Pesquisar
Pesquisar

PEC Kamikaze: Em desespero pela derrota iminente, governo parte para o tudo ou nada

Medida prevê reconhecimento de um suposto "estado de emergência" em razão da alta nos combustíveis, uma evidente tentativa de burlar a legislação
Julinho Bittencourt
Revista Fórum
São Paulo (SP)

Tradução:

Vários senadores não registraram presença e a votação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 16/22, que deveria ter acontecido na quarta-feira (29), foi adiada para esta quinta-feira, pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

A PEC prevê ampliação de benefícios e a criação de um voucher a ser pago aos caminhoneiros, com impacto previsto de R$ 38,75 bilhões além do teto de gastos do governo. A legislação, no entanto, proíbe a criação de novos benefícios sociais em ano eleitoral.

Uma espécie de tudo ou nada eleitoral proposto pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) e seu governo, a PEC prevê o reconhecimento de um suposto “estado de emergência” provocado pelo aumento no preço dos combustíveis. Uma evidente tentativa do governo de burlar a legislação.

Medida prevê reconhecimento de um suposto "estado de emergência" em razão da alta nos combustíveis, uma evidente tentativa de burlar a legislação

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Bolsonaro.

Desespero eleitoral

Em um momento nevrálgico, a pouco mais de três meses das eleições e sem decolar nas pesquisas, podendo perder já no primeiro turno, o anúncio da PEC – como disse o líder do PT na Câmara, deputado Reginaldo Lopes (MG), nesta quarta-feira – denuncia desespero eleitoral do presidente. 

“Reconhecer que o Brasil está em Estado de Emergência — passados 4 anos desde o último processo eleitoral — é estar totalmente desconectado do mundo, da vida do povo brasileiro, do mundo real, do Brasil profundo”, afirmou.

Assista na TV Diálogos do Sul

A PEC permite ao governo aumentar em R$ 200,00 o Auxílio Brasil, que é de R$ 400,00, reajustar o auxílio-gás e a criação do “voucher caminhoneiro”, de R$ 1.000,00.  Para isso, os recursos para bancar o “Pacote de Bondade”, da ordem de R$ 38 bilhões, ficariam excluídos do teto de gastos, com o reconhecimento do Estado de Emergência previsto na proposta.

A proposta também prevê o pagamento de um subsídio para garantir a gratuidade de idosos no transporte público num aumento de despesas estimado em R$ 2,5 bilhões.

Poder de compra segue caindo com alta dos combustíveis; cenoura e abobrinha sobem 100%

A PEC também determina um repasse no valor de R$ 3,8 bilhões em créditos tributários para a manutenção da competividade do etanol, usado na mistura da gasolina vendida nos postos de combustíveis do Brasil.

“Trata-se de um governo incompetente, que levou o País a uma situação de desemprego; que levou o Brasil de volta ao Mapa da Fome — 33 milhões de brasileiros —; que fez retroagir a economia brasileira ao nível em que estava há 10 anos; que destruiu a renda e o poder de compra da classe trabalhadora e do povo brasileiro; que desorganizou o programa mais reconhecido e premiado em uma centena de países no mundo, para fazer um programa provisório — o Auxílio Brasil — até dezembro, sem orçamento e sem critério de renda per capita para atender as famílias mais numerosas, que têm mais crianças. E, agora, esse governo encaminha no Senado uma proposta que propõe o reconhecimento de Estado de Emergência”, criticou Reginaldo Lopes.

Não necessita sanção

Para entrar em vigor, a PEC precisa ser aprovada em dois turnos tanto pelo Senado quanto pela Câmara dos Deputados e ter três quintos dos votos dos parlamentares nas duas casas. Após a aprovação, ela é promulgada automaticamente, sem necessidade de sanção presidencial.

Veja estimativa de gasto com o novo texto:

Ampliação do Auxílio Brasil, valor vai de R$ 400 para R$ 600 mensais. Estimativa de custo: R$ 26 bilhões;

Implementação de um “voucher” pago aos caminhoneiros no valor de de R$ 1 mil. Estimativa de custo: R$ 5,4 bilhões;

Ampliação do Auxílio-Gás, vai de R$ 53, para o valor de um botijão a cada dois meses. Estimativa de custo: R$ 1,05 bilhão;

Compensação aos estados para atender a gratuidade, já prevista em lei, do transporte público aos idosos. Estimativa de custo: R$ 2,5 bilhões;

Compensação aos estados que reduzirem para 12% a alíquota do ICMS sobre o etanol. Estimativa de custo: R$ 3,8 bilhões.

Julinho Bittencourt | Revista Fórum | Com informações de Congresso em Foco.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Julinho Bittencourt

LEIA tAMBÉM

1fe87bc8-369d-4b78-beb4-3c0e60d7b520
Qual o preço da aprovação do furo do teto dos gastos? Saiu barato para o centrão!
60c4bd06-ab9f-4bd3-8926-d6d97b0e6289
Por mentir descaradamente durante eleições, Jovem Pan perde monetização no YouTube
a1478090-ccd2-4be6-a65e-9208a13c3341
Com derrota à crueldade fascista, RS dá fôlego à esquerda e retoma diálogo democrático
d3908a35-5d39-49e0-8e1b-a5eb2078d981
Fascistas nas ruas, serviço público precário e prefeito negligente: Porto Alegre volta a 1964