Pesquisar
Pesquisar

Paulo Cannabrava | Guerra na Ucrânia esconde conflito global e surgimento de mundo novo

Moscou e Pequim estão ditando as novas regras do jogo. Processo irreversível terá moedas lastreadas em riquezas concretas e não mais em dólares sem lastro
Paulo Cannabrava Filho
Diálogos do Sul Global
São Paulo (SP)

Tradução:

O conflito no Leste Europeu, é, na verdade, mundial, parte do confronto entre o Sul Global, explorado e saqueado, contra o norte explorador, saqueador. Não todo o hemisfério, mas o norte sob a hegemonia do imperialismo dos Estados Unidos, que se enriquece à custa do trabalho e das riquezas do sul. 

Os Estados Unidos impuseram sanções muito duras à Rússia — ao conseguirem bloquear todos os recursos russos em dólares. Sob todos os aspectos, isso é uma declaração de guerra que envolve, além dos EUA, a União Europeia, o Reino Unidos, o Canadá, o Japão, a Coreia do Sul, Taiwan, a Austrália e a Nova Zelândia. Já dissemos que a maior vítima é a Europa. Vergonhoso ver a submissão dos chefes de Estado europeus aos desígnios do Império decadente.

Leia também: Sanções de Biden à Rússia têm potencial de levar Europa a crise terminal

Atuam como estertores do império ianque. Como o monstro é muito grande e forte, vai ficar estrebuchando ainda por mais algum tempo. A Europa não tinha, nem tem porque se deixar sucumbir junto. Para sobreviver, bastaria se livrar da ocupação estadunidense. Ocupação que é econômica, militar e cultural.

Seja por erros de cálculo ou perda do senso pela ganância dos senhores das guerras, o tiro desferido por Washington saiu pela culatra. A Europa mergulhou em uma crise que não afetou na mesma dimensão Moscou — o alvo principal das sanções — simplesmente porque a Rússia se preparou e tem recursos para viver por si mesma.

São Moscou e Pequim que estão a ditar as regras do jogo agora. No dia 31 de março, os chanceleres Sergey Lavrov e Wang Yi se reuniram com os governos de Irã, Paquistão, Tajiquistão, Turcomenistão, Uzbequistão, Turcomenistão, Indonésia e Catar. Abordaram formas de ajudar o Afeganistão e o conjunto dos países da Ásia a criarem estratégias de desenvolvimento e cooperação através de investimentos em infraestrutura.

Moscou e Pequim estão ditando as novas regras do jogo. Processo irreversível terá moedas lastreadas em riquezas concretas e não mais em dólares sem lastro

Foto: Divulgação
Seja por erros de cálculo ou perda do senso pela ganância dos senhores das guerras, o tiro desferido por Washington saiu pela culatra

O diplomata chinês foi categórico: não aceitamos hegemonias

Acabou a hegemonia do dólar sem lastro. Ninguém mais treme diante das canhoneiras do império decadente. Querem petróleo? Paguem em Yuan. Querem gás? Paguem em rubros. Como querer que a Rússia aceite pagamento em dólar se todas as suas contas em dólares nos bancos europeus bloqueadas? 

Leia também: PetroYuan: sanções fazem Rússia, Índia e China avançarem contra supremacia do dólar

O atual premiê alemão, sem noção do que é seu próprio país, aderiu cegamente ao bloqueio determinado pelos Estados Unidos e anunciou que se nega pagar em rublos o gás fornecido pela Rússia. Não é bem assim. O que os russos exigem é que pague, em euros, dólares ou qualquer outra moeda, em um banco situado em território russo, que por sua vez faz o pagamento à petroleira em rubros. Da maneira como estava, a Rússia não teria acesso ao dinheiro, o mesmo que estar entregando o gás de graça.

Duraram pouco os rompantes do premiê As maiores empresas alemãs, como Volkswagen, Audi, BMW, Mercedes e Basf dependem de 70% a 100% do combustível russo para funcionar. No caso da Basf, a empresa ameaçou: se paramos, serão 40 mil trabalhadores desempregados.

A Europa e o mundo não podem sobreviver sem o combustível e o trigo, as commodities, em geral, fornecidas pela Rússia, que é autossuficiente e pode viver sem os dólares. Aliás, o mundo pode viver sem a moeda estadunidense, que é volátil, sem lastro e imposta à força por armas e especuladores que vivem à custa de um verdadeiro cassino global.

No lugar do dólar flutuante, volátil, dos especuladores, surgem moedas lastreadas em riquezas concretas, como são o petróleo, o ouro e as commodities, em geral. Essa é a mágica do novo sistema que já está funcionando envolvendo uma boa parte da Ásia e rapidamente aceito até por países como a Arábia Saudita — que orbita sempre em torno dos Estados Unidos, mas já vende seu petróleo em yuan.

A mídia hegemônica, refém do capital financeiro, está ignorando esses acontecimentos. Omissão de suma gravidade, posto se tratar de um movimento sem retorno. Terá que se submeter, mais adiante, queira ou não. Até lá, terá contribuído para o descrédito, perda da confiança.

O jornalista Pepe Escobar define esse evento como um Big Bang, ou seja, o nascimento de um novo mundo, livre da hegemonia do capital financeiro alicerçado no dólar, fundado na economia produtiva, lastreado em commodities e produtos.

Paulo Cannabrava Filho é editor da Diálogos do Sul.

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Paulo Cannabrava Filho Iniciou a carreira como repórter no jornal O Tempo, em 1957. Quatro anos depois, integrou a primeira equipe de correspondentes da Agência Prensa Latina. Hoje dirige a revista eletrônica Diálogos do Sul, inspirada no projeto Cadernos do Terceiro Mundo.

LEIA tAMBÉM

Armenia_Otan_UE_Rússia
UE e Otan seduzem Armênia exclusivamente de olho em recursos, alerta Rússia
01c91d77-420a-4c95-a57a-54b9ef4c5f24
Armênia-Azerbaijão: fim de Nagorno-Karabakh não é solução para tensões no Sul do Cáucaso
51576a7e-8747-4410-9309-85428dfe90f6
Em 4 pontos, entenda por que nova declaração da OTAN é uma ameaça direta à humanidade
39335ab3-99d8-4638-a578-30492ee4d76c
Saída de tropas de ilha ucraniana busca viabilizar corredor humanitário, afirma Rússia