Pesquisar
Pesquisar

Solidariedade internacional ao povo palestino é fundamental para luta por soberania na região

Palestina é um povo em luta, e os povos que lutam por seus direitos, chegam mais cedo que tarde a conquistar sua liberdade e sua independência
Redação Diálogos do Sul
Diálogos do Sul Global
São Paulo (SP)

Tradução:

No mês de dezembro de 1977, a Assembleia Geral da ONU aprovou a declaração do dia 29 de novembro como o Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino como uma forma de recordatório às nações e povos do mundo que na Palestina existia e existe uma dívida pendente da comunidade internacional que, anos atrás, um 29 de novembro de 1947, havia resolvido a partição da Palestina em dois estados, um judeu e outro árabe-palestino, sem consulta prévia de nenhum tipo à população originária que ali habitava. 

Ou seja, foi a imposição de uma nascente ONU em mãos das potências vitoriosas da II Guerra Mundial, a um povo árabe que vivia e habitava por muitíssimas gerações nas terras da toda a Palestina histórica. Como se as culpas ocidentais pela tragédia do Holocausto padecido pela população judaica de uma Europa, arrasada a sangue e fogo pela perversidade do regime nazista, tivesse que ser paga pelo povo palestino à custa de suas vidas, seu exílio, sua expropriação e sua opressão sempiterna sob um brutal regime militar imposto por Israel que perdura até nossos dias. 

Porque basta recordar que até os anos 30, naquele território conviviam em paz cristãos, judeus e muçulmanos. Comerciando, partilhando seu dia a dia e onde ninguém perguntava a outro que religião professava para estabelecer um vínculo de amizade e cooperação. Ou seja, isto nos dá a ideia cabal de que o conflito ali carece de qualquer raiz religiosa e, pelo contrário, falamos de um conflito baseado em um projeto de caráter colonialista, no qual uma ideologia de caráter nacionalista – o sionismo – subiu às costas do judaísmo para buscar uma justificativa religiosa baseada na premissa de que aquelas terras foram dadas por Deus, nem mais nem menos, e que assim o assegura a Bíblia. Resumindo, transformaram Deus em um agente imobiliário e a Bíblia em um título de propriedade. 

E foi sob essa premissa que levaram a cabo sua política de expulsão e um processo de limpeza étnica que perdura até nossos dias, e que significou o exílio forçoso de quase 800 mil pessoas, quando ali havia em torno de 1.100.000 habitantes. Havia que conquistar a maior quantidade de terra possível com a menor quantidade de habitantes originários que pudessem. E ficaram com suas casas, com seus bens, com suas hortas, seus olivares, todos os seus pertences em uma voragem de dinamitar aldeias, fuzilamentos, massacres de aldeias completas, para que hoje nos falem que essa foi sua “guerra de independência”. 

Uma série de ataques terroristas contra a população civil praticamente inerme, sem possibilidade de resistir mediante a luta armada, salvo exceções de grupos que se opuseram à ocupação da Palestina. Guerrilhas dispersas que não podiam competir com bandos armados por países europeus, nem com o equipamento que lhe deixaram os ingleses uma vez que terminaram o mandato que tinham sobre a Palestina, e se retiraram. 

O mundo diante da permanente tentativa de “normalizar” o Apartheid na Palestina Ocupada

É longa, é uma história de 74 anos da Partição da Palestina e 54 anos da ocupação do território, manu militari, que se perpetrou com a Guerra dos Seis Dias em junho de 1967, quando o exército israelense ocupou toda a margem ocidental, inclusive Jerusalém Ocidental e a Faixa de Gaza.

Grosso modo, esta é a síntese do que levou a ONU a declarar o dia 29 de novembro como Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino, para ajudar a manter viva a consciência universal de que existe uma injustiça que continua sem solução, que existe uma comunidade internacional que havendo gerado o problema, tem se mostrado absolutamente incapaz de resolvê-lo de acordo com as pautas e normas que regem a lei internacional. 

Como contrapartida, temos a infinita solidariedade dos povos do mundo. A daqueles que se manifestam permanentemente exigindo o respeito ao direito à livre autodeterminação do povo palestino, para construir uma pátria soberana em sua própria terra, aquela que lhe é negada de maneira draconiana pela ocupação militar. 

Palestina é um povo em luta, e os povos que lutam por seus direitos, chegam mais cedo que tarde a conquistar sua liberdade e sua independência. 

Buenos Aires, novembro de 2021

Rafael Araya Masry

Presidente da COPLAC

Confederação Palestina Latino-americana e do Caribe

Deputado Membro do Conselho Nacional Palestino


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda