Pesquisar
Pesquisar

Repressão fascista de Boluarte fracassa e povo peruano ressurge mais unido e organizado

Movimento popular, nesta nova etapa, buscou centralizar suas ações e organizá-las de um modo mais apropriado para torná-las efetivas
Gustavo Espinoza M.
Diálogos do Sul Global
Lima

Tradução:

No passado dia 19, se reiniciou a briga entre o povo e a camarilha oligárquica no poder. Foi uma jornada difícil, dura, que promoveu lições ao movimento popular, mas também ao regime. E que, sobretudo, põe em evidência um fato incontroverso: a briga continua. O governo não pode cantar vitória. 

O movimento popular, nesta nova etapa, buscou centralizar suas ações e organizá-las de um modo mais apropriado para torná-las efetivas. Por isso surgiu um comando unitário de luta que buscou elaborar iniciativas e orientar a batalha em um sentido estratégico. A ideia foi forjar um movimento mais organizado capaz de ganhar força e isolar o inimigo principal. Isto foi logrado, embora de maneira parcial.

Colonialismo, marginalização e fujimorismo: crise no Peru é resultado de fraturas históricas

A mobilização foi nacional. Não se limitou a Lima. Virtualmente em todas as cidades e em muitos outros povoados do interior, foram produzidas ações que impactaram a cidadania. No exterior: Barcelona, Berlim, Paris, Nova York e em outras capitais ocorreu o mesmo. 

Como era previsível, as manifestações foram pacíficas. Como antes, a violência não saiu do povo, mas sim da repressão policial. E por isso os feridos foram pela ação do aparato repressivo do Estado.

Continua após o banner

Não obstante, as concentrações foram numerosas e concorridas. Dezenas de milhares de pessoas se mobilizaram. Em todos os casos, demandaram o mesmo: a renúncia de Dina e o fechamento do Congresso. Estas exigências contaram com uma imensa adesão cidadã.

Movimento popular, nesta nova etapa, buscou centralizar suas ações e organizá-las de um modo mais apropriado para torná-las efetivas

JuanZapata108 via Wayka/Twitter
Decreto Supremo autorizou às Forças Armadas o uso de armas de guerra, para controlar presumidos “distúrbios

O Governo, por sua parte, mostrou-se temeroso e débil. Por medo, mobilizou quase 30 mil efetivos policiais para enfrentar as populações. Na véspera, desfilaram pelo Passeio dos Heróis Navais agressivas colunas de uniformizados entoando consignas de ataque. A semelhança das mesmas com os esquadrões hitleristas dos anos 30’s do século passado, resultou evidente. Mas foi, além disso, o distintivo de um fenômeno: o renascimento do fascismo no solo peruano.

Há que agregar, adicionalmente, as medidas pré-cautelares: o controle migratório, a campanha de imprensa, o uso de 3.600 câmaras de identificação pessoal e o controle das estradas; medidas todas destinadas a intimidar a população.

Sentença da Suprema Corte do Peru abre caminho para criminalização de protestos

Para que não fique dúvida disse, este fenômeno foi adiantado pela recepção que teve lugar no Ministério da Cultura aos esquadrões urbanos que operam a violência sob este mesmo signo. A permanência da titular da pasta ao seu cargo – apesar de ter dado a ordem desse encontro –, confirma o vínculo entre estas estruturas de terror e a cúpula do poder.

O medo do Governo se expressou também de outra maneira. Embora os meios não tenham publicado, circulou um Decreto Supremo autorizando às Forças Armadas o uso de armas de guerra, para controlar presumidos “distúrbios”. Estes nunca se produziram, de tal modo que a disposição não foi efetiva. Não obstante, a intenção se fez patente e foi notável como um modo de comprometer o poder central no presunto conluio de crimes, a fim de que não se livre de responsabilidades.

Continua após o banner

Aqui houve uma diferença com relação a dezembro passado, quando essas ordens foram dadas de maneira verbal. Nestas circunstâncias, os mandos castrenses quiseram se eximir para que não recaísse sobre eles a culpa de crimes avessos. O tema pôs em relevo um fato inobjetável: até hoje ninguém sabe como seguem as investigações referentes aos 70 mortos das primeiras jornadas. Ninguém assumiu a responsabilidade dos fatos e ninguém, tampouco, foi imputado pelos mesmos. Ao que parece, o que se busca são crimes sem castigo.

Isso se explica também por uma circunstância episódica: a relação que une Dina Boluarte com Alberto Otárola. A primeira está protegida por uma decisão parlamentar: o Congresso a fez Presidenta da República.

Mais mortos? Peru agenda protestos e governo Boluarte responde: “Sabemos como responder”

O segundo – salvo um julgamento anterior – vive em virtual desamparo, e ficará nele logo que perca seu cargo de Ministro. Se a precária inquilina do Palácio prescindir hoje de seus serviços, amanhã poderia estar preso. Carece de toda proteção legal. Por isso se aferra ao cargo com unhas e dentes.

À inversa, a Dama depende também dele. Otárola poderia declarar oficialmente que foi Dina quem ordenou o uso das armas em Ayacucho e em Lave. Este testemunho seria demolidor. Aí estriba seu peso: o valor da chantagem.

Há quem suponha que Dina poderia “se beneficiar” do ocorrido no dia 19 e “tomar distância” do Congresso. Crasso erro. Estão unidos pelo mesmo projeto. Se necessitam mutuamente. São a aliança da fome com a necessidade.

Dina e Otárola, eludiram em suas exposições o tema da presença militar norte-americana no Peru. Apresentaram o fato como uma ação de rotina. Ocultaram a verdade. Em outras ocasiões se tratou, em efeito, de “assessorias” pontuais. Agora se trata de mais de 1.200 soldados que ainda operam no país e permanecerão aqui até 31 de dezembro.

Isso, além do inaudito fato que o Governo tenha autorizado o funcionamento de laboratórios de experimentação bioquímica dos Estados Unidos no país. Antes, isto ocorreu na Ucrânia. Mas, pela primeira vez acontece em nosso solo. O silêncio do Congresso da República, e dos proclamados “defensores da Pátria”, é ignominioso e imperdoável.

Por isso, e por todo os demais, a briga continua.

Gustavo Espinoza M. | Colaborador da Diálogos do Sul em Lima, Peru.
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Gustavo Espinoza M. Jornalista e colaborador da Diálogos de Sul em Lima, Peru, é diretor da edição peruana da Resumen Latinoamericano e professor universitário de língua e literatura. Em sua trajetória de lutas, foi líder da Federação de Estudantes do Peru e da Confederação Geral do Trabalho do Peru. Escreveu “Mariátegui y nuestro tiempo” e “Memorias de un comunista peruano”, entre outras obras. Acompanhou e militou contra o golpe de Estado no Chile e a ditadura de Pinochet.

LEIA tAMBÉM

Jesus-Chuy-Garcia
Vítimas da violência no México e nos EUA se unem contra armamentismo estadunidense
noboa-equador2
Equador: desmonte de Noboa atinge necrotérios e pilha de corpos "derrete" em Guaiaquil
javier-milei
Resistência: 8x em que povo argentino derrotou a motosserra de Milei
PascualHernandezCUC
“Do genocídio praticado contra indígenas na Guatemala surgiu o termo palestinização”, afirma CUC