e presidente da República.

A maioria dos votantes, segundo pesquisas comprovam, já sabe em quem votar, sobretudo quanto aos cargos majoritários, governador e presidente da República. 

Assista na TV Diálogos do Sul

Será uma eleição de caráter plebiscitário, na qual o povo brasileiro decidirá se o governo deve continuar em mãos de quem defende milicianosgarimpo ilegal, incendiários e devastadores de florestas, invasores de territórios indígenas e comércio ilegal de armassofrimento das vítimas de Covid e seus familiares; e trata os adversários com ódio e escárnio.

Ou os eleitores darão preferência, sem medo de ser felizes, a quem promoveu o Brasil à condição de nação soberana, livre das interferências do FMI, e foi capaz de reduzir significativamente a inflação e o desemprego; retirou o Brasil do Mapa da Fome (ao qual retornou em 2018); criou o Prouni e o sistema de cotas nas universidadesescolas técnicas de nível superiorFarmácias Popularesagricultura familiarLula deixou seus 8 anos de governo com 87% de aprovação por parte da opinião pública brasileira.

Ao votar para governador e presidente da República os eleitores devem estar atentos ao apoio parlamentar necessário para que seus candidatos, uma vez empossados, possam transformar em realidade suas promessas de campanha. Por isso é importante adequar a escolha dos nomes a cargos majoritários aos votos a quem deve ser eleito deputado estadual, deputado federal e senador.

Será uma eleição de caráter plebiscitário, na qual o povo brasileiro decidirá se mantém o desgoverno miliciano ou resgata a democracia e soberania popular

Sindicato dos Metalurgicos de Sorocaba
Frei Betto |Eleições, reta final




Diga não à descrença e abstenção

Machado de Assis, em sua primeira crônica na “Gazeta de Notícias”, em 1892, escreve sobre o pleito de 20 de abril daquele ano para preencher vaga no Senado após renúncia do general João Severiano da Fonseca. Eleito o republicano Aristides Lobo, que era deputado pelo Distrito Federal, Machado confessa: “Não entendendo eu de política, ignoro se a ausência de tão grande parte do eleitorado na eleição do dia 20 quer dizer descrença, como afirmam uns, ou abstenção como outros juram. A descrença é fenômeno alheio à vontade do eleitor; a abstenção é propósito.”

Machado, um sátiro inveterado, reafirma não entender de politica em crônicas posteriores: “Não entendo de política, limito-me a ouvir as considerações alheias” (25 de fevereiro de 1894); “política, matéria estranha às minhas cogitações” (6 de janeiro de 1895); “Não há quem não conheça a minha desafeição à política e, por dedução, a profunda ignorância que tenho desta arte ou ciência” (7 de abril de 1895); “Nada entendendo de política nem de finanças” (8 de dezembro de 1895); “Não estranheis ver-me assim metido em política, matéria alheia à minha esfera de ação.” (7 de junho de 1896). 

Assista na TV Diálogos do Sul

No entanto, toda a obra de Machado de Assis está impregnada de política. Mesmo porque não há nada que não seja político, seja por omissão, seja por participação. O que o fundador da Academia Brasileira de Letras quis evitar é a acusação de partidarismo. E o bom voto não é necessariamente o que nasce de convicções partidárias.

Há quem, filiado a partidos, se empenha na eleição de seus correligionários porque deseja que o programa partidário seja efetivamente aplicado. Mas há também os que, movidos por interesses nem sempre confessáveis, estão de olho em bons empregos e ter amigos agora transformados em políticos influentes.

Na crônica de 7 de agosto de 1892, em “Gazeta de Notícias”, Machado condena a abstenção ao comentar que, para eleger a vaga deixada por Aristides Lobo, o “eleitorado ficou em casa”. “Uns querem ver nisto indiferença pública, outros descrença, outros abstenção. No que todos estão de acordo, é que é um mal, e grande mal.”

Sim, abster-se ou anular o voto nesta eleição de 2022 é um grande mal, porque significa cruzar os braços diante da tragédia brasileira, com mais de 30 milhões de pessoas padecendo fome crônica; 10 milhões de desempregados; desmatamento na Amazônia ampliado em 21% neste ano, comparado a 2021, e deve chegar a 15 mil km2 de floresta derrubada até o fim do ano; inflação de mais de 8% ao anopreço dos alimentos

Votemos no resgate da democracia, da dignidade e dos direitos do povo brasileiro.

Votemos Lula, 13!

Frei Betto é escritor e autor de 73 livros, editados no Brasil e no exterior, entre eles “Tom vermelho do verde” (Rocco). Você pode adquiri-los na Livraria Virtual, em www.freibetto.org. Ali, os encontrará a preços mais baixos e os receberá em casa pelo correio.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Frei Betto Escritor, autor de “Cartas da prisão” (Companhia das Letras); “Batismo de sangue” (Rocco); e “Diário de Fernando – nos cárceres da ditadura militar brasileira” (Rocco), entre outros livros 74 livros editados no Brasil, dos quais 42 também no exterior. Você poderá adquiri-los com desconto na Livraria Virtual – www.freibetto.org. Ali os encontrará a preços mais baratos e os receberá em casa pelo correio.

LEIA tAMBÉM

1fe87bc8-369d-4b78-beb4-3c0e60d7b520
Qual o preço da aprovação do furo do teto dos gastos? Saiu barato para o centrão!
60c4bd06-ab9f-4bd3-8926-d6d97b0e6289
Por mentir descaradamente durante eleições, Jovem Pan perde monetização no YouTube
a1478090-ccd2-4be6-a65e-9208a13c3341
Com derrota à crueldade fascista, RS dá fôlego à esquerda e retoma diálogo democrático
d3908a35-5d39-49e0-8e1b-a5eb2078d981
Fascistas nas ruas, serviço público precário e prefeito negligente: Porto Alegre volta a 1964