Pesquisar
Pesquisar

Vanessa Martina, editora da Diálogos do Sul, fala à Sputnik sobre Referendo de Lugansk

Jornalista foi convidada pelo Governo da Rússia, como observadora internacional, para acompanhar processo de votação das repúblicas do Donbass
Ana Livia Esteves
Sputnik Brasil
Sharti

Tradução:

A convite do governo da Rússia, as jornalistas Gabriela Beraldo e Vanessa Martina da Silva (editora da revista Diálogos do Sul) estão acompanhando o referendo sobre a adesão à Rússia, que começou em 23 de setembro, na República Popular de Lugansk (RPL).

Em conversa com a repórter da Sputnik Brasil, elas falaram sobre o trabalho como observadoras internacionais (são mais de 200 repórteres e editores de diferentes países) ao lado de jornalistas dos Países Baixos, Estônia e do Egito, assim como a lisura do pleito, o nazismo na Ucrânia, e a importância da autodeterminação dos povos.

Assista na TV Diálogos do Sul

“São duzentos observadores, de vários lugares do mundo, e é importante que a gente pode, como estamos fazendo agora pra você, contar o que a gente tá vendo. Porque são visões que não tem repercussão na mídia internacional. Todas as agências repercutem a mesma versão”, disse Vanessa Martina da Silva durante a entrevista.

As jornalistas brasileiras disseram que haviam acompanhado de perto o centro de votação e conversado com as pessoas e os mesários. Elas também explicaram que, como outros observadores internacionais, elas fazem parte de grupo de repórteres que visitam um número específico de lugares onde estão ocorrendo as votações.

“Temos que checar se as pessoas estão sendo coagidas a votar, se o voto é secreto, se as pessoas estão participando dos ritos burocráticos”, afirmou Vanessa Martina da Silva.

Ela apontou que esse trabalho é uma forma de atestar que este não é um referendo falso, “como a comunidade internacional tem sustentado”. Ela relatou que as pessoas estão muito animadas para votar, e felizes, e mostrando isso, “então quando a comunidade internacional diz que esse é um referendo falso, ou que as pessoas estão sendo coagidas a votar, não é nada disso que a gente está vendo”.

Lavrov: Rússia vai além de Donetsk e Lugansk se Otan mantiver envio de mísseis à Ucrânia

A editora também destacou o rigor das autoridades responsáveis pelo pleito, e disse que as pessoas estão sofrendo após oito anos de conflitos e opressão na região.

“Eles são vítimas do neonazismo ucraniano, e a comunidade internacional rebate esses argumentos, mas nunca vieram aqui para atestar, para ver quais são as vítimas, civis ou militares, ninguém nunca perguntou. Isso é uma questão muito complicada o que está acontecendo aqui”, disse Vanessa Martina da Silva.

Jornalista foi convidada pelo Governo da Rússia, como observadora internacional, para acompanhar processo de votação das repúblicas do Donbass

Captura de tela – Sputnik
Segundo Vanessa Martina, impedir que em algumas regiões as pessoas possam votar é um desrespeito da Ucrânia ao Direito Internacional




Gabriela Beraldo

Gabriela Beraldo relatou que entende este referendo é, sobretudo, uma forma de resolver uma antiga demanda da região, que vive “um conflito que existe há oito anos, e agora tem uma oportunidade de resolvê-lo”. Segundo ela, “é preciso colocar essa parte no debate internacional sobre o conflito ucraniano“.

“Nosso trabalho aqui é visitar, entender as versões, conversar com as pessoas, descobrir as informações, esse lado da história e fazer o trabalho de vir aqui e falar, houve um referendo, ele tinha uma base popular, porque foi isso o que a gente observou durante esses dois dias”, afirmou Gabriela Beraldo.

Ambas as jornalistas defenderam o respeito à soberania dos povos e à autodeterminação, enfatizando, como disse Gabriela Beraldo, “que está é uma forma política de se expressar”. Elas apontaram que, como observadoras internacionais, não registraram qualquer constrangimento por parte das autoridades para que população vá às urnas, e ainda lembraram que o comparecimento ao pleito é voluntário.

Conforme relatou Vanessa Martina da Silva, “essa autodeterminação, essa vontade das pessoas se expressarem, elas podem dizer não, elas podem dizer que não querem ser parte da Rússia. Ou pode ter uma enorme abstenção, que dependendo poderia significar algo. Mas impedir esse processo, que é o que a Ucrânia está fazendo, impedindo que em determinadas regiões as pessoas possam votar, então isso é um desrespeito ao Direito Internacional”.

Ana Lívia Esteves, Sputnik Brasil


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Ana Livia Esteves

LEIA tAMBÉM

4 - Iryna Borovets 2
Vice-chanceler da Ucrânia diz que país deseja paz, mas insiste em adesão à Otan
emmanuel-macron-olaf-scholz (2)
Apoio inconsequente de Macron e Sholz à Ucrânia foi crucial ao avanço da extrema-direita na UE
Europa
Cabe ao Parlamento Europeu uma frente ampla para frear a extrema-direita
Putin - Fórum de São Petersburgo
Fórum de São Petersburgo: 3 sinais sobre a iminência da era multipolar