Pesquisar
Pesquisar

Sem oportunidades, guatemaltecos trocam campos de girassol por cubículos nos EUA

Marcelino abre as persianas, o som de neve derretendo é alentador, logo terá trabalho novamente, nos primeiros dias de primavera
Ilka Oliva Corado
Diálogos do Sul
Território dos EUA

Tradução:

Corre a cortina e abre as persianas, os raios de luz atravessam o pó no quarto. Marcelino mora em um edifício antigo, descuidado pelos donos que têm como inquilinos migrantes latino-americanos indocumentados, por isso não se preocupam em fazer as reparações obrigatórias.

Por mais que limpe, o pó se acumula, como as baratas e as formigas. Marcelino aluga um estúdio, um quarto pequeno onde tem um fogão, uma geladeira pequena e o banheiro, mal tem espaço para se mexer.

Assista na TV Diálogos do Sul

Depois de morar 12 anos em um apartamento com mais 8 migrantes, se aventurou a alugar um estúdio sozinho. Durou dois anos, mas o aluguel e as obrigações em sua natal Tacaná, San Marcos, Guatemala, o impediram de continuar, por isso aluga a outros dois migrantes, um do México e outro de El Salvador. 

A roupa eles guardam em sacos plásticos porque não há espaço para móveis, para economizar o espaço da televisão, veem séries em seus celulares, têm três colchões que durante o dia os levantam e apoiam contra a parede, então desdobram as cadeiras e a mesa para comer, as mesmas que de noite arrumam em um cantinho para de novo pôr os colchões. 

Marcelino abre as persianas, o som de neve derretendo é alentador, logo terá trabalho novamente, nos primeiros dias de primavera, quando o chamarem para cortar grama.

A época do frio ele passa contando os dias, com trabalhos de meio período, temporários. Fevereiro em seu caminhar migrante é tão diferente ao fevereiro de sua natal, Tacaná, onde colhia a segunda semeadura da milpa, cortava os chilacayotes[1] e os girassóis amarelavam o caminho. 

Marcelino abre as persianas, o som de neve derretendo é alentador, logo terá trabalho novamente, nos primeiros dias de primavera

Foto: Nathan Wright – Unsplash

Marcelino será mais um nas estatísticas de migrantes indocumentados que falecem no exílio, sem um familiar por perto

Não só herdou o nome de seu avô materno, também o ofício de fazer adobes para vender; desde criança Marcelino ajudava cortando o pasto, regando a água sobre a terra que depois amassaria com os pés. Alugavam um pedaço do lugar que lhes servia para pôr a secar dos adobes, tinham que esperar vinte e cinco dias para ficarem prontos. 

Da semeadura e do adobe pouco podia gerar para a economia familiar, ainda assim ele tentava, até que um dia o dono do terreno não alugou mais, porque vendeu a uma família do mesmo lugar que tinha todos os filhos trabalhando indocumentados nos Estados Unidos e com as remessas construíram um motel.

Idealizado por Paulo Cannabrava, documentário vai resgatar trajetória do boliviano JJ Torres

Por isso emigrou, obrigado pelas circunstâncias, jamais teria trocado os dias de sol pelos seis meses de céu cinzento e neve. Jamais, por sua própria vontade teria trocado o amarelo dos girassóis pelo pó nesse edifício antigo, ou as espigas penduradas nas vigas do corredor pelas baratas na despensa. Marcelino jamais teria se afastado dos seus filhos fisicamente se tivesse tido condições para criá-los e dar a eles melhores oportunidades; foi embora obrigado, como milhares de guatemaltecos.

Em fevereiro, quando em Tacaná cheira a espiga recém colhida, ele sofre a depressão própria dos migrantes indocumentados que no inverno fazem um buraco na alma e nos sentidos, que lhes bloqueia os ossos e lhes impede a mobilidade. Marcelino trata de resistir, alcoolizando-se com seus companheiros de quarto, para esquecer momentaneamente a realidade de ser indocumentado. 

Se banha em Água Florida e álcool canforado para que o reumatismo não lhe impeça trabalhar. Espera por abril, a primavera, que um dia não tenha que abrir essa persiana para buscar desesperadamente os raios de sol e desfrutar do fevereiro em sua natal Tacaná, colhendo chilacayotes e maravilhando-se com os girassóis amarelando os caminhos, tomando com sua família um caldo de galinha do quintal e tortilhas recém saídas do fogo. 

Mas não sabe que em poucos meses morrerá, que cairá abatido por um infarto provocado pela diabetes que não sabe que tem. Será mais um nas estatísticas de migrantes indocumentados que falecem no exílio, sem um familiar por perto. Seu corpo passará meses congelado na morgue até que as pessoas que o conheceram juntem dinheiro, pedindo nas ruas, nas lojas, nas igrejas, aos seus companheiros de trabalho, e o enviem ao seu país de origem onde o receberá sua família, da qual tanto sentiu saudades.

————

[1] No México e na América Central: Fruto comestível do chilacayote, oblongo, de cor verde e polpa branca e fibrosa; é usado para fazer geleias e doces. 

Ilka Oliva-Corado | Colaboradora da Diálogos do Sul em território estadunidense.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Ilka Oliva Corado Nasceu em Comapa, Jutiapa, Guatemala. É imigrante indocumentada em Chicago com mestrado em discriminação e racismo, é escritora e poetisa

LEIA tAMBÉM

Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)
Hipátia de Alexandria
O assassinato de Hipátia de Alexandria, a mulher filósofa
Karl Marx (2)
Homem do Milênio, Karl Marx vive na memória de milhões em todo mundo