Pesquisar
Pesquisar

Políticos dos EUA pedem que México crie medidas que garantam liberdade de imprensa

Em junho, foi a vez de López Obrador criticar as medidas aplicadas contra Julian Assange e oferecer asilo ao ativista
David Brooks
La Jornada
Washington

Tradução:

Influentes senadores de ambos os partidos estadunidenses utilizaram a visita do Presidente Andrés Manuel López Obrador a Washington para expressar suas preocupações sobre o vizinho país e a relação bilateral. Democratas deploraram a violência contra jornalistas, e republicanos criticaram as políticas do governo mexicano.

Dez senadores democratas – o presidente do Comitê de Relações Exteriores, Robert Menéndez, o ex-candidato à vice-presidência que agora preside o subcomitê sobre o hemisfério ocidental, Tim Kaine, e o segundo em rango de liderança democrata na câmara alta, Dick Durbin, entre outros – apresentaram nesta terça-feira uma resolução deplorando os altos níveis de violência contra jornalistas no México, solicitando investigações a fundo sobre os crimes contra informadores, e medidas para garantir a liberdade de imprensa

“Em anos recentes, o México foi o país mais perigoso do mundo, fora de uma zona de guerra, para exercer o jornalismo. Com 12 jornalistas mexicanos já assassinados nos primeiros seis meses de 2022, é necessária uma ação urgente para dissuadir a hostilidade para com a imprensa livre, fortalecer as medidas de proteção para os trabalhadores dos meios de comunicação, e pôr fim aos altos níveis de impunidade da violência no México”, declarou Menéndez.

Por sua parte, Kaine deu as boas-vindas à visita de López Obrador a Washington para “avançar os interesses compartidos entre nossos países em matéria de comércio, segurança, energia e migração”, mas destacou que igualmente importante será a ação para “fortalecer a proteção dos jornalistas no México, que continuam enfrentando níveis recordes de violência no país”. 

Em junho, foi a vez de López Obrador criticar as medidas aplicadas contra Julian Assange e oferecer asilo ao ativista

López Obrador
Assange "espalhou a palavra sobre os excessos do intervencionismo norte-americano", declarou AMLO em junho

Ron Wyden, outro copatrocinador da resolução declarou que, “como filho de um jornalista, creio que os repórteres no México e em todo o mundo têm o direito fundamental de fazer seu trabalho livres de violência e intimidação”. 

Os outros copatrocinadores à resolução incluem os senadores Dick Durbin, Michael Bennet, Ben Cardin, Jeff Merkley, Alex Padilla, John Hickenlooper e Amy Klobuchar. A resolução pode ser vista aqui.

EUA se oferecem para promover segurança a jornalistas do México

Por outro lado, seis senadores republicanos, encabeçados por Marco Rubio e Ted Cruz, anunciaram sua intenção de introduzir uma resolução criticando o manejo da relação bilateral, as políticas de Biden e as condições no México. Entre elas, a “piora do clima de investimentos” no México, a “crise humanitária e de segurança” na fronteira comum, e a ameaça do narcotráfico no México. 

“Em um momento crucial em nossos vínculos bilaterais com o México, estamos enfrentando o desafio sem precedentes de ter um líder estrangeiro que publicamente critica os compromissos bilaterais de longo prazo de ambas as nações e se faz cego diante da crise humanitária em nossa fronteira compartilhada”, declarou Rubio.

Cruz acusou que López Obrador está piorando as condições em torno à migração e ao narcotráfico “enquanto suprime toda dissidência ou crítica”, e declarou que esta resolução é um lembrete de que “temos a intenção de que ele e sua administração prestem contas”. 

A resolução dos republicanos não prosperará na câmara alta sob controle, por ora, dos democratas.

David Brooks e Emir Olivares Alonso | La Jornada
Tradução de Beatriz Cannabrava



Em junho, AMLO defendeu liberdade a Assange

No dia 21 de junho, o Presidente Andrés Manuel López Obrador anunciou que pediria ao seu homólogo norte-americano, Joe Biden, para que libertasse Julian Assange, em vista da decisão “decepcionante” do sistema de justiça britânico de aprovar sua extradição.

“Ele é o melhor jornalista de nosso tempo, que espalhou a palavra sobre os excessos do intervencionismo norte-americano. Deve-se apelar à liberdade de expressão“, declarou AMLO, apontando que grupos de núcleo duro se oporiam, mas que “o México abre suas portas para Assange”.

No Dia da Liberdade de Imprensa, jornalistas divulgam manifesto pela libertação de Assange

Em referência a um vídeo divulgado, que mostra o assassinato de jornalistas no Iraque por pilotos americanos, um dos casos mais graves denunciados pelo australiano no WikiLeaks, Obrador declarou:

“Isto é uma vergonha para o mundo, a forma como este jornalista tem sido tratado. Muitos não sabem que o que ele fez foi, com uma investigação pouco ortodoxa, coletar relatórios das embaixadas dos EUA, onde se falava de atos de intervencionismo”.

O presidente mexicano prosseguiu: “E as liberdades? Vamos continuar falando de democracia? Vamos continuar falando de proteção dos direitos humanos? Da liberdade de expressão”?, questionou à época.

Com informações de Alonso Urrutia e Emir Olivares | La Jornada
Tradução de Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso
Rafah-ataque-Israel
Fepal: Como Alemanha nazista, Israel deve ser parado pela força das armas
Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu