Pesquisar
Pesquisar

Síria, Somália e Iêmen são bombardeados, mas não recebem mesma atenção que Ucrânia

Segundo o Projeto de Dados de Localização e Eventos de Conflitos Armados, mais de 28 países passam por conflitos neste início de 2022
Paulo Motoryn
Brasil de Fato
São Paulo (SP)

Tradução:

O conflito na Ucrânia no leste europeu registrou uma série de bombardeios aéreos feitos pela Rússia nas últimas horas. Enquanto o mundo acompanha com atenção o avanço de tropas russas em território ucraniano, países como Síria, Somália e Iêmen também sofreram ataques aéreos.

Pelo menos outros 28 países passam por conflitos ou registram combates armados neste início de 2022. A informação é do Projeto de Dados de Localização e Eventos de Conflitos Armados (Acled, na sigla em inglês), que analisou dados até 11 de fevereiro. O levantamento foi publicado pelo jornal Folha de S.Paulo na semana passada.

Na manhã de quinta-feira (24), em Kiev, na capital da Ucrânia, sirenes de alerta para possíveis ataques aéreos começaram a soar. A última vez que estes sinais foram acionados na cidade foi na 2ª Guerra Mundial. Outros locais do país já chegaram a ser bombardeados, segundo agências de notícias. Pelo mundo, no entanto, episódios como esse são relativamente comuns. 

Apenas nesta semana, segundo os principais veículos jornalísticos internacionais, o governo de Israel matou seis combatentes pró-Síria pelo ar, os Estados Unidos lançaram um drone contra a Somália e a Arábia Saudita realizou ataques no Iêmen. O Brasil de Fato resume o que ocorreu em cada um dos casos, de acordo com a imprensa. Leia:

Mortos na Síria após ataques aéreos de Israel

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH) informou, nessa quinta-feira (24), que pelo menos seis combatentes pró-governo sírio morreram em ataques aéreos israelenses durante a madrugada na região de Damasco, capital do país. A notícia foi publicada no Brasil pelo UOL, com informações da AFP.

Segundo o Projeto de Dados de Localização e Eventos de Conflitos Armados, mais de 28 países passam por conflitos neste início de 2022

Captura de tela – Independent Television / YouTube
Apenas nesta semana, segundo os principais veículos jornalísticos internacionais, o governo de Israel matou seis combatentes pró-Síria

“Os bombardeios israelenses mataram seis pessoas, incluindo dois soldados sírios e quatro combatentes de milícias apoiadas pelo Irã, cujas nacionalidades são desconhecidas”, anunciou o OSDH. Desde o início da guerra na Síria, em 2011, Israel realizou centenas de ataques contra o Exército de Bashar al-Assad.

Estados Unidos lançam drone contra Somália

O jornal The New York Times informou nesta quinta-feira (24) que os Estados Unidos realizaram um ataque de drones contra militantes do Al Shabab, na Somália, na última terça-feira (22). Foi a primeira ação militar desse tipo contra a afiliada da Al Qaeda na África Oriental desde agosto do ano passado.

O ataque ocorreu após um ataque do Shabab às forças aliadas somalis em Duduble, cerca de 64 quilômetros a noroeste da capital do país. Segundo o The New York Times, ainda não se sabe quantos somalianos foram mortos no ataque. As forças dos Estados Unidos disseram, no entanto, que nenhum civil foi ferido.

Iêmen: mulheres mortas após ataque da Arábia Saudita

Na segunda-feira (21), a organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) afirmou, em sua conta no Twitter, que “após um bombardeio” durante a noite na província de Hajjah, no Iêmen, sua equipe na sala de emergência do hospital geral da região “recebeu uma menina de 12 anos e uma mulher de 50 anos, ambos mortos na chegada”.

No final de janeiro, ataques aéreos em uma prisão no norte do Iêmen deixaram pelo menos 37 de mortos. O ataque foi uma vingança da coalizão liderada pela Arábia Saudita depois de um atentado que deixou 3 mortos e 6 feridos nos Emirados Árabes Unidos. As informações são da Al-Jazeera.

a civil no Iêmen é tida pelo Acnur (Alto Comissariado da ONU para os Refugiados) como “a maior crise humanitária do mundo” atual, com estimativas de mais de 377 mil mortes. O país tem cerca de 80% da população em situação de fragilidade, com 3,6 milhões de deslocados internos e 24 milhões de pessoas necessitando de suporte humanitário.

Edição: Vivian Virissimo


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Paulo Motoryn

LEIA tAMBÉM

Armenia_Otan_UE_Rússia
UE e Otan seduzem Armênia exclusivamente de olho em recursos, alerta Rússia
01c91d77-420a-4c95-a57a-54b9ef4c5f24
Armênia-Azerbaijão: fim de Nagorno-Karabakh não é solução para tensões no Sul do Cáucaso
51576a7e-8747-4410-9309-85428dfe90f6
Em 4 pontos, entenda por que nova declaração da OTAN é uma ameaça direta à humanidade
39335ab3-99d8-4638-a578-30492ee4d76c
Saída de tropas de ilha ucraniana busca viabilizar corredor humanitário, afirma Rússia