Pesquisar
Pesquisar

Viagem de regresso: EUA se agarram ao mito de Rússia vilã contra o "mundo livre"

Moscou retomou papel como os maus do filme, Washington como guardião mundial da democracia, tudo como nos velhos tempos
David Brooks
Diálogos do Sul Global

Tradução:

Joe Biden prometeu que a “América está de regresso” e há que reconhecer promessas cumpridas, os Estados Unidos estão de regresso, de regresso e regressando.

Primeira escala de uma viagem de regresso, repleta de nostalgia: o retorno à guerra fria. Os russos retomaram seu papel como os maus do filme, Washington está de regresso como guardião mundial de democracia, tudo como nos velhos tempos. Ah, e ao mesmo tempo, também regressou isso que se fazia nesse bons tempos: as mudanças de regime.

Em seu discurso na Polônia, elaborado para ser proclamado “histórico” de imediato, comparado ao de JFK em Berlim e o de Reagan sobre o muro (os grandes discursos da grande guerra fria), Biden culminou com a frase e, referindo-se a Putin: “este homem não pode permanecer no poder”. A Casa Branca difundiu o discurso com o grandioso e nostálgico título de “Esforços Unidos do mundo livre em apoio ao povo da Ucrânia”.  

Moscou retomou papel como os maus do filme, Washington como guardião mundial da democracia, tudo como nos velhos tempos

Wikimedia
Políticos como Biden não aceitam responsabilidade por seus bem documentados crimes de guerra

Pouco depois, altos funcionários da Casa Branca esclareceram aos meios, sem humor, que o presidente não estava propondo “uma mudança de regime” quando disse que Putin “não podia permanecer no poder”. Parece que ainda não têm uma frase nova para diferenciar o que disse o estadunidense depois que Washington acusou o russo de ter esse mesmo objetivo na Ucrânia. Mas os Estados Unidos estão de regresso com uma prática que têm usado há mais de um século, embora isso sim, sempre “em nome da democracia”. 

Políticos como Biden, aqueles que não aceitam responsabilidade para nossos bem documentados crimes de guerra, pulem suas credenciais morais ao demonizar seus adversários. Sabem que as possibilidades de que Putin enfrente a justiça é igual a zero. 

E sabem que as possibilidades de que eles mesmos enfrentem a justiça é igual a zero”, afirma o jornalista e autor Chris Hedges em Scheerpost.com. Os estadunidenses nunca tiveram que prestar contas inclusive nos casos em que foram acusados por “guerras de agressão criminosas” sob as leis pós Nuremberg a mesmíssima acusação que eles agora fazem contra a Rússia. 

Hedges explica que “nossos crimes de guerra não contam, e tampouco contam as vítimas de nossos crimes de guerra. E esta hipocrisia faz com que um mundo baseado em regras, que cumpra com o direito internacional, seja impossível”. 

O falecimento de Madeleine Albright, a primeira mulher chanceler dos Estados Unidos, na semana passada, também provocou elogios nostálgicos dos Estados Unidos e sua missão sagrada como “líder do mundo livre”. Quase ninguém nos circuitos oficiais recordou que ela justificou oficialmente, em entrevista a CBS News, em 1966, as mortes de meio milhão de crianças por causa das sanções estadunidenses contra o Iraque, ao declarar que “o custo valia a pena” (embora tenha depois insistido que foi uma declaração “estúpida”).

Tampouco se recordou que durante a presidência de Clinton, em 1999, Albright foi a principal “falcão” na guerra da OTAN encabeçada pelos Estados Unidos contra a Sérvia – sem autorização da ONU – na qual bombardearam zonas civis inteiras em Belgrado e outros lugares durante 78 dias. 

Poucos anos depois, o então senador Biden votaria a favor da invasão do Iraque impulsionada por George W. Bush, outra guerra não autorizada pelo ONU, não provocada. Ou seja, muito do mesmo do que agora se acusa a Moscou.

Mas para grande parte da cúpula política, este regresso a tempos tipo guerra fria é bem-vindo. Podem desempoeirar a retórica velha já bem ensaiada, incluindo alertas sobre a ameaça nuclear apresentada pelos inimigos do “mundo livre”.  

Há um pequeno problema: os russos já não são “comunistas” ou “marxistas”, então têm que eliminar esses termos da narrativa oficial, mas aparentemente não todos neste país se deram conta: como protesto contra a invasão russa da Ucrânia, a Universidade da Florida removeu o nome de Karl Marx de uma de suas salas de estudos. Aparentemente ninguém lhe informou que Marx era alemão, não russo. 

Os Estados Unidos regressaram… ou retrocederam?

The Beatles – Back in the USSR


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Serguei-Lavrov
O Brics e a maioria global estão dispostos a dialogar com o Ocidente, afirma Lavrov
Armenia_Otan_UE_Rússia
UE e Otan seduzem Armênia exclusivamente de olho em recursos, alerta Rússia
01c91d77-420a-4c95-a57a-54b9ef4c5f24
Armênia-Azerbaijão: fim de Nagorno-Karabakh não é solução para tensões no Sul do Cáucaso
51576a7e-8747-4410-9309-85428dfe90f6
Em 4 pontos, entenda por que nova declaração da OTAN é uma ameaça direta à humanidade