Pesquisar
Pesquisar

Testemunha presa nos EUA depõe contra García Luna para ter pena reduzida, afirma defesa

Édgar Veytia, ex-encarregado de segurança pública em Tepic, México, participou do novo dia de audiências do ex-secretário de Segurança Pública mexicano
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Confessando uma vida de enganos, corrupção, tortura, sequestros e assassinatos sob suas ordens, o promotor de Nayarit, ex-encarregado de segurança pública em Tepic Édgar Veytia declarou que seu então governador regressou de uma reunião onde presumidamente o presidente Felipe Calderón e seu secretário de Segurança Pública Genaro García Luna haviam dito que “a linha era El Chapo” – ou seja, as instruções eram apoiar essa fração do cartel de Sinaloa – mas os promotores não ofereceram corroboração do que disse sua testemunha cooperante. 

Os advogados defensores de García Luna, em sua contra interrogatória, não só ressaltaram a vida profissional de engano, violência e atos corruptos de Veytia, mas também o fato de que não estava presente quando supostamente o presidente e o então secretário de Segurança Pública deram essas instruções.

García Luna foi chave no crescimento do cartel de Sinaloa, aponta testemunha em julgamento

Ainda mais, assinalaram que Veytia jamais mencionou o nome de García Luna em múltiplos interrogatórios de promotores estadunidenses até agora e que participar neste julgamento representa uma oportunidade para reduzir sua própria sentença. 

No nono dia de audiências com testemunhas e apresentação de evidências no julgamento federal de García Luna, a vigésima testemunha, Veytia, chegou escoltado por policiais em um uniforme bege de réus para se declarar contra García Luna.

De maneira ensaiada, e em inglês, se identificou como ex-promotor de Nayarit e ex-chefe de segurança de Tepic quem ajudou os Beltrán Leyva, e como aceitou pagamentos de 2 milhões de pesos mensais deles acumulando mais de um milhão de dólares durante seu tempo como funcionário público trabalhando com Roberto Sandoval Castañeda, primeiro prefeito de Tepic e depois governador de Nayarit.

Foi em 2011 quando Veytia era secretário de segurança pública de Tepic (e Sandoval era o prefeito que o então governador Ney González lhe contou que havia regressado de uma reunião sobre segurança na cidade do México com o presidente Felipe Calderón e García Luna e que aí lhe disseram que “a linha era Chapo”. 

Perguntado o que significava isso, respondeu que era “proteger aos de El Chapo e já não aos Beltrán Leyva” e que não inquiriu mais parque “a um governador não se pede explicações”.

Édgar Veytia, ex-encarregado de segurança pública em Tepic, México, participou do  novo dia de audiências do ex-secretário de Segurança Pública mexicano

El Siglo de Torreón
Édgar Veytia “nunca, nem um só vez mencionou a nome de Genaro García Luna” em outros depoimentos, afirma a defesa




Longo interrogatório

Durante seu extenso e enredado interrogatório guiado pela promotora Saritha Komatireddy, Veytia contou de uma de várias reuniões com representantes onde “lhe deixaram saber” que Arturo Beltrán Leyva “pagará todos os gastos” para a campanha a governador de Sandoval, “o qual nos pôs do lado dos Beltrán Leyva”. Perguntado se há evidência desse acordo: “os acordos com os narcotraficantes não se fazem por escrito”. E assim foi, até que morreu Arturo Beltrán Leyva.

No entanto, o acordo de “não deter… não molestar” permaneceu vigente em 2010 quando o irmão de Arturo, Héctor Beltrán Leyva, se encarregou do cartel agora conhecido como o H2. Pouco depois, em 2011, Sandoval ganhou o governo com dinheiro dos Beltrán Leyva, segundo Veytia que foi nomeado subprocurador do Estado. 

Narcotráfico não funciona sem o governo, diz testemunha em julgamento de García Luna

Contou que, em duas ocasiões , representantes de El Chapo e El Mayo Zambada do cartel de Sinaloa, se aproximaram para expressar seus desejos de “comprar o estado ou a praça” e que na primeira lhe ofereceram 10 milhões de dólares.

Na segunda ocasião, lhe ofereceram 5 milhões e tinham com eles um milhão em efetivo para “fechar o trato”, mas que não aceitou. Aí, “de maneiro muito enérgica” ameaçaram que eles podiam remover de seus postos aqueles que se opunham e que já tinha controle no nível federal, explicando que tinham pago 5 milhões a García Luna, e mencionaram outro pagamento de 3 milhões. 

Em outra ocasião, se referiu que viajou com o governador Sandoval e outros ao México aos escritórios gerais da Secretaria de Segurança Pública, onde seu chefe teve uma reunião com García Luna enquanto Veytia foi percorrer o complexo de inteligência da Polícia conhecido como “o bunker” com o subalterno de García Luna, Luis Cárdenas Palomino. Aí Cárdenas Palomino se aproximou e “me disse que estávamos fazendo mal as coisas… e que deveríamos estar do lado de El Chapo”.

O advogado defensor, Florian Miedel, enfocou a trajetória delitiva e enganosa da testemunha, sua espantosa recitação de “se” a perguntas sobre se havia assassinado, torturado, sequestrado, aceitado subornos, e mais.

García Luna é acusado de suborno milionário a jornal para rebater notícias sobre narcotráfico

Mas em seu contra interrogatório ressaltou sobretudo que depois de colaborar com o governo estadunidense, desde sua prisão em março de 2017, em reuniões com promotores em pelo menos 11 ocasiões de um total de mais de 150 horas entre 2017-2018, onde falou de corrupção de funcionários, incluindo em ex-secretário de Defesa, “nunca, nem um só vez mencionou a nome de Genaro García Luna”.

Mais ainda, foi só depois que Veytia ficou sabendo da prisão de García Luna, em 2019, que forneceu informações a promotores sobre o que supostamente sabia do acusado, isso em troca de uma possível reavaliação de sua condenação de 20 anos de prisão se colaborasse neste julgamento.


Ex-embaixador

No início desta sessão, concluiu o interrogatório do ex-embaixador estadunidense no México, Earl Anthony Wayne, que perguntado pela defesa se alguém lhe havia reportado sobre corrupção e subornos por cartéis de droga ao acusado, respondeu que não. Mas em resposta a uma última pergunta da promotoria, Wayne declarou que sua equipe havia concluído que algumas instituições do governo mexicano “não eram efetivas contra o narcotráfico e que a Polícia Federal não era a “favorita” para perseguir Leyva e o cartel de Sinalou.

Outra testemunha foi o agente do FBI, José Moreno, que ofereceu um relatório da fracassada operação para capturar El Chapo em Los Cabos em 2012, igual que fez esta mesma testemunha e sala no julgamento de Joaquín Guzmán Loera. Agora como então, sublinhou que a operação fracassou em parte porque os 64 agentes da polícia federal não se apresentaram no encontro que se havia acordado para lançar a missão nesse dia e, portanto, El Chapo conseguiu escapar.

Ao final, a promotoria convocou uma oficial de migração especializada em fraude para repassar a solicitação de naturalização submetida por García Luna em 2018, pela qual enfrenta uma das cinco acusações neste julgamento; declaração falsa a autoridades federais. No documento, García Luna afirmou que não havia cometido nenhum delito maior durante sua vida. 

A oficial disse que o filtro para o processo de naturalização incluiu certos requisitos para conseguir “o privilégio” da cidadania estadunidense, inclusive demonstrar “um bom caráter moral”. 

David Brooks | Correspondente de La Jornada em Nova York.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação