Pesquisar
Pesquisar

Vanessa Martina-Silva: Cenário na Argentina é incerto, mas Massa pode vencer 1º turno

Jornalista está no país para cobrir eleições e, em entrevista à TV Fórum , sobre as expectativas para este domingo (22)
Sonia Maria
Diálogos do Sul Global
São Paulo (SP)

Tradução:

“É um cenário de incerteza, muitos desdobramentos possíveis, mas o que é certo é que será muito difícil para qualquer candidato, inclusive o vencedor, governar o país efetivamente. É um cenário muito fragmentado”, afirma Vanessa Martina-Silva, jornalista da ComunicaSul, sobre as eleições na Argentina.

Ela está no país vizinho para cobrir a disputa e nesta quinta-feira (19) participou de um debate na TV Fórum para falar sobre as expectativas do primeiro turno, que acontece neste domingo (22).

Continua após o banner

“Vale a pena destacar que na Argentina há uma politização e uma mobilização muito grande”, explica Martina-Silva. Por isso, apesar do susto nas prévias, em agosto, o progressismo retomou o engajamento para fazer Massa crescer.

Uma das táticas de seu partido, o União Pela Pátria, é conscientizar a população sobre os impactos do voto nulo, pedindo que, caso não gostem de nenhum candidato, que não vá às urnas.

Leia também: Argentina vive disputa ideológica entre fascismo e direitos conquistados, diz deputada

Segundo Martina-Silva, há real possibilidade de que as articulações deem resultado e Massa vença as eleições: “Pode haver um fenômeno, e vai ser muito importante para a esquerda no segundo turno se isso acontecer”, diz.

Continua após a imagem

Jornalista está no país para cobrir eleições e, em entrevista à TV Fórum , sobre as expectativas para este domingo (22)

Imagem: Captura de Tela/TV Fórum
“Se tirarmos toda a excentricidade do Milei, o discurso é o mesmo", diz Vanessa Martina-Silva sobre Milei e Bullrich

Questionada sobre o que esperar do segundo turno, a jornalista explica que numa eventual contenda entre Massa e Milei, é mais provável que os votos de Bullrich vão para o candidato fascista:

“Se tirarmos toda a excentricidade do Milei, todos os absurdos e falas de extrema-direita, o discurso é quase o mesmo”, observa. “O eleitor não vai ver muita diferença”, acrescenta.

Leia também: Felipe Bianchi: Como no Brasil, mídia argentina abraça fascismo para barrar progressismo

Vanessa Martina-Silva pontua ainda recentes polêmicas da campanha Milei, como ameaças de romper a relação da Argentina com o Vaticano e declarações, do próprio candidato, de que o transporte por trem do país era melhor quando administrado pelos ingleses:

“Aqui existe um ódio em relação aos ingleses porque eles roubaram parte do território argentino, que são as Malvinas”, detalha Vanessa. Por isso, a fala do candidato pegou muito mal: “Isso fere o sentido patriótico, a identidade do argentino”, assinala.

Na entrevista completa com Vanessa Martina-Silva, você confere mais detalhes sobre a disputa. Confira:

E para saber mais sobre a disputa eleitoral no país, confira nossa editoria especial: Eleições na Argentina.

Sonia Maria e Guilherme Ribeiro | Diálogos do Sul


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Sonia Maria

LEIA tAMBÉM

Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Milei
Javier Milei acusa FMI de sabotagem e enfrenta divisões internas no governo
FOTO ADRIAN PEREZ     evo morales
Evo Morales denuncia "autogolpe" de Arce e mantém ambições políticas na Bolívia
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela