Pesquisar
Pesquisar

Número de estadunidenses favoráveis a sindicatos trabalhistas é o maior em 57 anos

Trabalhadores em várias das empresas mais conhecidas, e mais antissindicais, têm se organizado e se agremiado pela primeira vez
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

De repente, o movimento trabalhista estadunidense explode com nova vida ao redor do país, gerando esperança de que, depois de uma longa noite de mais de quatro décadas de neoliberalismo, há um novo amanhecer de solidariedade e luta de trabalhadores, algo para finalmente celebrar no Dia do Trabalho, ocorrido na segunda-feira (5) – aqui não se festeja o 1º de Maio, apesar de ter nascido em Chicago para dar a volta ao mundo.

A primeira coisa que fizeram Reagan e Thatcher para inaugurar seus regimes neoliberais foi declarar a guerra contra os sindicatos, dando luz verde aos patrões para reprimi-los ou destruí-los.

Escravidão, guerras, criminalidade: Políticos dos EUA tentam falsificar histórico do país

Nos anos 50, um em cada três trabalhadores estadunidenses estavam sindicalizados; hoje são um de cada dez e, no setor privado, a taxa de sindicalização é de só 6,1% – em grande medida resultado da ofensiva neoliberal e do desmantelamento dos limitados direitos trabalhistas neste país.

Com a redução do poder dos sindicatos, o nível de desigualdade econômica disparou ao seu nível mais alto em quase um século, fato essencial para explicar a crise política e social estadunidense. Hoje em dia, 3 multimilionários têm mais riqueza que a metade da população, 160 milhões, e os salários reais estão iguais ou abaixo do nível registrado há meio século. 

Porém, nos últimos meses, há sinais de nova vida para o movimento trabalhista, muito deles impulsionados por jovens. Trabalhadores em várias das empresas mais conhecidas, e mais antissindicais, têm se organizado e se agremiado pela primeira vez.

São mais de 225 lojas da Starbucks, com um total de 6 mil trabalhadores, que formaram sindicatos desde que a primeira loja em Buffalo o fez em dezembro de 2021. O primeiro mega armazém da Amazon, com mais de 8 mil empregados, ganhou uma eleição para formar o primeiro sindicato dentro do império do homem mais rico do mundo, Jeff Bezos.

Foram alcançados também triunfos em eleições por um sindicato em partes da Apple, em algumas cadeias de supermercados, trabalhadores técnicos no New York Times, enfermeiras, trabalhadores de museus, estudantes de pós graduação em universidades, e até entre trabalhadores na nova indústria de cannabis legal. 

Trabalhadores em várias das empresas mais conhecidas, e mais antissindicais, têm se organizado e se agremiado pela primeira vez

Joe Piette – Flickr

No que vai do ano, se registraram 256 greves e outras ações trabalhistas, um incremento de mais de 76% comparado com o ano anterior

O número de locais de emprego que solicitaram realizar eleições para obter um sindicato ante a Junta Nacional de Relações Trabalhistas incrementou-se 58% nos primeiros 9 meses deste ano fiscal, comparado com o mesmo período do ano passado. 

Em 2022, os sindicatos ganharam 641 eleições, o número mais alto em 20 anos, segundo reporta a Bloomberg Law, representando mais de 43 mil trabalhadores, o dobro do ano passado.

América Latina pode ser grande aliada na onda progressista e antifascista dos EUA

E também se registra um incremento de ações trabalhistas, como greves e mobilizações, desde mineiros a milhares de professores, enfermeiras e em lojas de comida rápida. No que vai do ano, se registraram 256 greves e outras ações trabalhistas, um incremento de mais de 76% comparado com o ano anterior.

Vale assinalar que, sob as leis trabalhistas muito limitadas dos Estados Unidos, formar um sindicato não garante a negociação de um contrato coletivo. De fato, a maioria dos novos sindicatos não consegue negociar um contrato durante seu primeiro ano e, ante a nova militância, as empresas estão despedindo organizadores, intimidando seus empregados e até fechando locais que se atreveram a se sindicalizar. 

No entanto, há outro fator novo que ajudará a responder as ofensivas antissindicais da cúpula empresarial e de grande parte da política: o apoio do público em geral. Na semana passado, uma enquete da Gallup registrou que um surpreendente 71% dos estadunidenses aprovam/simpatizam com sindicatos – o nível mais alto desde 1965.

Não se sabe se tudo isto se sustentará, e com isso proclamar um renascimento trabalhista, mas por ora se escuta ao longo do país essa antiga demanda de pão para todos, mas rosas também.

Bônus musical 1 | Paul Robeson – Joe Hill


Bônus musical 2 |  Dropkick Murphys – Workers Song

David Brooks, correspondente do La Jornada em Nova York.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul

 


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

netanyahu
Impunidade de Israel ameaça credibilidade da Justiça Internacional
Ebrahim_Raisi (1)
Palestina estava no topo das prioridades de Ebrahim Raisi, ex-presidente do Irã
milei-argentina-espanha
Ataques de Milei deixam relação diplomática Espanha-Argentina na corda bamba
Ebrahim Raisi (1)
Ebrahim Raisi, Robert Fico, Prigozhin e Gaza: dois pesos e duas medidas na imprensa internacional