Pesquisar
Pesquisar

Sachs | Estúpidos e imprudentes, EUA arrastam Otan para guerra desastrosa contra China

Assim como Grã Bretanha, Austrália e Nova Zelândia caem na idiotice e aceitam ser usados no plano estadunidense para manter a hegemonia global
Jeffrey D. Sachs
Outras Palavras
Wolfville

Tradução:

Este texto é a transcrição do discurso proferido por Jeffrey Sachs no seminário Salvando a Humanidade e o Planeta Terra [Saving Humanity and Planet Earth, SHAPE], que aconteceu em Melbourne, na Austrália, em 5 de julho de 2023.

* * *

Boa tarde a todos. Quero agradecer ao SHAPE [seminário Salvando a Humanidade e o Planeta Terra, Saving Humanity and Planet Earth] pelo convite e, especialmente, pela liderança neste processo. Tive o privilégio de ouvir Alison Broinowski e Chung-in Moon. Fomos presenteados com falas brilhantes e perspicazes. Concordo absolutamente com tudo o que foi dito. O mundo enlouqueceu, mas, isso vale especialmente para o mundo anglo-saxão. Não sei se há algum sentido em nossos pedaços de mundo onde se fala inglês. Claro que estou falando de Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Austrália e Nova Zelândia.

Assista na TV Diálogos do Sul

Há algo profundamente desalentador na política de nossos países no momento. A profunda insanidade, receio, consiste no pensamento imperial britânico que foi assumido pelos Estados Unidos. Meu país, os EUA, está irreconhecível, mesmo em comparação com 20 ou 30 anos atrás. Para falar a verdade, não tenho certeza de quem governa o país. Não acredito que seja o presidente dos Estados Unidos. Somos comandados por generais, por nossa burocracia de segurança. O público não tem conhecimento de nada. As mentiras que são contadas sobre política externa são diárias e difundidas por uma grande mídia que mal consigo continuar a ouvir ou ler. O New York Times, o Washington Post, o Wall Street Journal e os principais canais de televisão estão 100% repetindo a propaganda governamental todos os dias, e é quase impossível romper essa barreira.

O que é isso? Bem, como vocês ouviram, trata-se da insanidade dos Estados Unidos por manter a sua hegemonia global, uma política externa militarizada – dominada pelo pensamento de generais que são intelectos medíocres, pessoalmente gananciosos – e sem sentido porque seu único modus operandi é fazer a guerra.

Jeffrey Sachs: Otan não admite ter provocado guerra na Ucrânia pois Biden afundaria

E eles são seguidos cegamente pela Grã-Bretanha, que infelizmente, ao longo da minha vida adulta, vi tornar-se cada vez mais patética, como uma líder de torcida dos Estados Unidos, gritando pela hegemonia dos EUA e pela guerra. Não importa o que digam os EUA, a Grã-Bretanha repetirá com dez vezes mais entusiasmo. Os líderes do Reino Unido não poderiam amar mais a guerra na Ucrânia. Esta é a grande Segunda Guerra da Crimeia para a mídia britânica e para os líderes políticos britânicos.

Agora, como a Austrália e a Nova Zelândia caem nessa idiotice é realmente uma profunda questão para mim e para vocês. As pessoas deveriam saber melhor o que está acontecendo. Mas temo que seja a Aliança dos Cinco Olhos [Five Eyes, aliança entre EUA, Canadá, Reino Unido, Austrália e Nova Zelândia] e a estrutura de segurança que disseram aos políticos, na medida em que os políticos estão envolvidos nisso, “bem, é isso o que temos que fazer”. Este é o nosso Estado de Segurança e não acho que nossos políticos necessariamente tenham um papel muito relevante nisso. A propósito, o público não tem nenhum papel na política externa dos EUA. Não temos nenhum debate, nenhuma discussão, nenhuma deliberação, nenhum debate sobre a votação dos 100, agora US$ 113 bilhões – na verdade, muito mais dinheiro – que foram gastos na Guerra da Ucrânia.

Continua após o banner

Até o presente, não houve sequer uma hora de debate organizado sobre isso, nem mesmo no Congresso, muito menos em público. Mas meu palpite é que burocracia de segurança [security establishment] é quem realmente conduz isso na Austrália. Eles explicam ao primeiro-ministro e a outros: “vocês sabem que esta é uma questão de segurança máxima nacional, e foi isso o que os EUA nos disseram. Deixe que nós, sua burocracia de segurança, expliquemos o que estamos vendo. Claro, você não pode divulgar isso para o público em geral, mas isso é, em essência, uma luta pela sobrevivência no mundo”.

Assim como Grã Bretanha, Austrália e Nova Zelândia caem na idiotice e aceitam ser usados no plano estadunidense para manter a hegemonia global

Outras Palavras
A insana aventura da Otan no Pacífico

Disparate

Tudo o que eu vejo – e já atuo há 43 anos como consultor econômico em todo o mundo – sugere que essa mensagem é um disparate. Uma coisa que seria interessante para as pessoas olharem, a fim de entender esses desenvolvimentos, é um artigo muito revelador de um ex-colega meu em Harvard, o embaixador Robert Blackwell e Ashley Tellis, escrito para o Conselho de Relações Exteriores em março de 2015.

Quero ler alguns trechos dele porque expôs o plano do que está acontecendo agora de forma bastante direta. É assim que as coisas funcionam nos Estados Unidos, onde planos futuros são traçados para a burocracia em tais relatórios.

Antes do declínio inexorável, Otan se prepara para o tudo ou nada: a guerra contra China

Basicamente nos disseram em 2015 o que vai acontecer nas relações EUA-China. A deterioração das relações foi planejada – não é algo ad hoc. Então, aqui está o que Blackwell e Tellis escreveram em 2015. Primeiro: “Desde sua fundação, os Estados Unidos têm consistentemente buscado uma grande estratégia focada em adquirir e manter poder preeminente sobre vários rivais. Primeiro no continente norte-americano, depois no hemisfério ocidental e, finalmente, em todo o globo.”

E então eles argumentam que “preservar a primazia dos EUA no sistema global deve continuar sendo o objetivo central da grande estratégia dos EUA no século 21”.

Primazia global: objetivo dos EUA

Então, qual é o objetivo dos EUA? O objetivo é muito direto, é a primazia global dos Estados Unidos. Blackwell e Tellis traçam o plano de jogo para a China. Eles nos dizem o que fazer.

Aqui está a lista, embora eu esteja citando apenas trechos: “Criar novos acordos comerciais preferenciais entre amigos e aliados dos EUA para aumentar seus ganhos mútuos por meio de instrumentos que conscientemente excluam a China”. Este é o jogo que Obama já começou com a Parceria Transpacífica (TPP, na sigla em inglês), embora não tenha conseguido por meio da oposição política doméstica.

Continua após o banner

Em segundo lugar, “criar, em parceria com aliados dos EUA, um regime de controle de tecnologia em relação a Pequim”, para bloquear as capacidades estratégicas da China. Em terceiro lugar, desenvolver “capacidades de poder político de amigos e aliados dos EUA na periferia da China” e “melhorar a capacidade das forças militares dos EUA de efetivamente projetar poder ao longo dos limites asiáticos, apesar de seja qual for a oposição chinesa”.

O que considero especialmente notável nessa lista é que ela foi feita em 2015. Então temos o plano de ação, passo a passo, sendo efetivamente executado. Esse prenúncio das políticas dos EUA por meio do Conselho de Relações Exteriores (CFR) é bem conhecido na história recente.

Expansão da OTAN e Ucrânia

Em 1997, no jornal Foreign Affairs do CFR, Zbigniew Brzezinski expôs com precisão o cronograma pretendido para a expansão da OTAN e especificamente a intenção de incluir a Ucrânia nessa ampliação. É claro que esse plano de expansão da OTAN nos levou diretamente à Guerra da Ucrânia, que é de fato uma guerra por procuração Rússia-EUA motivada pela ampliação da OTAN.

Agora, os amigos e gênios que nos trouxeram a Guerra da Ucrânia estão a caminho de nos trazer uma nova guerra em sua vizinhança. Como observou o professor Moon, a Organização do Tratado do Atlântico Norte está começando a abrir seus escritórios no leste da Ásia, que não é exatamente a mesma coisa que o Atlântico Norte.

Para os EUA, guerra contra Rússia na Ucrânia é preliminar para confronto com China

Então, estamos neste ponto. Não é absolutamente simples de enxergar as coisas por um motivo principal, pelo menos nos EUA. Não tenho certeza de como é na Austrália, mas acredito que seja praticamente o mesmo que nos EUA, onde não há honestidade nem decisão pública sobre nada disso.

As políticas pertencem inteiramente à burocracia de segurança, ao complexo militar-industrial, à rede de think tanks ou laboratórios de pensamento que, na verdade, são laboratórios de não-pensamento em Washington, quase todos financiados pelo complexo militar-industrial.

Lobby poderoso

O complexo industrial militar e seu poderoso lobby corporativo tomaram conta das universidades da Costa Leste onde leciono. Ensinei em Harvard por mais de 20 anos e agora leciono na Universidade de Columbia. A influência das agências de inteligência nos campi é sem precedentes, em minha experiência. Tudo isso aconteceu sem muito aviso público, quase um golpe silencioso.

Não há debate, não há política pública, não há honestidade, não há documentos publicizados. Tudo é secreto, confidencial e um tanto misterioso. Como sou um economista que se envolve com chefes de Estado e ministros de todo o mundo, ouço e vejo muitas coisas que me ajudam a penetrar nas “narrativas” oficiais e nas mentiras generalizadas.

Continua após o banner

Você não encontrará nada disso em nosso discurso público. E apenas uma palavra, se me permitem, sobre a Guerra da Ucrânia. A guerra era completamente previsível e resultou de um plano de hegemonia dos EUA baseado na ampliação da OTAN que remonta ao início dos anos 1990. A estratégia dos EUA era trazer a Ucrânia para a órbita militar dos EUA. Brzezinski, novamente em 1997, em seu livro The Grand Chessboard [O grande tabuleiro de xadrez], expôs a estratégia.

A Rússia sem a Ucrânia não é nada, argumentou. A Ucrânia, escreveu ele, é o pivô geográfico da Eurásia. Curiosamente, Brzezinski alertou os formuladores de políticas dos EUA que eles garantissem não pressionar a Rússia e a China para uma aliança. Na verdade, isso seria tão contrário aos interesses dos EUA que Brzezinski claramente acreditava que isso nunca aconteceria. Mas aconteceu, porque a política externa dos EUA é incompetente, bem como profundamente perigosa e equivocada.

Desinteresse

Durante o biênio de 1990-1991, fui conselheiro de Mikhail Gorbachev e, durante o período de 1991-1994, de Boris Yeltsin e Leonid Kuchma, abrangendo os últimos dias da perestroika e os primeiros dias da independência russa e ucraniana após a dissolução da União Soviética. Eu observei muito de perto o que estava acontecendo. Eu vi que os Estados Unidos estavam absolutamente desinteressados em ajudar a Rússia a se estabilizar.

A ideia da burocracia de segurança dos EUA desde o início dos anos 1990 era a unipolaridade liderada pelos EUA, ou a hegemonia dos EUA. No início da década de 1990, os EUA rejeitaram medidas para ajudar a estabilizar a economia soviética e depois a economia russa, enquanto também começaram a planejar a ampliação da OTAN, em contradição direta com o que os EUA e a Alemanha haviam prometido a Gorbachev e Yeltsin. Portanto, a questão da ampliação da OTAN, inclusive para a Ucrânia, faz parte de um plano de jogo dos EUA que começou no início dos anos 1990 e acabou levando à guerra na Ucrânia.

Continua após o banner

A propósito, os EUA estiveram profundamente envolvidos na derrubada do presidente pró-Rússia da Ucrânia em 2014. Sim, aquilo foi um golpe e, em grande medida, uma operação de mudança de regime feita pelos Estados Unidos. Acontece que eu vi uma parte disso e sei que o dinheiro dos EUA foi derramado para apoiar o Maidan. Essa intromissão dos EUA foi repugnante e desestabilizadora, e fazia parte do plano de ampliar a OTAN para a Ucrânia e a Geórgia.

Quando se olha para o mapa, o que vemos é de fato a ideia de Brzezinski de 1997: cercar a Rússia na região do Mar Negro. Ucrânia, Romênia, Bulgária, Turquia e Geórgia se tornariam todos membros da OTAN. Isso seria o fim da projeção de poder russa no Mediterrâneo Oriental e no Oriente Médio. E foi o que buscaram esses gênios da “segurança”.

Respostas diplomáticas

Putin apresentou respostas diplomáticas que foram repetidamente rejeitadas pelos EUA e seus aliados da OTAN, incluindo o Acordo de Minsk II, endossado pelo Conselho de Segurança da ONU, mas depois ignorado pela Ucrânia.

Em 17 de dezembro de 2021, Putin colocou sobre a mesa um documento perfeitamente razoável como base para a negociação, um rascunho do Acordo de Segurança EUA-Rússia. No centro estava o apelo da Rússia para o fim da expansão da OTAN. Tragicamente, os EUA mandaram tudo às favas. Liguei para a Casa Branca no final de dezembro de 2021, falei com um de nossos principais funcionários de segurança e implorei: “Negocie. Pare o alargamento da OTAN. Você tem uma chance de evitar a guerra”. Claro, não tive sucesso. A resposta formal dos Estados Unidos a Putin foi que a ampliação da OTAN não era negociável com a Rússia, um assunto sobre o qual a Rússia não tem absolutamente nada a dizer.

Continua após o banner

Esta é uma maneira incompreensível de buscar relações exteriores porque é um caminho direto para a guerra. Espero que todos entendam que esta guerra na Ucrânia estava perto de terminar em março de 2022 com um acordo negociado apenas um mês após a invasão da Rússia em 24 de fevereiro. A negociação do acordo foi interrompida pelos EUA porque se baseava na neutralidade da Ucrânia. Os EUA disseram à Ucrânia para guerrear, encerrar as negociações e rejeitar a neutralidade.

E assim estamos em uma guerra que continua a escalar para uma possível guerra nuclear, que é o que aconteceria se a Rússia sofresse profundas derrotas no campo de batalha. A Rússia não está perdendo no campo de batalha, neste momento, mas se viesse a perder, provavelmente escalaria para uma guerra nuclear. A Rússia não será expulsa de Donbass e da Crimeia e humildemente voltará para casa pedindo desculpas. A Rússia vai escalar se precisar escalar. Então, estamos agora em uma espiral que é extremamente perigosa.

Japão e Austrália

O Japão atua absolutamente nessa espiral. E a Austrália também. É muito triste ver a Austrália aceitando ser usada dessa maneira imprudente. Pagar uma fortuna por novas bases militares de forma imprudente, provocativa e cara, que alimentará o complexo militar-industrial dos EUA e, ao mesmo tempo, pesar sobre a Austrália.

Essas ações dos EUA estão nos colocando no caminho da guerra com a China da mesma forma que as ações dos EUA levaram à guerra na Ucrânia. A diferença é que uma guerra na Ásia-Pacífico seria ainda mais desastrosa. A ideia como um todo dos EUA e seus aliados lutando contra a China é incompreensível em suas implicações, sua estupidez e sua imprudência. Tudo isso é totalmente divorciado dos reais interesses de segurança da Austrália. A China não é uma ameaça para a Austrália. Não é uma ameaça para o mundo.

Continua após o banner

A propósito, não conheço uma única invasão ultramarina chinesa em sua história, exceto quando os mongóis governaram a China por um breve período e tentaram invadir o Japão. Além da invasão mongol, derrotada por um tufão, a China não lançou guerras no exterior. Simplesmente não faz parte da arte de governar da China, nem essas guerras seriam do interesse nacional chinês.

O que me preocupa no mundo é uma liderança de (in)segurança profundamente neurótica dos Estados Unidos que pretende ser o número um, mas que não pode ser o número um da maneira que acredita. Isso é patético, mas é aplaudido todos os dias em Londres, um lugar que ainda sonha com a glória do império global de uma era muito passada.

Conclusão

Permita-me, em conclusão, tomar um minuto para dizer o que deve ser feito.

Primeiro, a guerra na Ucrânia pode terminar no dia em que Joe Biden disser que a OTAN não se expandirá para a Ucrânia. A base para um acordo de segurança negociado existe há 30 anos, mas foi rejeitada até agora pelos EUA.

Em segundo lugar, a ideia de abrir escritórios da OTAN na Ásia é incompreensível, tamanha tolice que é. Por favor, diga aos japoneses para parar com essa ação imprudente.

Continua após o banner

Em terceiro lugar, a abordagem dos EUA para armar Taiwan é profundamente perigosa, provocativa e deliberadamente perigosa.

Quarto, o que é mais necessário na Ásia-Pacífico é o diálogo regional entre as nações da Ásia-Pacífico.

Quinto, a Ásia-Pacífico deve se basear no RCEP [Acordo de Parceria Econômica Abrangente Regional]. O RCEP é o conceito correto para reunir China, Coreia, Japão, os dez países da ASEAN [Associação das Nações do Sudeste Asiático], Austrália e Nova Zelândia em uma estrutura coerente, especialmente em torno do desafio climático, política energética, política comercial e política de infraestrutura e investimento. Um RCEP que funcione bem faria um bem enorme, não apenas para os 15 países do RCEP, mas para o mundo inteiro.

Desculpe ter me alongado tanto, mas é muito importante o que o SHAPE está fazendo. Vocês estão absolutamente no caminho certo e desejo todos os melhores votos para seus esforços.

Jeffrey D. Sachs | Professor da Universidade de Columbia, é Diretor do Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Columbia e Presidente da Rede de Soluções de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Ele atuou como conselheiro de três secretários-gerais da ONU e atualmente atua como advogado dos ODS sob o secretário-geral António Guterres.
Tradução: Maurício Ayer


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Jeffrey D. Sachs

LEIA tAMBÉM

narendra-modi
Índia: Narendra Modi chega a 3º mandato enfraquecido e com rastro de autoritarismo
Neoliberalismo
Thatcher 2.0? Think tank Atlas Network invade Europa com negacionismo e ultra liberdade de mercado
Jesus-Chuy-Garcia
Vítimas da violência no México e nos EUA se unem contra armamentismo estadunidense
emmanuel-macron
Enquanto fascismo avança, Macron equipara esquerda à extrema-direita e rejeita frente popular