Pesquisar
Pesquisar

Processo leva anos: o caminho que pode levar Bolsonaro ao Tribunal Penal Internacional

Para advogada Carol Proner, aceitação de alguma das denúncias contra o presidente no TPI pode criar nova jurisprudência em âmbito internacional
Redação RBA
Rede Brasil Atual
São Paulo (SP)

Tradução:

Os crimes que teriam sido cometidos pelo presidente Jair Bolsonaro durante a condução da pandemia, apontados pelo relatório final da CPI da Covid apresentado na última quarta-feira (20), têm como um dos possíveis caminhos a responsabilização o Tribunal Penal Internacional (TPI). 

Especialista em direito internacional analisa discurso de Bolsonaro na ONU: vexame

O relatório elaborado por senadores após seis meses de investigação pede o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro por nove delitos que teriam sido cometidos durante o enfrentamento da pandemia de covid-19, entre os quais crime contra humanidade, que poderia ser julgados na Corte de Haia.

“A procuradoria do Tribunal vai analisar os requisitos preliminares e depois vai avaliar a gravidade desse crime. O Tribunal Penal Internacional é recente historicamente e pelas suas próprias capacidades escolhe casos emblemáticos. Tivemos o caso das crianças-soldado, da violação de templos e agora temos um caso que eventualmente poderia ser considerado emblemático”, pontua professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Carol Proner , em entrevista a Glauco Faria, no Jornal Brasil Atual, nesta sexta-feira (22).

Para advogada Carol Proner, aceitação de alguma das denúncias contra o presidente no TPI pode criar nova jurisprudência em âmbito internacional

Montagem Diálogos do Sul
Caso ações sejam julgadas procedentes todas as imputações, Bolsonaro poderia pegar até 78 anos e nove meses de prisão

Se houver aceitação por parte da Corte de alguma das denúncias contra Bolsonaro, o processo deve demorar para ser concluído. “Ele (TPI) poderá receber a denúncia da CPI cujo relatório poderá, inclusive, servir de elemento probatório para outras três denúncias que já foram protocolados. Não será breve, pode levar anos, mas um dia, se a procuradoria considerar que é um caso modelo, um litígio estratégico que mereça a atenção do mundo, pode servir para elaborar uma nova jurisprudência no TPI.” 

O Tribunal de Haia recebeu a sexta ação contra Bolsonaro no último dia 12, por conta da política de destruição ambiental. Na avaliação de Carol Proner, a repercussão mundial pode facilitar a aceitação das denúncias. “Outras organizações internacionais têm agido, feito denúncias, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil ingressou com pedido, o que não é pouca coisa, e, nos últimos dias, temos notícias sobre o Brasil e uma CPI formulando uma fortíssima denúncia contra o presidente da República. A imagem do país não poderia estar em um pior momento”, afirma.

CPI e os crimes de Bolsonaro

Em uma pandemia que resultou em mais de 600 mil mortos, Bolsonaro é acusado pela CPI dos crimes de epidemia com resultado em morte, infração de medida sanitária preventiva, incitação ao crime, falsificação de documento particular, emprego irregular de verbas públicas, prevaricação, crimes contra a humanidade nas modalidades extermínio, perseguição e outros atos desumanos, além de violação de direito social e de decoro do cargo.

ABJD denuncia Bolsonaro por crime contra humanidade no Tribunal Penal Internacional

Caso sejam julgadas procedentes todas as imputações, as penas previstas poderiam alcançar até 78 anos e nove meses de prisão, segundo o vice-presidente da comissão, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Na avaliação da advogada, a CPI revelou os escândalos envolvendo o setor público, empresários e militares, com elementos suficientes para que as denúncias sigam adiante. 

Parte das denúncias, as endereçadas a figuras com prerrogativa de foro como Bolsonaro, será analisada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e há dúvidas sobre a conduta de Augusto Aras. A especialista alerta que a CPI apresentou “provas materiais contundentes”, mas as consequências no âmbito jurídico podem sofrer com a inoperância dos setores responsáveis.

Mais de 600 cientistas de notoriedade internacional criticam política ambiental de Bolsonaro

“Se o PGR nada fizer, não agir no prazo, será prevaricação. Porém, se o procurador-geral agir e avaliar que não há elementos suficientes, estará agindo dentro do seu mandato constitucional, como já fez em outros casos. É uma situação do nosso modelo de pesos e contrapesos”, observa. O mesmo pode acontecer em relação aos eventuais crimes de responsabilidade, que dariam razão à abertura de um processo de impeachment. “O Brasil está aprisionado numa espécie de acordo político que deixa o presidente, acusado de todos estes crimes, seguir no cargo.”

 

Confira a entrevista:

 


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação RBA

LEIA tAMBÉM

fome-onu-Somalia
“Tormenta”: fome atinge 18 localidades do mundo e exige ação urgente, alerta ONU
frei-betto-ressocializacao
Frei Betto | Sim, é possível ressocializar presos comuns
Chiquita-Brands
Condenada nos EUA, multinacional Chiquita bancou paramilitares autores de massacres na Colômbia
Nayib Bukele
Projeto repressivo de Bukele ignora raízes da criminalidade e gera ilusão de segurança