Pesquisar
Pesquisar

Reforma judicial de Netanyahu: entenda o que é e por que empurra Israel para guerra civil

Segundo opositores, projeto foi criado para proteger o primeiro-ministro por casos de “corrupção e quebra de confiança”
Redação The Cradle
The Cradle
Líbano

Tradução:

Enquanto dezenas de milhares de israelenses protestavam contra o plano de reforma judicial de seu governo, o exército israelense liderou uma grande operação de segurança em Nablus em 22 de fevereiro, resultando na morte de 11 civis e ferimentos em mais de 100 outros.

As manifestações em andamento contra o controverso projeto de lei estão se tornando cada vez mais violentas, com slogans raivosos e ações de manifestantes que levaram ao recente assassinato de um manifestante pela polícia israelense na cidade de Beersheba, no sul da Palestina ocupada.

Assista na TV Diálogos do Sul

Um momento decisivo dos protestos ocorreu no fim de fevereiro – durante a primeira votação sobre o projeto de reforma judicial – quando os manifestantes invadiram o prédio do parlamento do Knesset antes de serem removidos pelas forças de segurança.


Minando a ‘única democracia’ da região

O plano de reforma judicial é uma das iniciativas mais iniciadas do sexto governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Visa limitar os poderes dos juízes, que atualmente excedem os deputados do Knesset, e permitir a intervenção excepcional dos membros do Knesset na nomeação de juízes.

Os opositores de Netanyahu argumentam que os planos de reforma emocionados pelo ministro da Justiça, Yariv Levin, são uma tentativa descarada de “politizar e minar o judiciário” para proteger o primeiro-ministro de confiança de longa data de “corrupção e quebra de confiança”.

Segundo opositores, projeto foi criado para proteger o primeiro-ministro por casos de “corrupção e quebra de confiança”

Crédito da foto: The Cradle
Para o ex-chefe de justiça Aharon Barak, projeto de lei representa “o começo do fim do Terceiro Templo”




De acordo com a juíza Esther Hayut , as reformas propostas irão:

“Privar o tribunal da opção de leis anulares que violam desproporcionalmente os direitos humanos, incluindo o direito à vida, propriedade, liberdade de movimento, bem como o direito básico da humana e seus derivados – o direito à igualdade, liberdade de expressão e mais .”

O ex-chefe de justiça Aharon Barak expressou preocupações semelhantes, procurando o projeto de lei de “o começo do fim do Terceiro Templo” – uma expressão apocalíptica e medo que denota o início da morte de Israel.

Cannabrava | Palestina vive estrangulada por Israel, mas está viva e luta pela libertação

Em seu livro,  Third Temple , o repórter e escritor israelense Ari Shavit analisa como, na oitava década do estado, os israelenses se tornaram seus próprios inimigos: “Com os desafios de segurança, pode-se enfrentar… mas a desintegração da identidade não pode ser superado”.


A iminente ‘guerra civil’ de Israel

Nos corredores do poder israelense, o termo “traição” está sendo usado com mais frequência, em paralelo com o apelo do ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben Gvir, para que a polícia trate “mais firmemente” os manifestantes domésticos.

Após o aviso do presidente israelense Isaac Herzog de que o plano de Netanyahu poderia levar o país “à beira do colapso constitucional e social”, o termo “guerra civil” está sendo usado regularmente pela imprensa hebraica, com o analista do Haaretz Anshel Pfeffer opinando que “guerra civil não é mais impensável.”

“Nos últimos dias, encontrei-me em conversas que nunca imaginei ter… Mas o assunto é mortalmente sério: as várias maneiras pelas quais uma guerra civil pode estourar repentinamente e quem venceria”, pondera Pfeffer, preveniu ameaçadoramente “a aplicação da lei (de Israel ), as agências de segurança e os militares tomarão partido?”

O pesquisador de assuntos israelenses Ismail Mohammed disse ao The Cradle que a noção de uma guerra civil em Israel não é mais apenas uma quimera esperada pelos adversários do estado de ocupação. Yedidia Stern, chefe do Instituto de Política do Povo Judeu fundado pela Agência Judaica, disse que Israel está mais perto da guerra civil do que em qualquer outro momento desde o assassinato de Yitzhak Rabin em 1995 e a retirada de Gaza em 2005. Ambos são eventos em que Israel oscilou à beira de uma guerra civil.

O mundo diante da permanente tentativa de “normalizar” o Apartheid na Palestina Ocupada

A batalha pela reforma judicial em Israel não é apenas um simples conflito, mas reflete questões mais profundas que tocam a identidade do estado e sua composição social. O objetivo de alguns grupos políticos, como a coalizão de Ben Gvir e o ministro das Finanças de direita, Bezalel Smotrich, é mudar Israel de um estado liberal secular para um estado baseado na lei religiosa: regular as observâncias religiosas e a conduta infantil dos judeus – ou na terminologia hebraica, uma forma de “Halakha”.

Isso também fica evidente na declaração do parlamentar Haredi Ashkenazi Yitzhak Pindrus, que, no 74º aniversário da Nakba , expressou o desejo de “explodir ” o prédio da Suprema Corte, que rege as leis civis seculares que são contrárias aos ensinamentos religiosos.

A polarização não é apenas entre judeus seculares e religiosos. A velha divisão entre a cultura oriental e ocidental também está surgindo. Ben Gvir, por exemplo, repetidamente pediu a redução do poder dos “Ashkenazi” sobre o estado, inclusive a inclusão de judeus “sefarditas” Mizrahi nas instituições de Israel.

Uma declaração recente de Otzma Yehudit MK Zvika Vogel no site hebraico Kan 11 reflete essa mudança significativa de meras diferenças políticas para um choque existencial entre dois diferentes Israels. Vogel pediu a prisão dos políticos da oposição Yair Lapid, Benny Gantz, Yair Golan e Moshe Ya’alon por atiçarem a guerra civil, descrevendo-os como “as pessoas mais perigosas atualmente em Israel”.

Presidente palestino questiona EUA por posturas diferentes sobre Palestina e Ucrânia

Como o analista de assuntos israelenses Anwar Saleh explica ao The Cradle : “A questão é muito mais desejável do que uma demanda por igualdade e cidadania. A coalizão extremista de Netanyahu mantém convicções que concluíram os próprios fundamentos do estado, como um retorno à questão elementar de ‘quem é judeu?’”

“Esta demografia política considera que os judeus seculares – que constituem mais de 44 por cento dos israelenses – são ‘falsos judeus’, e que o atual governo, que é controlado pela direita religiosa, que perfaz 20 por cento da população, representa o verdadeiro espírito do judaísmo”, continua Saleh. “Este debate hoje – 74 anos após a criação do estado de Israel – afeta a própria base sobre a qual a Agência Judaica lançou seu programa de ingestão para atrair judaico para a Palestina.”


Desinvestimento em meio à mistura

Vale ressaltar que mais de 50 empresas de investimento transferiram seus negócios de Israel para outros países desde o início dos protestos. Esta fuga em massa inclui 37 empresas de tecnologia.

O desenvolvimento levou o Ministro de Ciência e Tecnologia de Israel, Ofir Okunis, a realizar uma reunião privada com embaixadores estrangeiros em Tel Aviv, durante a qual ele os instou a tomar uma posição sobre o assunto.

Em resposta, as empresas de tecnologia divulgaram um comunicado recusando-se a repatriar US$ 2,2 bilhões em receitas de suas operações estrangeiras para Israel. Os donos dessas empresas também se preocupam com a queda na classificação de crédito do país porque os políticos agora estão nomeando juízes, o que consideram um ambiente desfavorável para os negócios. Isso levou vários investidores a transferir fundos de Israel para o exterior.


‘Cajado de Moisés’

Mesmo que Netanyahu hoje manejasse o poderoso “cajado de Moisés”, ele não seria capaz de derrotar os poderosos cismas domésticos que dilaceram Israel. No entanto, a única ferramenta à disposição do primeiro-ministro é desviar a atenção de Israel para outro lugar – embora isso acabe por reacertar o conflito interno. Em essência, seja agora ou mais tarde, seu país enfrentará seu conflito civil.

Apesar de suas muitas diferenças, a sociedade israelense está unida na percepção – alimentada por seus políticos e mídia – de que está sob ameaça existencial de fora. Os observadores especulam que a única esperança de Netanyahu para acabar com o conflito interno agora é fabricar uma ameaça externa quente.

A Cisjordânia ocupada é vista como uma opção de ação menos sensível politicamente e mais flexível, de acordo com o analista político Ayman al-Rifati. Ele explica ao The Cradle que, ao contrário do passado, Gaza hoje é o teatro no qual Israel busca manter a calma para evitar uma escalada militar durante a próxima temporada do Ramadã.

O crescente tolerado dos tolerados nos arsenais da resistência de Gaza também representa um risco muito alto, com consequências desconhecidas e incontroláveis que Israel pode ter de suportar. A Cisjordânia, por outro lado, está relativamente desarmada, com armas pequenas concentradas em muito menos mãos.

E apesar de um fluxo constante de ameaças de Tel Aviv, não há manifestações de Israel iniciando uma guerra com o Irã ou o Hezbollah, embora a opção de realizar operações de segurança direcionadas que provoquem uma reação desses oponentes ativados.

O recente ataque de colonos judeus na cidade de Huwara, na cidade de Nablus, na Cisjordânia – é um subproduto dos esforços de Netanyahu para mobilizar os sentimentos israelenses para o lançamento de um confronto abrangente com os palestinos da Cisjordânia. Um dos principais objetivos desse confronto é desviar a atenção do colapso interno de Israel.

Redação | The Cradle
Tradução: Oriente Mídia


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação The Cradle

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes