Pesquisar
Pesquisar
Foto: Gustavo Petro / Facebook

Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: “Não toleraremos”

Cerca de 120 guerrilheiros entraram em confronto com policiais nesta segunda-feira (20), em Cauca; segundo Petro, "situação é inaceitável"
Jorge Enrique Botero
La Jornada
Bogotá

Tradução:

Beatriz Cannabrava

Com transmissão ao vivo em várias estações de rádio, 12 policiais enfrentaram durante toda a manhã da última segunda-feira (20) um ataque massivo de pelo menos 120 guerrilheiros que usaram armas de alto calibre e explosivos artesanais no departamento do Cauca, no sudoeste da Colômbia.

Os sons das metralhadoras serviram como trilha sonora para a transmissão feita por jornalistas locais da pequena cidade montanhosa de Morales, evocando inevitavelmente a antiga cena de tomadas de municípios por forças irregulares. De acordo com números do Centro Nacional de Memória Histórica (CNMH), desde o início do conflito interno colombiano, na década de 1960, houve 1900 incursões de grupos armados à margem da lei nas sedes municipais. No entanto, essa prática havia diminuído substancialmente após a assinatura dos acordos de paz de 2016 entre o governo do presidente Juan Manuel Santos e as hoje extintas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

Leia também | Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU

Por volta do meio-dia, após o início do assalto, o governador do Cauca, Jorge Octavio Guzmán, confirmou que dois policiais morreram e três ficaram gravemente feridos, enquanto importantes danos foram registrados na infraestrutura de Morales. Uma hora antes desse ataque, unidades guerrilheiras das frentes Jaime Martínez e Dagoberto Ramos, pertencentes a dissidências das FARC que não aderiram aos acordos de 2016, detonaram um carro-bomba em frente a um hotel na cidade de Jamundí, deixando dois policiais e nove civis feridos, incluindo três menores de idade. Fontes militares reportaram escaramuças nas cidades de Suárez e Dagua, também no departamento do Cauca.

As estruturas armadas que atacaram fazem parte do chamado Bloco Ocidental das dissidências, que até apenas três meses atrás mantinham um cessar-fogo com o Exército Nacional, no contexto de negociações de paz iniciadas pelo presidente Petro em meados de 2023.

Dissidências das dissidências

Com cerca de 2.800 homens armados, o Bloco Ocidental se desligou do restante da organização, acusando seus líderes de traidores e de provocar uma divisão interna. Segundo fontes militares, pelo menos 15 frentes das dissidências operam nos departamentos de Cauca, Putumayo e Nariño, especialmente em áreas dedicadas a economias ilegais como extração de ouro e cultivo de coca e maconha. Nariño é considerado um dos maiores produtores de coca do país e um porto de exportação de cocaína através do Oceano Pacífico.

Sob o comando de um enigmático comandante chamado Iván Mordisco, essas estruturas abandonaram a mesa de negociações com o governo, que atualmente mantém conversações apenas com os blocos Oriental e do Magdalena Médio, que somam cerca de 1500 combatentes. Analistas militares opinaram que os ataques simultâneos desta segunda foram uma resposta das dissidências a uma ofensiva, com artilharia pesada, do exército na cidade de El Plateado no mês de abril, que deixou dezenas de guerrilheiros mortos.

Leia também | Descumprimento de acordos coloca em risco processo de paz na Colômbia

Em entrevista coletiva, o governador do Cauca cobrou que o Governo Nacional não aumentou o contingente militar em seu departamento, onde – segundo ele – atuam 11 grupos armados ilegais. O presidente Gustavo Petro ordenou ao ministro da Defesa Iván Velásquez que se deslocasse para Cauca com os altos comandos militares e escreveu em sua conta de X: “É inaceitável a situação no Cauca. Não toleraremos que a população continue sendo ameaçada por atentados terroristas.”

Por sua vez, a senadora de oposição Paloma Valencia acusou o governo de fomentar o atual escalonamento do confronto bélico: “o Presidente deve fazer presença no Cauca imediatamente e enfrentar as consequências de sua política de paz total que entregou o território caucano e permitiu que os ilegais aumentassem seus homens na guerra”.

La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Jorge Enrique Botero Jornalista, escritor, documentarista e correspondente do La Jornada na Colômbia, trabalha há 40 anos em mídia escrita, rádio e televisão. Também foi repórter da Prensa Latina e fundador do Canal Telesur, em 2005. Publicou cinco livros: “Espérame en el cielo, capitán”, “Últimas Noticias de la Guerra”, “Hostage Nation”, “La vida no es fácil, papi” y “Simón Trinidad, el hombre de hierro”. Obteve, entre outros, os prêmios Rei da Espanha (1997); Nuevo Periodismo-Cemex (2003) e Melhor Livro Colombiano, concedido pela fundação Libros y Letras (2005).

LEIA tAMBÉM

José_Carlos_Mariátegui
O Amauta, mais urgente do que nunca no Peru
Francia-Márquez-Colômbia
O que se sabe sobre atentado contra pai de Francia Márquez, vice-presidenta da Colômbia
dina-boluarte-peru (1)
Autoritarismo, impunidade, corrupção: Boluarte conduz Peru à catástrofe
Lançamento-livro-palestina4
Livro “Genocídio Isola Israel: Desafio é Criar o Estado da Palestina” é relançado nesta quinta (20), em SP