Pesquisar
Pesquisar

Segredos nucleares mundiais descobertos por Trump deixam oficiais dos EUA "alarmados"

Documento descrevendo defesas militares é parte de uma série de papeis “top-secret” confiscados na residência e clube privado de Trump
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

A revelação de que entre os documentos secretos guardados indevidamente por Donald Trump em sua residência privada aparentemente haveria informação ultrassecreta sobre as capacidades militares nucleares de outro país, continua alarmando especialistas em inteligência, enquanto prossegue uma avaliação oficial do dano potencial que foi causado pelo ex-presidente à segurança nacional do país.

Ex-oficiais de inteligência, entre eles o ex-diretor da CIA, John Brennan, reiteraram em entrevistas na semana passada que seus colegas ativos dentro do governo estão cada vez mais alarmados pelo potencial prejuízo que poderia ser causado por Trump ao manter de maneira insegura – incluindo no seu escritório privado – documentos oficiais secretos, inclusive os relacionados com capacidades nucleares de outros países, como outros sobre operações clandestinas no estrangeiro.

Buscas do FBI em mansão podem impedir novas candidaturas de Trump; entenda

O documento descrevendo as defesas militares, entre elas nucleares, de outro país, revelado pelo Washington Post, era parte de uma série de documentos “top-secret” que foram confiscados na residência e clube privado de Trump conhecido como Mar-a-Lago, e alguns têm um nível de proteção tão alta que só um presidente, alguns integrantes de seu gabinete e muito poucos altos funcionários de inteligência têm acesso e eles, reportou o jornal.

No total, até agora, o FBI recuperou mais de 300 documentos classificados em Mar-a-Lago este ano – aproximadamente 184 em janeiro, outros 38 em junho – quando advogados de Trump certificaram que eram já os últimos – e mais de 100 depois da busca em agosto.

O escritório do Diretor de Inteligência Nacional está avaliando o prejuízo potencial de que Trump tivesse todos esses documentos que transferiu para sua residência quando concluiu a presidência. Por lei, todo presidente está obrigado a entregar todos os documentos oficiais aos Arquivos Nacionais ao sair da Casa Branca. 

Documento descrevendo defesas militares é parte de uma série de papeis “top-secret” confiscados na residência e clube privado de Trump

Matt Johnson – Flickr

Trump continua a denunciar a seus apoiadores que investigações são tentativas para "silenciar" ele e seus seguidores




Arbitro judicial

A decisão no último dia 29, de uma juíza federal que foi nomeada ao seu posto por Trump, aprovando a solicitação do ex-presidente de instalar um árbitro judicial para avaliar os materiais que foram confiscados pelo FBI, foi amplamente criticada por especialistas legais, inclusive pelo próprio ex-procurador geral de Trump, Bill Barr, mas o consenso é que só terá o efeito de demorar a investigação criminal que é levada a cabo pelo Departamento de Justiça. 

Privilégio executivo: Trump usa cartada para frear investigação em arquivos confiscados

Enquanto isso, Stephen Bannon, estrategista político de Trump no início de sua presidência, enfrenta acusações estaduais que poderiam ser parecidas às acusações federais por fraude em torno de uma operação, We Build the Wall, supostamente para arrecadar fundos para a construção do muro fronteiriço prometido por Trump, mas os fundos foram usados para gastos pessoais. Bannon se salvou dessas acusações federais quando recebeu um indulto presidencial de seu ex-chefe. 

Em outra notícia relacionada com Trump, pela primeira vez em mais de 100 anos um político eleito foi expulso de seu cargo – neste caso um comissionado de um condado no Novo México – por ordem de um juiz usando a 14ª Emenda da Constituição, que proíbe aos acusados de insurreição ocupar um posto público. Couy Griffin, fundador de Cowboys por Trump, foi considerado culpado de participar no ataque ao Capitólio em 6 de janeiro de 2021, o que foi qualificado como uma “insurreição”.

Alguns têm a intenção de usar essa decisão contra outros cúmplices do ex-presidente e inclusive contra ele mesmo. 

Trump, entretanto, continua a denunciar às suas fileiras que estas investigações são tentativas para “silenciar” ele e seus seguidores. Aproveitando esses sentimentos, outro ex-sócio de Trump, que foi seu primeiro assessor de Segurança Nacional na Casa Branca, o ex-general Michael Flynn, agora está se dedicando a organizar um movimento “cristão nacionalista” ultra-direitista, informa a agência AP.  

David Brooks, correspondente do La Jornada em Nova York.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Congo-golpe-Christian-Malanga
Quem são e o queriam golpistas dos EUA mortos em ataque ao Congo em 19/5
Cuba-bloqueio
EUA mantêm Cuba como patrocinadora do terrorismo para afogar projeto cubano de soberania
Joseph-Stiglitz
Nobel de Economia defende reforma tributária nos EUA que cobre mais dos super riscos
Putin-Xi (1)
Do comércio à segurança, união China-Rússia ganha força e vira dor de cabeça para Ocidente