Pesquisar
Pesquisar

O mundo falhou em todos os objetivos para parar a destruição da natureza, diz ONU

Num relatório arrasador, a organização relembra os objetivos definidos em 2010, analisa o que foi feito e alerta que os resultados colocam em risco os acordos de Paris
Redação Esquerda.Net
Esquerda.Net
Lisboa

Tradução:

O mundo falhou em todos os objetivos para controlar a destruição da vida animal e dos seus ecossistemas na última década, é a conclusão sintética e avassaladora do relatório Global Biodiversity Outlook 5, publicado pela Organização das Nações Unidas (ONU) esta terça-feira.

Desde lidar com a poluição até à proteção dos corais de recife, a comunidade internacional não conseguiu alcançar qualquer um dos 20 objetivos de Aichi, definidos em 2010 para a defesa da biodiversidade, no Japão.  

Esta é a segunda década consecutiva em que os governos signatários falham em alcançar as metas definidas.

Segundo o relatório da ONU, apesar de alguns progressos em algumas áreas, os habitats naturais continuam a desaparecer, e um vasto número de espécies permanece ameaçada de extinção devido à atividade humana.

Num relatório arrasador, a organização relembra os objetivos definidos em 2010, analisa o que foi feito e alerta que os resultados colocam em risco os acordos de Paris

Econotícias
“Os ecossistemas do planeta como um todo estão sendo comprometidos"

500 milhões em subsídios governamentais de destruição ambiental

Os 20 objetivos definidos em 2010 são monitorizados por 60 indicadores e elementos autônomos. Destes, 7 foram atingidos, 38 mostram algum progresso e 13 elementos não apresentam qualquer progresso. Não foi possível obter informação para dois indicadores.

Um dos principais objetivos – reduzir para metade a perda de habitats naturais, nomeadamente florestas -, não foi atingido. A taxa de desflorestação mundial reduziu-se em cerca de um terço nos últimos cinco anos quando comparado com a primeira década deste século, mas a degradação e fragmentação de biodiversidade nos ecossistemas dos trópicos permanece alta. Áreas selvagens e ecossistemas de água doce continuam perigosamente ameaçadas.

Os programas governamentais que ativamente destroem a natureza também não foram reduzidos, com 500 mil milhões de dólares de subsídios governamentais destinados a atividades danosas e que deveriam já ter sido eliminados, segundo os objetivos estabelecidos em 2010, escreve o Guardian.

Alguns avanços 

Dos seis objetivos parcialmente cumpridos incluem-se a proteção de áreas e as medidas relativas a espécies invasoras. Apesar de os governos terem falhado em proteger 17% de áreas terrestres ou 10% dos habitats marítimos, 44% da biodiversidade destas áreas está agora sob proteção, um aumento em relação aos 29% registados em 2000. Cerca de duzentas erradicações de espécies invasoras em ilhas foram bem sucedidas.

A deterioração dos ecossistemas coloca em xeque os acordos de Paris sobre a crise climática, de 2015, e os objetivos de desenvolvimento sustentável definidos, diz a ONU.  

“Os ecossistemas do planeta como um todo estão sendo comprometidos. Quanto mais a humanidade explorar a natureza de forma insustentável, mais nós sacrificamos o nosso bem-estar, segurança e prosperidade”, disse a responsável pela biodiversidade da ONU, Elizabeth Maruma Mrema.

Redação Esquerda.Net


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Esquerda.Net

LEIA tAMBÉM

Catástrofe_RS_clima
Cannabrava | Catástrofe climática, tragédia humana
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Rio-Grande-do-Sul-emergencia-climatica
Além do RS: América do Sul teve outros 3 eventos climáticos extremos apenas em 2024