Pesquisar
Pesquisar

Parlamento da Catalunha tramita ação popular pela declaração de independência

Moção aprovada “faculta ao Governo de la Generalitat negociar o reconhecimento internacional da declaração de independência”
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

Em plena negociação para a aprovação da lei de anistia geral, o Parlamento da Catalunha admitiu tramitar uma iniciativa popular que luta pela declaração unilateral de independência.

A moção foi levada adiante, e portanto será votada e debatida nas próximas semanas, graças aos votos do Junts per Catalunya (JxCat) e do anticapitalista Candidatura de Unidade Popular (CUP), além da abstenção da Esquerra Republicana de Catalunya (ERC). 

Entrevista | Chanceler da Catalunha quer região seja vista pelo mundo “como país”

Este proposto é fruto do que denominam a “democracia transversal e horizontal”, já que se trata de uma iniciativa popular e impulsionada pelas bases sociais do separatismo catalão. Promovida pela plataforma Solidaritat Catalana, o texto defende que “a decisão de declarar a independência corresponde ao povo da Catalunha, como titular da soberania nacional, e ao Parlamento de Catalunha como representante democraticamente eleito”. 

A moção a ser aprovada “faculta ao Governo de la Generalitat negociar o reconhecimento internacional da declaração de independência”. Adverte ainda que “a declaração de independência será efetiva quando for aprovada a presente lei, assim que for negociada com a comunidade internacional a forma e o momento da declaração de independência e declarada uma maioria absoluta de deputados em sessão solene do Parlamento convocada para tal efeito”.

Continua após a imagem

Moção aprovada “faculta ao Governo de la Generalitat negociar o reconhecimento internacional da declaração de independência”

Foto: Jordi Ventura – Assemblea Nacional Catalana / Flickr
Catalães durante protesta contra detenção de Puigdemont, em 25 de março de 2018

Os promotores da iniciativa devem reunir 50 mil assinaturas para que a proposta possa ser submetida à votação em plenário. Como era previsto, a proposta foi rechaçada pelos partidos espanhois, incluindo o Partido Popular (PP), o ultradireitista Vox, assim como o Partido Socialista de Cataluña e o En Comú Podem. Em qualquer caso, se a iniciativa finalmente for votada, os partidos independentistas catalães têm a maioria suficiente para levar adiante a proposta. 

Os impulsionadores sustentam que a “Catalunha é uma nação ocupada militarmente, judicialmente, policialmente, midiaticamente e culturalmente e, portanto, a decisão de declarar a independência corresponde ao povo como titular da soberania nacional, e ao Parlamento da Catalunha como seu representante democraticamente eleito”. No ano de 2010, foi apresentada uma iniciativa similar, mas foi rechaçada pelo voto contrário da Convergência e União, hoje transformada no JxCat.

Armando G. Tejeda | La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

2560px-Hotel_InterContinental_(Madrid)_01
Grupo que articula ataques a Obrador faz novo encontro da ultradireita global em Madri
netanyahu-genocidio-Palestina
Pogroms, censura, manipulação midiática: o que Ocidente esconde sobre o genocídio palestino
Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso