Pesquisar
Pesquisar

No Fórum de São Petersburgo, Putin anuncia: "Sistema neocolonial deixou de existir"; confira

O presidente russo também fez declarações sobre o fracasso da contraofensiva ucraniana, relações globais e consolidação do mundo multipolar
Redação Resumen LatinoAmericano
Resumen LatinoAmericano
Moscou

Tradução:

O presidente russo, Vladimir Putin, pronunciou-se nesta sexta-feira (16), durante sua intervenção no XXVI Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo, sobre a contraofensiva ucraniana, ressaltando que Kiev não é capaz de “conseguir seus objetivos em nenhum dos setores” da frente.

“O que acontece com a chamada contraofensiva? Em algum lugar, as unidades ucranianas conseguem chegar à primeira linha, em outro, não”, comentou o mandatário. “Esta não é a questão. A questão é que utilizam as chamadas reservas estratégicas, que contam com vários componentes. O primeiro está projetado para romper a defesa, o segundo, para usar as tropas para avançar pelo território”, explicou.

Assista na TV Diálogos do Sul

De acordo com suas palavras, as Forças Armadas da Ucrânia sofrem perdas “muito grandes” em comparação com o Exército russo. Além disso, diariamente aumenta a destruição de seu equipamento militar: 186 tanques e 418 veículos blindados de diferentes tipos já foram liquidados pelos soldados russos. “Repito: o importante é que não há êxito em nenhuma das direções“, reiterou Putin.

Putin afirmou que os países ocidentais estão fazendo todo o possível para garantir que a Rússia sofra uma derrota estratégica no campo de batalha, fornecendo à Ucrânia abundância de armamento. No entanto, Kiev não poderá lutar muito tempo dependendo de armas que provêm do estrangeiro; aliás, estão se esgotando também seus próprios equipamentos.

Moscou, em troca, está aumentando a produção armamentista nacional, explicou. “Multiplicamos a produção por 2,7 e por 10 nas áreas mais requisitadas”, disse, precisando que as fábricas funcionam em dois ou três turnos e algumas trabalham “tanto de dia como de noite”.

Continua após o banner

O mandatário russo acrescentou que agora as forças ucranianas estão tentando avançar em várias direções, entre elas a de Zaporíjia, com ajuda de equipamento pesado. Mas “penso que as Forças Armadas da Ucrânia não terão possibilidades” de êxito, afirmou.

No dia (13), o presidente russo disse que as perdas militares das Forças Armadas da Ucrânia durante sua contraofensiva “são quase catastróficas”. Ele indicou ainda que enquanto a porcentagem de perdas irreparáveis durante as hostilidades costuma ser de 25-30%, os ucranianos tiveram 50%.

O presidente russo também fez declarações sobre o fracasso da contraofensiva ucraniana, relações globais e consolidação do mundo multipolar

Ramil Sitdikov / Sputnik
O fórum, ocorrido entre os dias 14 e 17 de junho, contou com a participação das delegações de mais de 100 países de todo o mundo




“O mau sistema internacional neocolonial deixou de existir”

O sistema neocolonial “deixou de existir”, afirmou o líder russo. “As leis do mercado funcionam com mais força do que a situação política atual, o que significa que o intrinsecamente mau sistema neocolonial deixou de existir, enquanto o mundo multipolar, pelo contrário, está se consolidando”, declarou.

“Grande ofensiva” da Ucrânia contra Rússia fracassa e país sofre perdas catastróficas

O mandatário russo referiu-se às recentes mudanças políticas e como seu país se adequou a elas. “A Rússia não só tem sócios e amigos, como também detratores nos mercados mundiais. Estes não querem competidores, de modo que tentam ‘anulá-los'”, afirmou.

No entanto, destacou que a Rússia participou e continuará participando da economia mundial. “Apesar de todas as dificuldades do ano passado, não optamos pelo auto isolamento. Pelo contrário, ampliamos nossos contatos com sócios confiáveis e responsáveis nos países e regiões que agora são os motores e propulsores da economia mundial”, lembrou.

Continua após o banner

E ainda, o volume do comércio mútuo entre a Rússia e outros países aumentou consideravelmente, especialmente com os Estados “cujos dirigentes resistem com frequência à torpe pressão exterior e não se guiam por estranhos, e sim por seus próprios interesses nacionais”, destacou Putin.


“A Rússia começou há muito tempo a reorientar-se para os mercados da Ásia, América Latina e África”

O presidente da Rússia também mencionou a reorientação do país para os mercados da Ásia, América Latina e África, “muito antes” do conflito na Ucrânia. Isto se deve a que “as tendências da economia mundial estão mudando”, assim como também os “novos líderes”, explicou.

Assista na TV Diálogos do Sul

“A taxa de crescimento do volume de negócios comerciais entre a China e os países da eurozona é maior que a taxa de crescimento de nossas relações comerciais com a China”, observou Putin. “Quando ouço: ‘vão depender da China’… E vocês, não? Já faz muito tempo que se tornaram [dependentes da China]”, continuou.

“Temos boas relações, não só de boa vizinhança, com a China, Índia e outros países” que estão se “desenvolvendo em um ritmo rápido”, como a Indonésia, um país com um “grande mercado”, afirmou Putin.

Continua após o banner

Quanto à América Latina, afirmou que “agora está se desenvolvendo e continuará se desenvolvendo”, ao mesmo tempo que afirmou que “há grandes oportunidades na África”.

“Todas as tentativas de limitar artificialmente [o desenvolvimento dos países] levam a que aqueles que introduzem estas restrições comecem a sofrer delas em maior medida”, acrescentou. “Isto não pode nos agradar, mas não leva nem levará a que ocorram circunstâncias que obstaculizem nosso desenvolvimento”, enfatizou o mandatário russo.


“Mantivemos a estabilidade de nossa economia”

Durante o discurso na sessão plenário em São Petersburgo, Putin também falou da evolução da situação econômica no país eurasiático, em meio à crescente pressão do Ocidente. Lembrou que o segundo trimestre do ano passado foi “o mais difícil para a economia” russa, mas depois a estratégia escolhida pelas autoridades e empresas russas funcionou muito bem.

Assim, segundo o líder russo, as tendências macroeconômicas estão ganhando impulso. Informou que o PIB do país cresceu 3,3%, enquanto o desemprego situa-se em 3,3%, “a taxa mais baixa da história do país”, e a inflação é inferior à de muitas nações ocidentais e se aproxima de seu mínimo, de 2,9%.

Indicou que no ano passado prognosticaram no estrangeiro que “a economia russa se tornaria uma economia fechada”, mas as autoridades do país optaram por “expandir o espírito empresarial e, como a prática demonstrou, fizeram absolutamente o que era correto”. “Graças aos esforços conjuntos de empresários, grandes, médias e pequenas empresas, com a participação ativa das autoridades, mantivemos a estabilidade de nossa economia“, afirmou.

O mandatário acrescentou que a economia russa “sai da espiral do petróleo e do gás”. Revelou que houve um crescimento de 9,1% da renda não procedente do petróleo e do gás, entre janeiro e maio de 2023.

De acordo com Putin, “o impulso do negócio russo é substituir as multinacionais” que não puderam resistir à forte pressão política do Ocidente. Destacou que cada vez mais há informação de que algumas empresas buscam voltar à Rússia.

Continua após o banner

“Se os produtores estrangeiros querem voltar ao nosso mercado, e cada vez ouvimos falar disso com mais frequência, não fechamos nossas portas para ninguém. Ninguém teme concorrência. Sabe-se que é o motor do progresso e do comércio. Criaremos as condições necessárias para funcionarem na Rússia. Mas, sem dúvida, levaremos em conta o comportamento particular de alguns destes sócios para o futuro“, disse, mas indicando que as autoridades russas, por seu lado, “sempre porão em primeiro plano os interesses das empresas nacionais”.


Pressão ocidental

Ao falar da pressão ocidental, o mandatário russo afirmou que algumas nações “simplesmente não querem que outros países do mundo tenham uma alternativa para seus aviões, navios, medicamentos, sistemas bancários, tecnologia e outros bens e serviços”. Ressaltou que estes atores do mercado “não precisam de concorrentes” e, por isso, “tentam suprimir os novos centros de desenvolvimento, tratando de anulá-los”. E acrescentou: “No entanto, tais tentativas fazem com que os países ocidentais cancelem sua própria reputação empresarial”.

Também comentou o congelamento dos fundos de cidadãos russos por parte dos países ocidentais, enfatizando que se trata de uma “violação de todas as normas de sua própria legislação e do direito internacional”. Afirmou que já disse repetidas vezes que “a situação em que se obtêm recursos na Rússia, que depois são depositados em contas estrangeiras, implica em riscos inaceitáveis evidentes”.

Da submissão europeia à derrota russa: o que move Governo Biden na Guerra na Ucrânia?

Enquanto isso, assegurou que a Rússia, por sua vez, “participou e participará da economia mundial”, e que apesar do comportamento politizado dos países ocidentais, os dirigentes de alguns Estados não sucumbem a esta pressão, razão pela qual o comércio mútuo com eles aumenta e se fortalece.

Ramil Sitdikov / Sputnik 

O fórum, ocorrido entre os dias 14 e 17 de junho, contou com a participação das delegações de mais de 100 países de todo o mundo. Este ano, o tema principal do evento foi “Desenvolvimento soberano, a base de um mundo justo. Unamos esforços pelo bem das gerações futuras”.

Os participantes do SPIEF destacaram que os países veem o fórum como uma excelente plataforma para estimular seu desenvolvimento com o apoio da Rússia. Assim, o evento — que acolheu delegações de mais de 20 países do Caribe e da América Central e do Sul, entre eles Argentina, Brasil, Venezuela, Cuba e México — adquire uma especial importância para os países latino americanos.

Resumen Latinoamericano e Russia Today
Tradução: Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Resumen LatinoAmericano

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes