Pesquisar
Pesquisar

Saiba qual é o país mais militarizado da América Latina

Conheça as forças de defesa mais numerosas da região e que países são os mais militarizados, com base na população
Redação Sputnik Brasil
Sputnik Brasil

Tradução:

Atualizado em 03/03/2022 às 12:50

Em 2016, eram 1.732.837 os efetivos militares conjuntos de 16 países latino-americanos e caribenhos, de acordo com o último Atlas Comparativo da Defesa regional, publicado pela Red de Seguridad y Defensa de América Latina (Resdal). O estudo é baseado nos dados oficiais das nações estudadas, sendo que estas não incluem a Costa Rica, Cuba e o Panamá.

O Brasil é o país com as Forças Armadas mais numerosas da região, contando com 366.614 militares da Força Aérea, Marinha e Exército. A Venezuela fica um pouco atrás, com 365.315 efetivos.

O México (267.656) e a Colômbia (265.050) seguem de perto estes dois líderes no ranking, segundo a respectiva pesquisa.

A Argentina (79.845) e o Peru (78.296) têm um pessoal militar de envergadura semelhante. Com 10 mil militares a menos fica o Chile (67.683), enquanto a República Dominicana tem 58.281 oficiais, técnicos e soldados.

O Equador (41.403) está um pouco acima da Bolívia (34.078). Significativamente menores são os recursos humanos com os quais contam as Forças Armadas de El Salvador (24.023) e Uruguai (22.316). Abaixo dos 20 mil militares ficam a Guatemala (18.181), Paraguai (16.087), Honduras (15.216) e Nicarágua (12.793).

Comparando a quantidade do pessoal militar por cada 10 mil habitantes, a tendência muda de uma maneira notável. Assim, a Venezuela fica no primeiro lugar da lista, com 118 militares. O Uruguai, que em números absolutos ocupa apenas o duodécimo lugar, nesta lista fica em segundo, com 65 militares por cada 10 mil cidadãos.

O Brasil, por sua vez, cai para o fundo da lista, com apenas 18 efetivos por cada 10 mil habitantes. Deste modo, apesar de ser o primeiro em números absolutos, o gigante sul-americano acaba por ser um dos países menos militarizados da região.

Sputinik Brasil – Direitos reservados


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Sputnik Brasil

LEIA tAMBÉM

Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri