Pesquisar
Pesquisar

“Sim, eu posso!”: Com método cubano, MST alfabetiza jovens, adultos e idosos em Alagoas

Projeto foi adaptado para ser aplicado em território nacional, seja ele urbano ou rural, e pode ser utilizado por qualquer pessoa que se proponha a aprender
Lilian Santos
Olhos Jornalismo
Maceió

Tradução:

Igrejas, escolas, bares ou um pequeno espaço da sala de casa, diversos são os lugares utilizados pelos educadores do projeto “Sim, eu posso!”, para ensinar jovens, adultos e idosos a aprender a ler e a escrever. O programa usa um método de alfabetização idealizado em Cuba, que se apoia nas telenovelas como forma de ensino.

No Brasil, a iniciativa chegou em uma parceria com algumas prefeituras do Piauí. Em 2007, foi incorporada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), nas zonas agrárias. De lá para cá, somente em Alagoas, foram beneficiadas cerca de 400 pessoas, dentre elas Maria de Fátima da Silva. 

MST alfabetizou mais de 100 mil pessoas no Brasil: “Luta por educação é paralela à luta pela terra”

Aos 39 anos, a dona de casa delmirense tem um histórico de vida parecido com o de muitas outras Fátimas, Teresas e Joanas encontradas ao redor do país. Ainda na infância, precisou parar de estudar porque sua mãe decidiu viajar e a levou junto. Algum tempo depois, houve outra tentativa de aprendizagem que foi interrompida por uma gravidez. 

Quando passei da primeira para a segunda série, engravidei. Aí fui cuidar de casa, de menino e não tive mais tempo para estudar

Foi há apenas cinco anos que uma nova oportunidade foi apresentada à sertaneja por meio do método “Sim, eu posso!”. Em 2017, a campanha estava atuando nos municípios de Piranhas, Olho D´Água do Casado e Delmiro Gouveia.

Maria de Fátima aproveitou a chance e se tornou uma das poucas alunas a concluírem a alfabetização e a sair de vez de uma estatística cruel que revela as desigualdades ainda presentes no estado.

Assista na TV Diálogos do Sul

Com a maior taxa de analfabetismo do país, com 17,1%, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Alagoas tem 337 mil pessoas de 14 anos ou mais que não sabem nem ler nem escrever.

Maria de Fátima (lado direito de blusa vermelha) junto com o pessoal do projeto em Delmiro Gouveia – 2017 (Foto: Arquivo pessoal) 

“Minha maior dificuldade era juntar as consoantes e vogais, quando estavam as duas juntas era difícil, agora eu já desenrolo. Não vou dizer que sei ler tudo de uma carta, mas me ensinou muito mesmo. Se viesse de novo, iria de novo, foi muito bom pra minha vida, e se eu me esforçar, consigo ler”, contou.

Centenário de Paulo Freire reabre urgência de uma educação crítica em tempos reacionários

O projeto foi adaptado pelo MST para ser aplicado em território nacional, seja ele urbano ou rural, e pode ser utilizado por qualquer pessoa que se proponha a aprender, independente do grau de escolaridade. “Ele é desenvolvido através de aulas em formato de telenovelas, no qual debatemos temas geradores.

Após isso, há as aulas práticas com exercícios para coordenação motora fina, até os números, letras e sílabas. O professor (monitor) tem a função de reforçar os exercícios das aulas, como também acolher alegremente nossos educandos”, explicou a professora e coordenadora do setor de educação do Movimento em Alagoas, Marcela Nunes, em conversa com a reportagem do Olhos Jornalismo

Os educadores escolhidos fazem parte da comunidade e os outros são integrados no MST. Para contribuir há exigências:  ter disponibilidade, disposição para ensinar e uma escolaridade mínima. Essa tríade de atributos integra o perfil de Aline Oliveira. Ela é uma das jovens que fazem parte do coletivo de juventude do Movimento e foi convocada a ensinar.

No “Sim, eu posso!” coordenou o mutirão de alfabetização no sertão e foi educadora de uma turma em Maceió. Para ela, a iniciativa mostrou que “a educação é um ato revolucionário, que ler e escrever é enxergar o mundo através das letras, é autonomia, amor próprio de muitas mulheres”. 

“Sim, eu posso!”: obra retrata êxitos da campanha de alfabetização cubana

No método cubano, os alunos, também chamados de educandos, aprendem primeiramente assistindo. A partir dos capítulos da telenovela, há uma associação feita entre as letras do alfabeto e os números.

Esse processo facilita a memorização e o aprendizado de cada letra. Com o tempo e as aulas, eles passam a identificar e construir palavras e frases e dão os primeiros passos, ou melhor, escrevem e leem as primeiras vogais em busca da alfabetização

Projeto foi adaptado para ser aplicado em território nacional, seja ele urbano ou rural, e pode ser utilizado por qualquer pessoa que se proponha a aprender

Foto: Regis Philippe/Comunicação MST
Educando assistindo às telenovelas educativas

Há pedras no caminho

O “Sim, eu posso!” é desenvolvido durante três meses em cada região, e as aulas são orientadas pelos educadores. Eles utilizam, ao todo, 65 telenovelas e uma cartilha do aluno disponibilizada pela organização.

No entanto, os outros materiais necessários como quadros, cadeiras, cadernos, televisores, lápis e borrachas dependem dos locais onde as aulas são ministradas, o que dificulta, muitas vezes, que ele seja aproveitado em sua totalidade. 

“Em alguns momentos, conseguimos parcerias com doações de materiais e espaços físicos e notamos as eficiências. Porém, há necessidade da participação do Estado com a garantia de políticas públicas que permitam a permanência e a continuidade do método e, também, da escolaridade, através de exames de vistas, espaços adequados e iluminados, merenda e materiais didáticos. Principalmente por ser um público no qual retorna a sala de aula, mas por algum motivo parou de estudar por não ter condições de continuidade. Sem falar que é um direito legal, mas que não se garante por diversas burocracias”, pontuou Marcela. 

Aulão em frente a Prefeitura de Delmiro Gouveia (Foto: Regis Philippe/Comunicação MST)

Educador ensina alunos em ambiente aberto no sertão de AL (Foto: Regis Philippe/Comunicação MST)

Além das dificuldades materiais, são encontradas barreiras pessoais em cada aluno que chega. Alguns possuem histórico de desistência e problemas financeiros e familiares que, na maioria das vezes, acabam prejudicando sua participação e desejo de aprender.

A estudante de Pedagogia, educadora e participante do coletivo de juventude do MST Alagoas, Jislaine Maciel, conta que muitos educandos e educandas trabalham o dia inteiro e acabam faltando a aula devido ao cansaço do cotidiano.

Aula em comunidade do interior de AL (Foto: Regis Philippe/Comunicação MST)

Educandos assistem às aulas acompanhados de filhos (Foto: Regis Philippe/Comunicação MST) 

“Alguns dormem durante as aulas, sentem dificuldade de enxergar, mas não podem estudar durante o dia em razão do trabalho. O resultado disso e de tantas outras questões que vão aparecendo durante o percurso da alfabetização é a evasão. Às vezes, a turma começa com 15 educandos/as, depois 10 passam a frequentar e cinco finalizam o processo. Acontece ainda de o processo ser interrompido antes mesmo da etapa final em razão da evasão”, lamenta a universitária.

Sem fronteiras

Apesar dos empecilhos, o que move a iniciativa é, sobretudo, levar a educação para todas as pessoas que desejam aprender, tirando-as da condição de analfabetos e dando um pouco mais de liberdade e dignidade para cada uma delas.

islaine durante as aulas do “Sim, eu posso!” (Foto: Regis Philippe/Comunicação MST)“É por compreender que a educação não está dentro de um espaço vazio, mas de uma estrutura social, econômica e cultural de poder que, inclusive, interfere na permanência dessas pessoas na sala de aula, que buscamos construir um processo alfabetizador que tenha também como pretensão a construção de planos de aulas críticos e que dialoguem com a vivência dos/as educandos/as”, explicou a estudante de Pedagogia. 

Além disso, o “Sim, eu posso!” influencia na visão de vida não só dos alunos como dos educadores que participam do movimento. 

“Sei que uma educação que ignora o racismo, o feminicídio, a homofobia, a transfobia, a luta pela terra, a ausência de escolas no campo, não me serve. Não poderia deixar de agradecer por essa oportunidade que nos forma com novos valores humanos e nos enche de mística para acreditar que ‘se não houver o amanhã, brindaremos o ontem’”, finalizou Jislaine.

Lilian Santos | Olhos Jornalismo


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Lilian Santos

LEIA tAMBÉM

Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Lula - 1 de maio
Cannabrava | Lula se perdeu nos atos de 1º de maio