Pesquisar
Pesquisar

Sob amparo do Vaticano, congregação católica lavou US$ 295 milhões em paraíso fiscal

Segundo a investigação jornalística Pandora Papers, a rede fraudulenta dos Legionários de Cristo esteve operativa entre os anos 2010 e 2011
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

Os Legionários de Cristo, a congregação ultra católica mexicana à qual pertencem desde seculares, católicos de base e militantes, está também na mira da investigação do Pandora Papers, ao figurar como responsáveis de uma rede financeira oculta a partir da qual moveram até 295 milhões de dólares para investir em negócios imobiliários, petroleiros e tecnológicos.

Segundo a investigação jornalística, a rede fraudulenta foi criada sob o amparo do Vaticano e esteve operativa entre os anos 2010 e 2011. 

O Consórcio Internacional de Jornalismo Investigativos (ICIJ), uma agrupação que congrega mais de 700 jornalistas de 600 meios de comunicação de todo o mundo, chegou à conclusão de que a congregação religiosa mexicana Os Legionários de Cristo fundada pelo ex-sacerdote Marcial Maciel, condenado anteriormente por pederastia e abuso de menores, utilizou a rede de fraude fiscal internacional das elites mundiais para lavar seus milionários lucros por seus negócios. 

Pandora Papers: Só na América Latina, US$ 40 bilhões foram desviados para paraísos fiscais

A congregação religiosa é nutrida economicamente por seus fiéis, mas sobretudo pelos numerosos negócios no setor educativo, entre eles a Universidade Anáhuac, o Colégio Cumbres e uma rede de escolas de nível médio e superior no México, Colômbia, Espanha, El Salvador, Venezuela, Argentina e Chile. 

Segundo a investigação jornalística Pandora Papers, a rede fraudulenta dos Legionários de Cristo esteve operativa entre os anos 2010 e 2011

twitter
Os Legionários de Cristo, a congregação ultra católica mexicana

A investigação jornalística revelou o que até agora era um segredo sabido, as contas não transparentes de uma congregação religiosa que há muitos anos está no centro da polêmica; primeiro por sua proximidade com o ex-Papa João Paulo II, mas sobretudo à raiz dos escândalos de pederastia, abuso de menores e fraude nos quais esteve imerso seu fundador Marcial Maciel, um sacerdote que há algum tempo teve enorme influência no clero mexicano e no poder político de então, e que tinha comunicação direta com o Vaticano. 

A investigação adverte que na última década, os Legionários de Cristo teceram uma rede de fideicomissos e empresas subsidiárias que operavam a partir de um paraíso fiscal sem deixar rastro de quem estava por trás.

Assim conta o diário El País, que participou da investigação: “Sacerdotes e empresários próximos à instituição criaram entre 2010 e 2011 um intrincado esquema que em poucos anos acumulou mais de 295 milhões de dólares em ativos com investimentos em setores como o imobiliário, o tecnológico ou o petroleiro.

Lista europeia do Pandora Papers reúne realeza, políticos, máfia e estrelas do esporte e música

Segundo a investigação, o eleito para desenvolver a trama ilegal foi o cardeal Velasio de Paolis, então responsável das finanças vaticanas e homem de confiança do papa Benedito XVI. “Devia sanear a congregação e pôr em ordem um enorme patrimônio econômico.

O processo durou dois anos e meio, e o informe final prometia a renovação da instituição. Os Papéis de Pandora revelam agora como, enquanto presumiam ter a casa limpa, montaram um esquema para absorver dinheiros através de três fideicomissos na Nova Zelândia. Um destino regular para aqueles que buscam evadir impostos sobre a riqueza”.

Segundo a investigação do ICIJ, “o fideicomisso RMCT se nutria de outros dois, estabelecidos também na Nova Zelândia com o mesmo agente e sob a mesma direção que o primeiro.

O histórico arquiteto das finanças legionárias, o sacerdote mexicano Luis Garza Medina, e dois de seus irmãos empresários abriram em 15 de novembro de 2011, Salus Trust e AlfaOmega Trust, dois fideicomissos de eram utilizados para investir em centenas de projetos em todo o mundo.

Ele faz o dólar dele: Guedes desvaloriza real e lucra R$ 50 mi em paraíso fiscal no Caribe

Nessa estrutura injetaram milhões de dólares que, segundo explicam, provinham de “uma herança familiar”. 

De acordo com as atas de criação, ambos contavam com 100 dólares de capital inicial e os fundos incorporados posteriormente consistiam em “transferências bancárias” de dinheiro em efetivo e possivelmente ações do grupo empresarial mexicano ALFA, fundado pela família de Garza Medina.

E assim foram acumulando até 295 milhões de dólares que foram utilizados para ampliar sua influência financeira e empresarial nos setores da energia no México, o petróleo e as novas tecnologias.

Armando Tejeda, correspondente de la jornada em Madri, 

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

2560px-Hotel_InterContinental_(Madrid)_01
Grupo que articula ataques a Obrador faz novo encontro da ultradireita global em Madri
netanyahu-genocidio-Palestina
Pogroms, censura, manipulação midiática: o que Ocidente esconde sobre o genocídio palestino
Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso