Pesquisar
Pesquisar

O conceito de terrorismo e o genocídio em Gaza: o que faz Israel?

Estado sionista já matou 30 mil crianças e mulheres, além de invadir impunemente hospitais e assassinar pacientes; que definição dar a isso?
Carlos Russo Jr
Diálogos do Sul
Florianópolis (SC)

Tradução:

O termo “terrorismo” começou a ser usado no século 18, principalmente para designar atos de violência praticados por governos com o objetivo de garantir a submissão da população civil.

Este é um conceito nada bom para aqueles governos praticantes do “terrorismo de Estado”, os quais, como detentores do poder, acham-se na posição de controlar a forma de pensar e a liberdade de expressão.

Assista na TV Diálogos do Sul

Enfim, o significado original se perdeu e o termo “terrorismo” passou a ser empregado, principalmente, para atentados em pequena escala, praticado por pessoas ou grupos*.

Embora o termo fosse empregado outrora para denotar a vontade de Impérios que submetiam seus povos e o mundo, agora seu significado está restrito à noção daqueles que incomodam os poderosos; o termo ainda se aplica a impérios inimigos, que podem mudar de categoria de acordo com a necessidade de poder e o tipo de ideologia.

O conto de Santo Agostinho e o terrorismo de EUA e Israel sob a bandeira da autodefesa

Hoje usamos o termo “terrorismo” para assinalar o uso de ameaça ou o emprego de violência com o propósito de intimidar ou coagir, quer o terrorismo seja do Império, quer do “ladrão”. Ou seja, os “atos terroristas” tornam-se práticas abomináveis somente quando cometidos por alguém do lado deles e não do nosso. Caso contrário, são atos de autodefesa!

Continua após imagem

Estado sionista já matou 30 mil crianças e mulheres, além de invadir impunemente hospitais e assassinar pacientes; que definição dar a isso?

Foto: Times Of Gaza
Iníquos são aqueles que, sob o falso manto do antissemitismo que a história naufragou, defendem o sionismo assassino do governo de Netanyahu

Cobiça americana

As vítimas do terrorismo internacional nas últimas décadas têm sido os cubanos, países de quase toda a América Latina, e, principalmente, do Oriente Médio, atraídos pela cobiça americana pelo petróleo.

Nessas últimas décadas temos visto Israel, o braço longo do Império Americano, bombardear campos paupérrimos de refugiados palestinos, assassinando civis, geralmente sofrendo apenas arremedos de retaliação; Israel, quantas vezes, não enviou seus soldados ao Líbano para operações “antiterroristas”, matando e destruindo impunemente; Israel sequestrando navios e despachado centenas de palestinos reféns para campos de concentração; a expansão à força e sob submissão dos palestinos, para implantação das novas colônias por judeus orientais na Cisjordânia, e isto tudo nunca foi considerado “terrorismo”!!!!

Por que Israel não pode derrotar o Hamas

Agora, em resposta a uma ação terrorista do Hamas, que deixou mais de mil mortos, destrói toda a faixa de Gaza, território palestino habitado por mais de 2 milhões de seres humanos, massacra propositalmente mais de 30 mil crianças e mulheres, invade impunemente hospitais, leva para locais desconhecidos seus médicos, assassina pacientes! Destrói a população civil pela fome, sede e doenças.

E a isto não se denomina “genocídio”? É, sim, o verdadeiro holocausto do povo palestino!

Anistia não! Se terrorismo em Brasília ficar impune, democracia sairá enfraquecida

Os protestos que se levantam, como a voz corajosa do Presidente Lula, são tratadas como antissemitismo, como uma iniquidade!

Iníquos são aqueles que, sob o falso manto do antissemitismo que a história já naufragou, defendem o sionismo assassino do governo proto-nazista de Netanyahu.

Obs.: Nos anos 2000, Benjamim Netanyahu foi chanceler do governo de Israel. Em conferência internacional sobre terrorismo, declarou: “O aspecto que define o terrorismo é o assassinato e mutilação deliberados e sistemáticos de civis como o intuito de aterrorizar.”

Hoje, o que faz Israel?


Referências:

– Origens e causas fundamentais do terrorismo internacional. Secretariado da ONU, 1975.
– Los Angeles Times, 28/12/1975.
– Chomsky, N. “Piratas e Imperadores: o terrorismo internacional no mundo real”. Bertrand Brasil.


Carlos Russo Jr. | Colunista na Diálogos do Sul.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul.
Carlos Russo Jr Carlos Russo Jr., coordenador e editor do Espaço Literário Marcel Proust, é ensaísta e escritor. Pertence à geração de 1968, quando cursou pela primeira vez a Universidade de São Paulo. Mestre em Humanidades, com Monografia sobre “Helenismo e Religiosidade Grega”, foi discípulo de Jean-Pierre Vernant.

LEIA tAMBÉM

Censura_EUA_livros_aborto
Ultradireita tenta proibir 4,4 mil livros nos EUA e ressuscita lei antiaborto de 1864 no Arizona
Russia_China_cooperacao
China e Rússia ampliam cooperação contra ofensiva do Ocidente na Eurásia
Palestina_fome_Israel_crime_de_guerra
Tática de Israel para matar palestinos de fome é crime de guerra; bebês e crianças choram dia e noite
Lira_Centrao_Legislativo_Executivo
Cannabrava | Parlamentarismo às avessas encurrala o poder Executivo