Pesquisar
Pesquisar

Queda dos EUA como potência internacional sinaliza chegada do mundo multipolar

Desde o colapso do bloco soviético, Washington tem dificuldades crescentes em liderar agendas de seu próprio interesse junto à comunidade internacional
Robson Valdez
Diálogos do Sul Global
Brasília (DF)

Tradução:

Como é sabido, nos estudos de Economia Política Internacional, é o poder que determina a relação entre autoridade e mercado. Assim, para operar de forma decisiva, o mercado necessita da autorização de quem quer que projete poder e possua autoridade.

Nesse sentido, ao estabelecer uma relação de identidade entre autoridade e poder, não basta perguntar onde está a autoridade ou quem tem poder. É importante saber por que se tem poder e qual é a fonte do poder.

Assista na TV Diálogos do Sul

Desse modo, temos o poder relativo e o poder estrutural como as duas formas de exercício de poder no âmbito das relações políticas e econômicas no sistema internacional.

Enquanto o poder relativo diz respeito à capacidade de fazer com que outro país faça algo que normalmente não faria; o poder estrutural trata do poder de moldar e determinar as estruturas da economia política global na qual outros estados e suas instituições devem operar.

Cannabrava | Como entender que o euro esteja mais barato que o dólar? A culpa é da guerra?

Dessa forma, dado o dinamismo das intrincadas relações internacionais envolvendo Estado e empresas, o foco das análises recai sobre as fontes de poder estrutural.

Assim, na visão de Susan Strange, acadêmica inglesa que, nos anos 1970, lançou as bases para o surgimento do campo de estudos da Economia Política Internacional, as quatro fontes do poder estrutural, que se relacionam umas com as outras, são: conhecimento, segurança, finanças e produção.

Ao tratar a segurança como uma estrutura de poder, tem-se a capacidade de se prover proteção contra ameaças internas e externas. No que se refere à produção, essa estrutura de poder diz respeito ao poder de decidir o que deve ser produzido, por quem, por quais meios e com qual combinação de fatores de produção: terra, trabalho, capital e tecnologia.

Quanto ao poder estrutural das finanças, pressupõe-se o poder de se criar e controlar a oferta e a distribuição de crédito. Por fim, o conhecimento como fonte de poder estrutural aborda a habilidade e a capacidade de se prover, limitar e decidir o acesso de outros ao conhecimento.

Ao declarar fim da era unipolar, Tony Blair admite os erros do Ocidente

A disputa pelo poder entre os países é um jogo de soma-zero, ou seja, a emergência de novas potências pressupõe a perda de poder, em alguma medida, por parte das demais. Assim, não é de hoje que se discutem os sinais da queda do poder norte-americano no cenário internacional.

Nesse contexto, temos visto, desde o colapso do bloco soviético, dificuldades crescentes dos Estados Unidos em liderar agendas de seu próprio interesse junto à comunidade internacional (decréscimo de poder relativo); bem como desafios estruturais à ordem estabelecida pelo país norte-americano a partir da Segunda Guerra Mundial (decréscimo de poder estrutural).

Desde o colapso do bloco soviético, Washington tem dificuldades crescentes em liderar agendas de seu próprio interesse junto à comunidade internacional

Congresso em Foco
Muito provavelmente, China, Rússia e Índia atuarão, de forma coordenada ou isolada, para contrapor o poder norte-americano estabelecido




Perda de poder relativo

A perda de poder relativo dos Estados Unidos pode até ser contemporizada ao se argumentar que sua capacidade de coagir e influenciar outros países passa por um processo decisório pautado, dentre outras coisas, pelos custos de oportunidade (domésticos e internacionais) e pelas prioridades de sua política externa frente a uma diversidade de agendas. Contudo, os desafios impostos pela China e pela Rússia às suas fontes de poder estrutural são reais.

Não por acaso, o então indicado para o Departamento de Estado do governo Biden, Antony Blinken, posicionou-se de forma dura sobre a China durante sua sabatina no Comitê de Relações Exteriores do Senado.

Na ocasião, declarou que a China é um país a ser vencido: “Podemos vencer a China e lembrar ao mundo que um governo do povo, para o povo, pode ajudar seu povo”.

Adicionalmente, em linha com a abordagem da administração Trump em relação à China, Blinken deixou claro que se trata do “desafio mais importante de qualquer Estado-nação aos Estados Unidos em termos dos nossos interesses: os interesses do povo americano”.

Assista na TV Diálogos do Sul

Da mesma forma, o Secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, já se referiu à China como um ator hegemônico regional que busca se tornar a “potência proeminente no mundo em um futuro não muito distante”.


Expansão chinesa

De fato, nos últimos trinta anos, o poder estrutural chinês vem expandindo em todas as suas dimensões (conhecimento, finanças, segurança e produção).

Dados mais recentes, mostram que em 2020 a China alcançou o topo da lista de país exportadorinvestimento estrangeiro direto (muito próxima da Alemanha e do Japão); as expectativas para gastos em pesquisa e desenvolvimento para 2022 dão conta que a China investirá U.S.$ 551 bilhões, atrás dos Estados Unidos que investirão U.S.$ 679 bilhões; e no que diz respeito ao gasto militar, os chineses ocupam o segundo lugar no ranking com U.S.$293 bilhões, atrás dos Estados Unidos (U.S.$ 901 bilhões).

Assista na TV Diálogos do Sul

Percebe-se, assim, que o crescimento de seu poder estrutural exerce uma espécie de efeito multiplicador sobre o crescimento de sua influência (poder relativo) para além de sua área de inserção regional, consolidando-se como um contraponto ao poder americano no sistema internacional.

Quanto à Rússia, tem-se percebido que o conjunto de suas já conhecidas capacidades vem impondo uma série de adversidades diretas à Ucrânia e indiretas aos Estados Unidos e seus aliados, principalmente os europeus.

Como já foi mencionado em artigo anterior, “Neste momento, em que a aliança ocidental evita o confronto militar direto com a Rússia, os Estados Unidos buscam, de todas as formas, manter a estrutura petróleo/dólar como lastro das transações comerciais internacionais diante das reais alternativas que vinham paulatinamente consolidando-se como opção ao dólar e que ganharam relevância diante das incertezas da crise russo-ucraniana.”.

Trata-se de uma ameaça sino-russa à dimensão financeira do conjunto do poder estrutural dos Estados Unidos.


Curto prazo

No curto prazo, além das já sabidas adversidades das sanções ocidentais à economia russa sobre o conjunto da economia global, a expectativa é que o conflito se prolongue por período indeterminado podendo levar à deterioração da coesão europeia em relação à liderança norte-americana.

O ponto mais sensível dessa aliança encontra-se no temor de que os crescentes custos da energia para o cidadão europeu possa promover um descontentamento popular generalizado em cada um dos países do bloco.

Em cúpula com Irã e Turquia, Rússia eclipsa Ocidente e avança na integração eurasiática

Essa preocupação é real e a Rússia segue articulando-se com outros países no sentido de minimizar os efeitos das sanções econômicas sobre sua economia.

Enquanto Índia e China defendem sua neutralidade diante do conflito russo-ucraniano, os dois países acercam-se dos russos para assegurar compras massivas de petróleo a preços mais atraentes ainda que isso prejudique, em alguma medida, um de seus tradicionais fornecedores dessa commodity, os iranianos.

Contudo, em que pesem os conflitos de interesses, Rússia e Irã, além de compartilharem uma mesma visão de mundo em diversas áreas, os dois países também se opõem à forma de inserção dos Estados Unidos no sistema internacional.

Na atual conjuntura em que os dois países estão sob fortes sanções econômicas, Rússia e Irã tem mostrado disposição para aumentar a cooperação comercial e militar.

Além de atuarem no conflito sírio, o Irã pode se tornar um importante fornecedor de armas (drones, por exemplo) para a Rússia no âmbito do conflito russo-ucraniano.


Contexto de desafios reais

É dentro desse contexto de desafios reais ao poder estrutural norte-americano e deterioração patente de sua capacidade de liderar (pela força ou pelo consentimento) que se reforça, pouco a pouco, a ideia de que o mundo caminha para um mundo caracterizado pela multipolaridade.

Da mesa forma que a questão ucraniana, muito cara para os russos, chegou ao limite da guerra, não se pode perder de vista que 2047 é o ano limite para que Hong-Kong seja reintegrada à soberania total da China colocando um fim ao princípio de “um país, dois sistemas”, conforme estipulado pela Declaração Conjunta de 1984 que foi assinada pelo Reino Unido e a China.

Assim, enquanto o ano de 2047 não chega, Taiwan continua sendo uma fonte de preocupações para a comunidade internacional na medida em que o aumento das capacidades chinesas lança luz sobre a política norte-americana de ambiguidade estratégica em suas relações com Taiwan.

Nesse mundo multipolar que se consolida, os Estados Unidos seguirão firmes como um importante polo de poder do sistema internacional. Muito provavelmente, China, Rússia e Índia (potências nucleares) atuarão, de forma coordenada ou isolada, para contrapor o poder norte-americano estabelecido.

Resta saber como países emergentes como o Brasil (potência média com uma série de desafios estruturais) irão acomodar seus interesses nacionais diante de um cenário externo onde os países pautam sua inserção internacional justamente pelo incremento de suas fontes de pode estrutural: conhecimento, finanças, segurança e produção

Robson Valdéz é pós-doutorando em Relações Internacionais do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (IREL/UnB), doutor em Estudos Estratégicos Internacionais (UFRGS) e pesquisador do Núcleo de Estudos Latino-Americanos/IREL-UnB. 


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Robson Valdez

LEIA tAMBÉM

4 - Iryna Borovets 2
Vice-chanceler da Ucrânia diz que país deseja paz, mas insiste em adesão à Otan
emmanuel-macron-olaf-scholz (2)
Apoio inconsequente de Macron e Sholz à Ucrânia foi crucial ao avanço da extrema-direita na UE
Europa
Cabe ao Parlamento Europeu uma frente ampla para frear a extrema-direita
Putin - Fórum de São Petersburgo
Fórum de São Petersburgo: 3 sinais sobre a iminência da era multipolar