Pesquisar
Pesquisar

Só exercício de cidadania pode dar fim à estrutura de abusos e corrupção na Guatemala

Formoso conceito é a própria chave do conceito da Nação
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul Global
Cidade da Guatemala

Tradução:

Não é casual a descoberta das redes do crime metidas até o tutano das estruturas institucionais do Estado. Não é somente a polícia: o distúrbio vem desde o Exército e seu controle absoluto sobre portos e fronteiras, armamento e aparatos de inteligência. Tampouco é só o Exército, aí estão escondidos os grandes capitais que lhe outorgaram seu pleno respaldo na minuciosa obra de limpeza social e política que acabou com a liderança política durante a Guerra Fria.

Portanto, é muito o que se deve escavar no passado para encontrar uma resposta coerente que explique a situação da Guatemala de hoje, com sua inconcebível maneira de virar a cara à realidade da corrupção, esse modo de justificar a passividade social com o medo às antigas formas de repressão, esse caráter evasivo das classes sociais para excluir-se de toda decisão que transcenda sua capacidade de envolvimento. 

“Inimigo é o sistema neoliberal e aqueles que o sustentam”

O inimigo continua aí. Encontra-se no arrevesado argumento com o qual pretendemos nos vitimizar em lugar de agir. Se somos o objetivo de grupos desestabilizadores ou de organizações criminosas, é porque nos colocamos à vontade e os deixamos agir sem a menor resistência. Se a imprensa publica um escândalo depois do outro, comentamos baixinho, fechamos com pedra e lodo as portas para não sentir o impulso de protestar e preferimos concentrar nossa atenção no que virá amanhã nas manchetes. 

Qual é a grande diferença entre 75 ou 99,75% de ineficácia do sistema de justiça? Por acaso temos que nos conformar com algo um pouco menos mal ou levemente menos vergonhoso? Guatemala tem os indicadores mais inexplicáveis na América Latina, se tomarmos em conta sua prodigiosa capacidade de enriquecer ilimitadamente aqueles que governam, uma administração após a outra.

Então não há desculpa para ter centros de saúde carentes de tudo, mesmo de serviço de água potável. Não se explica que os policiais comprem suas próprias munições com o miserável salário que recebem. Não é lógico que crianças em idade escolar sofram a vergonha de ter aulas à intempérie sentados sobre pedaços de blocos. Menos explicável ainda é o desperdício de funcionários e deputados, prefeitos e governadores, os quais agem convencidos de sua autoridade para fazer dos fundos públicos seu cofre privado. 

Se para tudo isto existe uma solução razoável, é o exercício da cidadania. Único instrumento válido para deter o abuso, exigir o cumprimento das leis, tirar os corruptos dos despachos ministeriais e das cadeiras do parlamento, este formoso conceito é a própria chave do conceito da Nação. 

(Escrevi este artigo há 13 anos. Nada mudou desde então)

Carolina Vasquez Araya | Colaboradora da Diálogos do Sul na Cidade da Guatemala.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

Porto-Principe-Haiti
Haiti: sem perspectiva de melhora em 2024, crise econômica bloqueia redução da pobreza
Greg-Casar
Greg Casar: deputado dos EUA quer proteção a indocumentados e fim do imperialismo
Chiquita-Brands
Condenada nos EUA, multinacional Chiquita bancou paramilitares autores de massacres na Colômbia
Palestina-mulheres
Carta de mulheres brasileiras pelo fim do genocídio em Gaza ganha repercussão internacional