Pesquisar
Pesquisar

Papa Francisco: Um país só está seguro quando todos estão seguros

Em entrevista, Pontífice fala sobre carência de líderes, espera por salvadores e exploração da classe trabalhadora: “um dos pecados mais graves”
Guilherme Ribeiro
Diálogos do Sul Global
Bauru (SP)

Tradução:

“Não se pode alcançar uma segurança parcial, para um país, se não for uma segurança integral, para todos”, afirma o Papa Francisco em entrevista à jornalista Bernarda Llorente, da Telam, a Agência Nacional de Notícias da Argentina.

Na conversa, que aconteceu no fim de setembro e foi publicada nesta segunda-feira (16), o Pontífice afirma que garantir a segurança para todos os povos do planeta demanda construir um diálogo universal, que ultrapasse barreiras nacionais, “especialmente hoje com todas as facilidades que existem para nos comunicarmos”.

Assista na TV Diálogos do Sul


A guerra, em contrapartida, é o inimigo dessa ideia: “Desde a Segunda Guerra Mundial […] estamos vivendo uma guerra mundial em pedacinhos”, observa, uma crítica que reafirma suas declarações recentes sobre a escalada dos conflitos em Gaza.

“Que os ataques e as armas se detenham, por favor!”, afirmou no dia 8. Já no domingo (15), reiterou seu apelo à paz e implorou o respeito pelo direito humanitário “especialmente em Gaza, onde é urgente e necessário garantir corredores humanitários e ajudar toda a população”.

Rosemberg Cariry | Massacre em Gaza nos faz refletir sobre a própria condição humana

Questionado sobre o que, em sua percepção, leva às guerras, Francisco menciona explorações, disputas geopolíticas por controle territorial, razões culturais e ditaduras. Particularmente sobre a ascensão da extrema-direita no mundo, chama a juventude a enfrentar o problema, ao invés de esperar por super-heróis:

“Temos de ensinar aos jovens a como lidar com as crises. Isso dá maturidade. Todos já fomos jovens sem experiência e às vezes [nos apegamos] ao milagre, ao Messias, [acreditando] que as coisas se resolvem de forma messiânica. O Messias foi um só e salvou todos nós. O resto são todos palhaços messiânicos”, assevera.

Continua após o banner

Ao reconhecer a necessidade de que a juventude se engaje frente aos desafios globais, o Papa Francisco reconhece dois obstáculos à tarefa. Por um lado, há o individualismo, que anula a riqueza humana, enquanto o Flautista de Hamelin conduz o povo ao afogamento: “As grandes ditaduras nascem de uma flauta, de uma ilusão, de um encanto do momento. E depois dizemos “que pena, todos acabamos nos afogamos”, alerta. Por outro, faltam protagonistas dispostos a liderar as lutas: “[Tem] gente que acredita que pode sair da crise dançando ao som da flauta, com redentores feitos de um dia para o outro. Não. A crise deve ser assumida e superada”, afirma.

Continua após a imagem

Em entrevista, Pontífice fala sobre carência de líderes, espera por salvadores e exploração da classe trabalhadora: “um dos pecados mais graves”

Foto: Vatican News/Facebook
Papa Francisco: “Algoz não é apenas aquele que mata uma pessoa, também é quem a explora"

O diálogo com o Papa também toca na questão do trabalho, e ele é enfático na crítica contra a exploração dos trabalhadores, “um dos pecados mais graves”. Para Francisco, aliás, não há meio-termo, ou o trabalho é com direitos, ou é escravo:

“Algoz não é apenas aquele que mata uma pessoa, também é quem a explora. Temos que estar cientes disso. […] E quero deixar claro que não sou comunista como dizem alguns (risos). O Papa segue o Evangelho”, reitera.

Leia também: Frei Betto | Trabalho escravo no Brasil é problema crônico do agro jamais visto no MST

Na entrevista completa, Francisco oferece ainda declarações sobre temas como Inteligência Artificial – ferramenta a ser “gerida, assimilada e controlada” pela humanidade – e a necessidade de renovação da Igreja Católica “a favor da dignidade das pessoas” – um processo que demanda equilíbrio entre tradição, cultura e progresso.

Confira as versões: original [espanhol] e traduzida.

Guilherme Ribeiro | Jornalista e colaborador da Diálogos do Sul.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Guilherme Ribeiro Jornalista graduado pela Unesp, estudante de Banco de Dados pela Fatec e colaborador na Revista Diálogos do Sul.

LEIA tAMBÉM

begona-gomez-pedro-sanchez-ksuF--1200x630@diario_abc1
Esposa de Pedro Sánchez se recusa a depor em processo de corrupção e tráfico de influências
download1
Jornalista do Wall Street Journal condenado a 16 anos de prisão por espionagem na Rússia
Rússia considera instalar armas nucleares em resposta a mísseis dos EUA na Alemanha
Rússia considera instalar armas nucleares em resposta a mísseis dos EUA na Alemanha
Pedro Sánchez Apresenta Plano de Regeneração Democrática no Congresso Espanhol
Pedro Sánchez apresenta ações contra fake news enquanto lei mordaça segue em pauta