Pesquisar
Pesquisar

Sanções dos EUA contra Irã prejudicam China; Pequim pede fim de medidas

"Cremos que a ameaça e uso de sanções não resolverá nenhum problema", afirmou Geng Shuang, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Pequim

Tradução:

A China exigiu que os Estados Unidos respeitem suas relações com o Irã e deixem de prejudicar empresas domésticas com a imposição de ao país persa de sanções unilaterais que têm caráter extraterritorial.

Geng Shuang, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores defendeu, em entrevista coletiva, os vínculos econômicos entre Pequim e Teerã e assegurou que desenvolvem um modelo de cooperação multifacetada, legal, mutuamente benéfica e sem afetar a terceiros.

Portanto, apelou a Washington a que retire de imediato medidas prejudiciais para as companhias chinesas que têm negócio com o Irã e advertiu que recorrerá aos meios necessários para proteger seus direitos e interesses.

"Cremos que a ameaça e uso de sanções não resolverá nenhum problema", afirmou Geng Shuang, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores

montagem Canal Rural
Teerã atacou as instalações depois que a Casa Branca ordenou o assassinato de seu general Qasem Soleiman

“Cremos que a ameaça e uso de sanções não resolverá nenhum problema. A China considera que os propósitos e princípios da Carta das Nações Unidas (…) devem reger as relações entre os países e suas diferenças devem ser manejadas por vias pacíficas”, agregou Geng. 

Da mesma forma, apelou a todas as partes a apostar pela resolução política e delinear ações concretas que permitam garantir a distensão, a estabilidade e a paz no Oriente Médio e na região do Golfo.

O porta-voz chinês se pronunciou em resposta às novas sanções anunciadas pelo presidente Donald Trump contra o Irã pelo recente bombardeio às bases militares dos Estados Unidos no Iraque. Teerã atacou essas instalações depois que a Casa Branca ordenou o assassinato do general Qasem Soleimani.

Alemanha, França e Reino Unido defendem acordo nuclear com o Irã

Os líderes da Alemanha, Angela Merkel; França, Emmanuel Macron, e Reino Unido, Boris Johnson, reiteraram seu respaldo ao acordo nuclear com o Irã, tomando distância do interesse dos Estados Unidos em destruí-lo.

Em uma declaração conjunta publicada pelo Palácio do Eliseu, consideraram que o pacto firmado em 2015 em Viena, com a participação ademais da China e da Rússia, desempenha um papel chave na preservação do regime de não proliferação nuclear.  

Da mesma forma, recordaram sua postura inequívoca de lamento e preocupação pela decisão da Casa Branca de retirar-se da iniciativa e regressar às sanções contra Teerã. Encontro do G7 em 9 de novembro de 2018

Apesar das difíceis circunstâncias, temos trabalhado com tenacidade para preservar o acordo, com o qual expressam compromisso todas as outras partes, França, Reino Unido, Alemanha, Rússia, China e Irã, sublinharam. “Hoje, nossa mensagem é clara: continuamos ligados ao acordo e a sua preservação”.

O presidente estadunidense, Donald Trump, levou à saída dos Estados Unidos do pacto e às sanções unilaterais, ao que o governo persa respondeu com o distanciamento progressivo do acordo de Viena, embora esclarecendo que não de maneira irreversível.

O texto insta, nesse sentido, ao Irã a retornar ao comprimento de suas obrigações.

Várias propostas diplomáticas de negociação lideradas pela França, em fóruns como a ONU e o G-7, foram ignoradas por Washington, que insiste em sua postura ameaçante e retórica belicista.

A declaração firmada por Merkel, Macron e Johnson inclui vários elementos considerados por analistas uma maneira de não “incomodar muito a Trump”, ao defender o “objetivo” de que o “Irã jamais desenvolva armas nucleares”, apesar das garantias de Teerã de que essa não é sua meta. 

Além da acusação ao Irã de apostar à desestabilização regional “justamente por intermédio do corpo dos Guardiões da Revolução Islâmica e da força Al-Qods”, em uma cara justificativa do assassinato do general iraniano Qassem Soleiman pelos Estados Unidos, ação que atiçou as tensões e os perigos de guerra. 

Empresário do Canadá culpa Trump de desestabilizar o Oriente Médio

O diretor geral da Maple Leaf Foods, Michael McCain, culpou o presidente Donald Trump de desestabilizar a região do Oriente Médio e o responsabilizou do acidente do avião da Ucrânia no Irã.  Em uma série de tuítes, McCain, citado por CBC News, apontou que “um narcisista em Washington desestabilizou a região, o que finalmente conduziu a que um míssil iraniano derrubara acidentalmente um avião de passageiros ucraniano”, matando as 176 pessoas à bordo, incluindo,  a família de um empregado de sua companhia, disse. 

O empresário sustentou que o tempo transcorrido desde o acidente não aplacou sua ira pelo que descreve como um “série de eventos desnecessários e irresponsáveis no Irã”, enquanto crescem as demandas para amenizar a tensão criada na área. 

O senador dos EUA John McCain cumprimenta o Brig. Gen. Michael Colangelo, comandante da Guarda Nacional Aérea do Arizona

Da mesma forma, estimou, que o mundo tinha encontrado um caminho para as relações com o Irã que na maioria dos casos “era a direção correta”, em aparente referência à retirada de Washington do acordo alcançado com Teerã sobre o uso pacífica da energia nuclear. 

“Um narcisista em Washington destroça as conquistas mundiais; desestabiliza a região. Os Estados Unidos agora não são bem-vindos em todas as partes na área, inclusive no Iraque; as tensões escalaram a um tom febril”, afirma McCain.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação