Pesquisar
Pesquisar
Foto: UNRWA / X

Tática de Israel para matar palestinos de fome é crime de guerra; bebês e crianças choram dia e noite

Segundo o Observador Permanente da Palestina nas Nações Unidas, Riyad Mansour, mais de meio milhão de pessoas correm risco de fome; situação é torturante
Vijay Prashad
Globetrotter
Santiago del Chile

Tradução:

Carolina Ferreira

Num discurso em Roma, Itália, a chefe do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas, Cindy McCain, declarou: “Se não aumentarmos exponencialmente o volume de ajuda que chega às zonas do norte” de Gaza, “a fome é iminente”. Mais de 30 mil pessoas foram mortas em Gaza pela guerra genocida de Israel e aqueles que sobrevivem estão à beira da fome. O Observador Permanente da Palestina nas Nações Unidas, Riyad Mansour, disse que mais de meio milhão de pessoas estão “a um passo da fome”. “O que significa para as mães e os pais ouvirem os seus bebês e crianças chorarem de fome dia e noite, sem leite, sem pão, sem nada”, acrescentou. 

Na verdade, bebês e crianças já começaram a morrer devido às condições semelhantes às da fome em Gaza. Com o Ramadã já em curso, a situação não é apenas fisicamente aguda, mas também mentalmente torturante. Atualmente, existem 2 mil profissionais de saúde fazendo o seu melhor para prestar cuidados médicos básicos no norte de Gaza.  

Leia também | Falta de água, combustível e infraestrutura condena à fome palestinos na Faixa de Gaza

Eles estão trabalhando sem acesso a nenhum hospital e muitas vezes não há eletricidade ou água, incluindo um fornecimento muito limitado de medicamentos. Agora, o Ministério da Saúde palestino em Gaza afirmou que estes trabalhadores também se encontram numa situação desesperadora. A equipe, disse o Ministério, “começará o Ramadã sem Suhoor ou Iftar”. “Os médicos vão morrer. As enfermeiras vão morrer. E o mundo testemunhará o maior número de vítimas da fome nos próximos dias”, disse Ashraf al-Qudra, porta-voz do Ministério.

Crime de guerra

Em junho de 1977, numa conferência sobre direito humanitário em conflitos armados, os Estados Membros das Nações Unidas expandiram as Convenções de Genebra (1949) para adicionar o Protocolo II. O Artigo 14 deste protocolo diz que “[o] cerco a civis como método de combate é proibido”.  A potência beligerante está “proibida de atacar, destruir, remover ou inutilizar” qualquer “objeto essencial à sobrevivência da população civil, tais como alimentos, áreas agrícolas para produção de alimentos, culturas, pecuária, instalações e reservas de água potável e obras de irrigação”.  

Duas décadas mais tarde, quando os Estados-membros da ONU redigiram o Estatuto de Roma (1998), acrescentaram uma seção sobre a fome sob o título de crimes de guerra (artigo 8.º); “utilizar intencionalmente a fome da população civil como método de guerra, privando-a de bens essenciais à sua sobrevivência, incluindo a obstrução deliberada de fornecimentos de socorro” é um crime de guerra. O Estatuto de Roma é o tratado que criou o Tribunal Penal Internacional (TPI), que até agora permaneceu em silêncio sobre as suas obrigações de agir ao abrigo do seu próprio documento fundador.  

Leia também | Massacre da farinha: como mídia imperial tentou justificar carnificina de famintos em Gaza

No dia 29 de fevereiro, caminhões com ajuda humanitária chegaram ao norte de Gaza. Enquanto pessoas desesperadas corriam em direção a esses caminhões, os soldados israelenses dispararam contra eles, matando pelo menos 118 civis desarmados. Isso agora é conhecido como Massacre da Farinha. Após o massacre, 10 especialistas da ONU emitiram uma declaração contundente afirmando: “Israel tem intencionalmente feito passar fome o povo palestino de Gaza desde 8 de outubro. “Agora está a atacar civis que procuram ajuda humanitária e comboios humanitários.” O relator especial da ONU para a alimentação, Michael Fakhri, que assinou essa declaração, mais tarde expandiu esta acusação contra Israel. “Israel”, disse ele.

Palavras intencionalmente diretas

Ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, “empreendeu uma campanha de fome contra o povo palestino em Gaza”. Estas declarações são muito diretas. Palavras como “intencionalmente” e frases como “campanha de fome” acusam diretamente Israel de crimes de guerra com base no Protocolo II e no Estatuto de Roma.

Fakhri concentrou-se na indústria pesqueira de Gaza, que proporcionou segurança alimentar significativa aos 2,3 milhões de palestinos que ali viviam. “As forças israelenses”, disse ele, “dizimaram o porto de Gaza, destruindo todos os barcos e barracos de pesca. Em Rafah, restam apenas dois dos 40 navios. Em Khan Younis, Israel destruiu aproximadamente 75 barcos de pesca artesanal.” Esta destruição, disse Fakhri, empurrou Gaza “para a fome e a inanição”. “Na verdade”, acrescentou, “Israel tem estrangulado Gaza há 17 anos através de um bloqueio que inclui a negação e restrição do acesso dos pescadores artesanais às suas águas territoriais”.  

Leia também | Rosemberg Cariry: Massacre em Gaza nos faz refletir sobre a própria condição humana

Na Assembleia Geral da ONU, o palestino Riyad Mansour afirmou que Israel bombardeou “todas as padarias e quintas, destruindo o gado e todos os meios de produção de alimentos”. No primeiro mês de bombardeio, Israel bombardeou as principais padarias da Cidade de Gaza

Em novembro de 2023, Abdelnasser al-Jarmi, da Associação de Proprietários de Padarias da Faixa de Gaza, afirmou que as padarias não conseguiram funcionar devido à falta de combustível e farinha. Como resultado da falta de pão, as famílias começaram a colher uma erva chamada khubaiza (ou Malva parviflora) e a fervê-la como refeição principal. “Estamos ansiosos por um pedaço de pão”, disse Fatima Shaheen enquanto preparava uma refeição para os seus dois filhos e os filhos deles no norte de Gaza.  

Passagens

Israel recusou-se a abrir totalmente as passagens fronteiriças de Gaza em Beit Hanoun e Karem Abu Salem, bem como a permitir a abertura total da passagem fronteiriça de Rafah, que liga Gaza ao Egito. Dado que estas passagens terrestres estão fechadas e que Israel destruiu o Aeroporto Internacional Yasser Arafat em 2001, não existem soluções fáceis para levar ajuda alimentar a Gaza.  

Entregar alimentos e mantimentos por via aérea não é suficiente; na verdade, é uma gota no oceano (que foi onde chegaram alguns dos pacotes de ajuda).
Agora fala-se em construir corredores marítimos, mas desde que Israel bombardeou o porto de Gaza não é uma opção fácil. É ridículo que os Estados Unidos tenham afirmado que iriam construir uma doca temporária ao largo da costa da metade sul de Gaza. Seria muito mais fácil abrir a passagem fronteiriça de Rafah para permitir a entrada de pelo menos 500 caminhões por dia em Gaza. Mas Israel não permitirá esta opção.

Leia também | Cannabrava | Genocídio em Gaza

O direito internacional é claro como o dia sobre a questão da fome ser considerada um crime de guerra. Não há lacunas no Protocolo II (1977) ou no
Estatuto de Roma (1998). Os amigos de Gaza estão a achar este mês do Ramadã mais difícil do que qualquer outro anterior. A fome é o seu estado geral. Mas, ao contrário de outros Ramadãs, não há comida de manhã cedo (Suhoor) ou à noite (Iftar). Existe apenas o ruído perene dos aviões de combate israelenses, refletido nos gemidos famintos dos seus estômagos.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Vijay Prashad

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes