Pesquisar
Pesquisar

Vinho e trabalho escravo: no Sul do Brasil, um retrato do capitalismo "moderno e avançado"

Vinícolas Aurora, Salton e Garibaldi foram as usuárias finais da exploração desumana de mão-de-obra para colheita e descarregamento de uvas
Priscila Lobregatte
Portal Vermelho
Brasília (DF)

Tradução:

O mais recente flagrante de uso de trabalho análogo à escravidão, desta vez ocorrido na Serra Gaúcha, mostra o quanto o capitalismo em geral, e o brasileiro em particular, se utiliza de práticas abomináveis e arcaicas para auferir lucro ao mesmo tempo em que, cinicamente, tenta se vender como moderno e avançado.

Ao todo, 206 homens foram resgatados de condições degradantes de trabalho e de vida durante operação realizada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) em conjunto com o Ministério do Trabalho e Emprego e a Polícia Federal (PF) na última quarta-feira (22), na cidade de Bento Gonçalves (RS). 

Assista na TV Diálogos do Sul

A vinícolas Aurora, Salton e Cooperativa Garibaldi — que figuram entre as mais importantes do país e são reverenciadas pela mídia e a elite locais como exemplos de empresas gaúchas bem-sucedidas — foram as usuárias finais da mão de obra explorada de forma desumana para a colheita e descarregamento das uvas.

Em 2022, a Aurora faturou R$ 756 milhões, R$ 10 milhões a mais do que no ano anterior, valor atingido após o quarto ano consecutivo de recorde, de acordo com o jornal O Pioneiro, de Caxias do Sul. A Salton também se superou, obtendo faturamento de R$ 500 milhões em 2022, segundo a Forbes, assim como a Cooperativa Garibaldi, que faturou R$ 265 milhões no ano passado, informação publicada pela Isto É Dinheiro

Empresa condenada por crime ambiental e trabalho escravo é “sustentável” para bolsa

Os trabalhadores que forneciam sua mão de obra a essas empresas altamente lucrativas relataram que além dos atrasos nos salários e das jornadas extenuantes — que chagavam a ir das 4h às 21h —, ainda eram obrigados a comer alimentos estragados; alguns contaram terem sido vítimas de ameaças e torturas, incluindo o uso de choques elétricos e spray de pimenta

Além disso, os trabalhadores foram coagidos a permanecer no local, em alojamentos precários, sob pena de pagamento de multa por quebra do contrato, e eram obrigados a comprar itens básicos a preços muito acima do mercado. Eles também contaram que foram prometidos salário de R$ 4 mil mensais e boas condições de serviço, o que passou longe de acontecer. 

“O nível de agressão física contra os trabalhadores foi o que chamou mais a atenção”, disse Henrique Mandagará, coordenador do projeto de combate ao trabalho escravo da Superintendência Regional do Trabalho do Rio Grande do Sul

O sofrimento do grupo só chegou ao fim após três deles terem fugido e procurado policiais na cidade vizinha de Caxias do Sul. Após a operação, 194 voltaram para a Bahia e os demais permaneceram no estado. Pedro Augusto Oliveira de Santana, responsável pela empresa Fênix Serviços de Apoio Administrativo, que contratava os trabalhadores e os terceirizava para as vinícolas, foi preso e liberado após pagamento de fiança. 

Vinícolas Aurora, Salton e Garibaldi foram as usuárias finais da exploração desumana de mão-de-obra para colheita e descarregamento de uvas

Foto: Polícia Federal-RS/Divulgação
“Esse tipo de prática lamentável e criminosa se intensificou após a reforma trabalhista", afirma Guiomar Vidor, presidente da CTB-RS




“Vinho tinto de sangue”

O caso repercutiu pelas redes e não tardou para que trecho da música “Cálice”, de Chico Buarque, passasse a ser usado para demonstrar indignação e rechaçar as vinícolas. Charges e postagens faziam referência ao “vinho tinto de sangue” resultante da exploração do trabalho análogo ao escravo e pediam boicote às marcas. 

Logo após a operação, as três vinícolas emitiram as notas de praxe dizendo que não compactuam com as práticas e que não tinham conhecimento de como os trabalhadores eram tratados.

Assista na TV Diálogos do Sul

No entanto, para o Ministério Público do Trabalho, há, por parte das vinícolas contratantes, a chamada responsabilidade solidária no que diz respeito às condições oferecidas aos trabalhadores. 

“Com relação às empresas tomadoras, é preciso garantir reparação coletiva e medidas de prevenção, já foram instaurados procedimentos investigativos contra as três vinícolas já identificadas”, afirmou a procuradora do Ministério Público do Trabalho (MPT), Ana Lucia Stumpf González. 

O MPT poderá responsabilizar as vinícolas pela contratação da mão de obra em situação análoga à escravidão; como parte do processo, audiências serão realizadas ao longo desta semana. Até agora, o valor total estimado das verbas rescisórias a serem pagas supera R$ 1 milhão. 

De acordo com o MTE, o problema do trabalho escravo é recorrente durante a época da colheita. Já foram feitas operações do mesmo tipo, neste ano, em Nova Roma do Sul, Caxias do Sul, Flores da Cunha e também em Bento Gonçalves. Dois locais que serviam como alojamentos foram interditados por apresentarem problemas de segurança em instalações elétricas, superlotação e questões de higiene.

“Esse tipo de prática lamentável e criminosa se intensificou após a reforma trabalhista. Para muitos empresários, agora não há mais Lei, acham que está tudo liberado e podem explorar os trabalhadores e trabalhadoras desta forma, como se fossem seus escravos. Mas, a escravidão já acabou no Brasil”, disse o presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil no RS, Guiomar Vidor. A CTB-RS cobrou punição e respostas por parte das autoridades. 

Com 95 novos “empregadores”, lista de trabalho escravo expõe urgência da questão no Brasil

Em entrevista à Rádio Gaúcha (RS) nesta segunda-feira (27), o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, destacou: “Queremos que todos produzam, que as atividades econômicas se desenvolvam, que as empresas cresçam, que gerem oportunidades de trabalho, porém, que isso se dê nos termos da lei. E evidentemente o trabalho degradante e precário acaba incorrendo inclusive na capitulação prevista no Código Penal. Além de ser uma infração trabalhista, pode configurar um crime. Por isso, essa mensagem é importante inclusive para que outros empregadores, empreendedores, empresários, estejam atentos quanto à observância da lei”. 

Já o ministro dos Direitos Humanos e Cidadania, Silvio Almeida, informou ter solicitado a convocação de uma reunião da Comissão Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo (Conatrae) para que sejam articuladas as ações para apuração nas esferas criminal e trabalhista, bem como o apoio aos resgatados. 

A bancada negra de deputados estaduais do Rio Grande do Sul — formada por Bruna Rodrigues (PCdoB), Laura Sitto (PT) e Matheus Gomes (PSol) —protocolou, no final da semana, a criação da Frente Parlamentar contra o Trabalho Análogo à Escravidão e pelo Trabalho Digno.

“Esse será um instrumento no qual poderemos apontar políticas públicas de combate à situações como as que vieram à tona na Serra Gaúcha, fiscalizar e coibir o trabalho análogo à escravidão no RS”, disse Bruna Rodrigues, pelas redes sociais.

Priscila Lobregatte | Portal Vermelho


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Priscila Lobregatte

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda