Pesquisar
Pesquisar

"Rastros de mentiras": novela do Brasil exibida no Peru reflete as farsas do Governo Boluarte

Falsas alegações propagadas pelas mãos dos governantes peruanos são monumentais e agudizam crise política do país
Gustavo Espinoza M.
Diálogos do Sul
Lima

Tradução:

Sob o sugestivo título de “Rastros de mentiras”, se exibe em Lima uma telenovela brasileira (Amor à Vida, no título original) que mostra a decomposição e decadência dos Khoury, uma poderosa família burguesa, apanhada por falsidades de toda ordem. Escrita por Walcyr Carrasco, foi adaptada à TV e levada à cena com Antônio Fagundes e Susana Viera como atores principais.

Capítulo a capítulo, a série vai pondo em evidência a falsidade, a dupla moral, os preconceitos, as ambições e a falta de escrúpulos que caracterizam o mundo artificial em que se desenvolve a trama, e que tem como pano de fundo a mentira institucionalizada como base nesse mundo fictício no qual assoma a “sociedade exemplar” de nosso tempo.

Bolsonarismo, fujimorismo, Opus Dei e Vox se reúnem no Peru em apoio a Dina Boluarte

Pois bem. Se tivéssemos escritores e roteiristas desse nível, aqui poderia ser produzida uma obra similar recolhendo as ações de personagens que poderiam estar à altura da circunstância pois fundam seu poder precisamente na mentira.

Em outras palavras, de suas ações flui sem pausa um conjunto de rastros que evidenciam a podridão que envolve a um segmento da Classe Dominante, que hoje se empenha em apresentar-se como um prístino modelo de respeito à democracia e aos direitos da população. Estamos nos referindo, obviamente, à cúpula governante.

Continua após o banner

Não alcançaria nem o espaço nem o tempo se quiséssemos abordar o conjunto de mentiras que sustentam a mensagem dos precários inquilinos do Palácio de Governo e seu círculo mais íntimo de aliados e cúmplices em distintas esferas da gestão pública. Nos limitaremos, então, a aludir ao que poderíamos denominar mentiras monumentais, que não têm paralelo na história peruana e que puseram ao desnudo a fetidez de sua essência.

Falsas alegações propagadas pelas mãos dos governantes peruanos são monumentais e agudizam crise política do país

Almayadeen.net
Não se trata, na verdade, tão só de rastros de mentiras

Talvez a primeira destas mentiras descomunais seja a que alude à “sucessão constitucional” que encarna Dina Boluarte para ocultar sua origem sinistra. Formam parte dela diversos episódios, desde o apelo de Otárola, antes de abril de 2021, para que se votasse por Pedro Castillo nas eleições daquele ano, até a promessa de Dina no Sul, quando assegurou diante de uma multidão que ela “deixaria o cargo” se depusessem Castillo. Mas, além disso, está o conto de que Castillo foi deposto “de acordo com a lei”, sendo que na verdade isso ocorreu sem processo algum, nem julgamento, sem direito à defesa e sem os votos requeridos.

E a ideia de uma “sucessão” que implica uma continuação, quando o que existe é precisamente um câmbio absoluto de rumo que deslocou do governo aqueles que ganharam as eleições e levou à frente aqueles que as perderam. Não foi tudo isso uma grande mentira?

Ignorar cúpula do Vox no Peru é normalizar o inaceitável: o fascismo deve ser combatido

Outras mentiras também não menos espetaculares foram as que nos falaram de “as tomadas de Aeroportos” para justificar os crimes, quando os vídeos vistos mostraram disparos à curta distância por parte dos fardados contra civis inertes; das “armas artesanais chamadas Dum Dum usadas pela população contra a polícia”, dos “Ponchos vermelhos vindos de La Paz para provocar o caos”, dos “agentes bolivianos de inteligência infiltrados entre a multidão”, e da “autoria intelectual de Evo” nos acontecimentos do Sul. E para que não nos fique no tinteiro, a história do “español”, construído alegremente como um tenebroso agente de Castillo, que não o conheceu pessoalmente e com quem nunca se reuniu.    

O caso do suboficial Sonccos Quispe, morto em Juliaca em 9 de janeiro, foi outra mentira monumental. Otárola assegurou impudicamente ante o Congresso que havia sido “queimado vivo” pelos manifestantes no interior de um carro patrulha.

Continua após o banner

Hoje se sabe que foi morto por um ex-policial e seu cúmplice em circunstâncias distintas e por outras motivações, e que seu corpo foi colocado sem vida no veículo policial e depois incendiado pelos assassinos, hoje capturados.

Também foi, sem dúvida, o caso dos 6 soldados que pereceram afogados em Ilave por clara negligência do Capitão a cargo do destacamento, que os obrigou a tentar cruzar o rio, com todo o peso de seu equipamento, sem que lograssem sobreviver à experiência. Também na circunstância, Dina e os seus falaram pelos cotovelos, responsabilizando pelo fato aos Comuneros que demandavam sua renúncia em outra circunstância e em outro cenário.  

Colonialismo, marginalização e fujimorismo: crise no Peru é resultado de fraturas históricas

A tudo isto é preciso somar as decisões parlamentares de um Congresso írrito e aferrado com unhas e dentes a uma função que não representa ninguém. Aí se mentiu descaradamente com o conto do “adiantamento dos eleições”, quando desde um início tanto Dina como os “legisladores” queriam ficar até 2016 a qualquer preço. Ali, na sede da Praça Bolívar, se outorgou a “confiança” ao Gabinete Otárola, apesar de todas as mentiras e mortes; e depois delas e ainda em piores circunstâncias se protegeu a Dina para que “não se altere seu governo”.

Esse mesmo Congresso “salvou” de legítimas censuras os ministros de Interior e de Defesa, não obstante estar ainda fresco o sangue das 70 mortes já registradas; e ao de Educação, que considerou as mães aimarás “pior que animais”, em circunstâncias que todos conhecem.

Continua após o banner

E se de mentiras se trata, não fica atrás a titular do Ministério Público, que não pode encarar o tema de suas Teses e Graus. Nem mostrar, nem provar sua existência. Também ela se defenda como gato pança arriba, assediada como está pelo Conselho Nacional de Justiça, que já pede contas. E é uma nova mentira quando assegura que “investigará” os assassinatos consumados, e designa para isso promotores que não tem que ver com o tema.

Não se trata, na verdade, tão só de rastros de mentiras. Se trata mais de mentiras monumentais as que têm nas mãos os governantes de hoje em nossa martirizada pátria.

Gustavo Espinoza M. | Colaborador da Diálogos do Sul em Lima, Peru.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Gustavo Espinoza M. Jornalista e colaborador da Diálogos de Sul em Lima, Peru, é diretor da edição peruana da Resumen Latinoamericano e professor universitário de língua e literatura. Em sua trajetória de lutas, foi líder da Federação de Estudantes do Peru e da Confederação Geral do Trabalho do Peru. Escreveu “Mariátegui y nuestro tiempo” e “Memorias de un comunista peruano”, entre outras obras. Acompanhou e militou contra o golpe de Estado no Chile e a ditadura de Pinochet.

LEIA tAMBÉM

Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri
Xi Jinping - Putin
Encontro de Xi e Putin fortalece relação histórica e aliança contra ofensiva “dupla” dos EUA
Alvaro-Uribe
Colômbia: Uribe pode ser condenado a 12 anos de prisão em julgamento por suborno e fraude
Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU