Pesquisar
Pesquisar

Sem anistia! Covardes à espreita, mandantes do golpe de 8 de janeiro devem ser punidos

Não se pode fazer “vista grossa” para os verdadeiros criminosos, patrocinadores e treinadores de terrorismos, destruidores de vidas populares
Claúdio di Mauro
Diálogos do Sul Global
Uberlândia (MG)

Tradução:

Estamos vendo a identificação e o indiciamento de centenas de participantes dos crimes cometidos em Brasília, no dia 08 de janeiro, quando milhares de pessoas invadiram e depredaram o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional (Câmara e Senado), a sede do Supremo Tribunal Federal. 

É verdade que estão nas listas do Ministério Público diversos políticos e empresários que estimularam e financiaram a contratação de ônibus e as viagens para Brasília, nas vésperas e no dia dos crimes praticados. Contudo, há muita gente ainda para ser incriminada, escondida como se nada tivessem feito. 

Assista na TV Diálogos do Sul

É óbvio que a população quer a identificação de todos os criminosos que tiveram participação direta ou indireta nessas mobilizações que atacaram as instituições. É importante que populares participantes dessas agressões sejam devidamente identificados e, se cometeram crimes, sejam julgados e, se condenados, sejam devidamente punidos. Devem aprender a lição e servir de exemplo para que outros não venham a se constituir em “massa de manobra” para interesses mesquinhos e criminosos. 

Até aí, “tudo bem”, tem sido assim. Corresponde ao caráter de sempre, jogar a população e os populares como “bois de piranha” a serviço de “grandalhões” corruptos, criminosos e covardes que não querem aparecer. Financiam, estimulam, mas ficam apenas na espreita. Esperam pelos “bons resultados” para a aplicação do golpe final… se tudo der certo, como planejaram… Caso não dê certo, ficarão salvos de acusações. É o caso!!! 

Empresários médios, aqueles que colocaram seus veículos, aproveitando a oportunidade do lucro, precisam ser identificados, como alguns já foram. Outros, que pagaram os ônibus e a alimentação para que populares participassem da depredação, ainda precisam ser devidamente apurados. Mas, não há dúvidas que interesses maiores fizeram parte dessa promoção desastrosa contra as instituições democráticas. 

Não se pode fazer “vista grossa” para os verdadeiros criminosos, patrocinadores e treinadores de terrorismos, destruidores de vidas populares

Juliana Barbosa / MST-PR
O Brasil não pode esperar que tais comportamentos sejam ampliados e mantenham seus núcleos esparramados e disseminados pelo País




Quem foram…?

Quem foram os verdadeiros articuladores, incentivadores, financiadores dos atos terroristas? Havia gente preparada para acender o pavio que faria detonar a bomba e com isso o chamado “estouro da boiada”? Tratava-se de um “gado” que estava perplexo e sem clareza nos seus objetivos?

Certamente, sem saber das possíveis e duras consequências para seus atos, ainda que sem a devida consciência, muitos populares embarcaram nessa óbvia “canoa furada”.

Paulo Cannabrava | Domingo de terror no Brasil revela ausência total de Inteligência de Estado

Atualmente, diversos estão sofrendo as consequências de seus atos que, se comprovados, devem mesmo ser punidos. Perderam emprego, perderam relações familiares, ficaram com a vida destroçada, estão sendo processados para pagar financeiramente pelos danos causados. São populares empurrados para a miséria humana. Ficarão com suas vidas impossibilitadas, e, abandonados.


E os mandantes?

Quem são de fato os irresponsáveis pelos acontecimentos?

Não se pode fazer “vista grossa” para os verdadeiros criminosos, patrocinadores e treinadores de terrorismos, destruidores de vidas populares.

Além de identificar os setores civis envolvidos, um dos caminhos que devem ser seguidos pelas investigações é: 

– Tem militares envolvidos? Quais? Emporcalharam as Instituições às quais deveriam servir com bravura e em defesa institucional? Deveriam apenas cumprir o que está estabelecido em suas responsabilidades constitucionais.


E os militares? 

Quem são os militares que se esconderam nos grupos colocados à frente dos quartéis, de órgãos das Forças Armadas? Quem eram os militares que protegiam seus familiares envolvidos no motim que estava sendo preparado para os atos de 8 de janeiro? 

Serão devidamente identificados? Serão investigados e, se cometeram crimes, serão devidamente punidos? Serão julgados pela Justiça comum ou protegidos pela Justiça Militar? 

A impunidade dos militares golpistas e o papel de Tomás Paiva

Não é possível fazer “vista grossa” para os crimes praticados por quem se coloca como “poder moderador”, sem o ser, constitucionalmente. 

Na prévia e durante a campanha eleitoral de 2018, já estava evidente a presença de militares em comícios e concentrações promovidas para apoiar o posteriormente eleito Jair Messias Bolsonaro. Após a vitória eleitoral, as “motociatas” e outros tipos de manifestações mostravam as evidentes presenças de jovens de baixa patentes.


Oportunidade

O Brasil não pode perder esta oportunidade para fazer a higienização completa, sem anistia, buscando esses setores neofascistas, estimuladores de comportamentos nazistas que afloram a cada dia.

Desafio de Lula é equilibrar combate ao golpismo e socorro ao povo pobre do país

O exemplo recente do adolescente no município de Monte Mor, Estado de São Paulo, com explosivos para uma escola, mostra onde podem chegar os formados nessas escolas do crime.

O Brasil não pode esperar que tais comportamentos sejam ampliados e mantenham seus núcleos esparramados e disseminados pelo País. Este mal deve ser cortado na raiz, radicalizado.

Cláudio Di Mauro | Geógrafo e colaborador da Diálogos do Sul.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Claúdio di Mauro

LEIA tAMBÉM

lula-brasil-eleições
Frei Betto | Eleição de outubro é chance de fortalecer progressismo; isso, ou a volta do golpismo
g20-em-quadrinhos-4
G20 em quadrinhos | nº 4: Talento
Lula-Brasil2
Cannabrava | Lula tem que aproveitar sua popularidade e apresentar um projeto nacional
g20-em-quadrinhos-n3
G20 em quadrinhos | nº 3: Vida saudável