Pesquisar
Pesquisar

"O Brasil é um país que está entregando seus benefícios para corporações internacionais"

Em sua coluna semanal na TV Diálogos do Sul, o professor Cláudio di Mauro alerta para o ganho das empresas estrangeiras na Amazônia
Mariane Barbosa
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

Um dos assuntos mais comentados do momento, os incêndio da Amazônia, que geraram uma crise no Brasil e no mundo, abriram os olho da população brasileira em relação ao número de desmatamento, que subiu 67% nos primeiros oito meses de 2019, três vezes mais em relação ao ano passado.

De acordo com o professor de geografia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Cláudio di Mauro, o que as pessoas não estão levando em consideração é que o fato de que as atividades minerárias exercidas na Amazônia são desenvolvidas principalmente por empresas, por corporações internacionais.

Em sua coluna semanal na TV Diálogos do Sul, o professor Cláudio di Mauro alerta para o ganho das empresas estrangeiras na Amazônia

Flickr | Ibama
Operação Verde Brasil, Rondônia Brigadistas do Prevfogo participam de operação conjunta para combater incêndios na Amazônia

Em sua coluna semanal na TV Diálogos do Sul, o professor alerta que todo o ganho na região vai para os interesses das empresas estrangeiras, sejam elas canadenses, americanas, francesas norueguesas e até mesmo japonesas. “O certo é que essas grandes empresas já fizeram um parcelamento da Amazônia onde estão as riquezas naturais, predominantemente as minerárias, e onde elas vão desenvolver suas atividades cada vez mais de maneira aprofundada”, diz Cláudio.

Claudio cita que em Rondônia, atividades da Brascan (nome que mistura sua origem brasileira e canadense) destruíram rios. “Aqui em Minas Gerais, nós tivemos a Vale fazendo aquele desastre extraordinário, seja em Mariana, seja em Brumadinho. Por que não fica só no lugar onde fazem a exploração. Onde vão colocar os dejetos?”, questiona Cláudio.

“E quando tem o rompimento e os problemas de barragens e consequentemente toda a bacia hidrográfica fica submetida a destruição? Na Amazônia as coisas não são diferentes”, diz Cláudio ao citar exemplos de outras corporações que destruíram a vegetação brasileira. 

“Nós temos que levar em conta que o Brasil é um país que está entregando seus benefícios para corporações internacionais”, afirma. “Seja na atividade minerária, na extração da madeira, seja na imbecilidade dos setores ruralistas que entram com o gado para garantir a possibilidade das empresas minerárias atuarem na área”, conclui o professor.

Confira o vídeo completo em nosso canal do YouTube:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Mariane Barbosa

LEIA tAMBÉM

Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Rio-Grande-do-Sul-emergencia-climatica
Além do RS: América do Sul teve outros 3 eventos climáticos extremos apenas em 2024
Quenia-inundações
Inundações no Quênia matam 238 pessoas; governo ignorou alertas meteorológicos