Pesquisar
Pesquisar

Violência por conflitos de terra escala no Chile e indígena é morto em emboscada a ônibus

Fatos provocaram severos questionamentos à eficácia do “estado de exceção limitado” ativado pelo presidente Gabriel Boric na região
Aldo Anfossi
La Jornada
Santiago

Tradução:

A crise de segurança, de ausência do Estado e de crescente violência e insurgência na “macrozona sul” do Chile – o Wallmapu, ou território ancestral dos mapuche -, registrou nesta terça-feira outro evento grave, quando desconhecidos emboscaram e atacaram a tiros um micro ônibus que transportava uns 30 trabalhadores florestais, todos dessa etnia originária, causando a morte de um deles. 

Juan Segundo Catril Neculqueo, de 66 anos, faleceu na tarde de terça-feira no hospital de Temuco, 680 quilômetros ao sul de Santiago e capital da Região da Araucanía, por causa de tiro recebido na cabeça; outros dois trabalhadores foram feridos e estavam fora de perigo. 

Assista na TV Diálogos do Sul

A emboscada ocorreu em uma estrada vicinal que une as localidades de Lumaco e Tirúa, no limite entre as regiões do Biobío e da Araucanía, quando os operários se dirigiam a um prédio da Florestal Mininco, para reflorestar espécies nativas. As imagens de televisão mostram o veículo com inúmeros impactos de escopeta em sua carroceria e também vidros destruídos. 

A Coordenadora Arauco Malleco (CAM), uma das organizações de resistência territorial mapuche que opera nessa zona, rapidamente negou qualquer responsabilidade no sucedido. 

“A CAM se desliga categoricamente do ataque realizado contra trabalhadores ocorrido nos arredores da (localidade de) Capitán Pastene. A CAM realiza sabotagens a fainas florestais, maquinários e insumos do grande capital. A CAM não ataca trabalhadores e muito menos os mapuche”, disse em redes sociais. 

Fatos provocaram severos questionamentos à eficácia do “estado de exceção limitado” ativado pelo presidente Gabriel Boric na região

La Tercera
Juan Segundo Catril Neculqueo, de 66 anos, faleceu na tarde de terça-feira no hospital de Temuco, 680 quilômetros ao sul de Santiago e capit

Nenhuma organização se atribuiu o ataque

Os fatos provocaram severos questionamentos à eficácia do “estado de exceção limitado” na macrozona, que foi ativado pelo presidente Gabriel Boric na semana passada e que se traduz na mobilização de tropas militares para a custódia das estradas e garantir o livre trânsito de pessoas e mercadorias.

O governo recebeu severos reproches particularmente de setores ultradireitistas que exigiram que fosse ditado “estado de sitio”, ou seja, a suspensão de garantias constitucionais, e que o exército ocupasse todo o território em conflito e com amplas faculdades para operar.

Chile: Violência agrava e pode ser usada para enfraquecer Boric e barrar nova Constituição

O presidente Boric, em uma mensagem publicada nas suas redes sociais, disse que “novamente a violência cobrou uma vítima”. Eu o disse nesta manhã e o reafirmo agora; não vamos tolerar que a violência se imponha como método de resolução de conflitos, nem que esse seja o rumo do país. Minha solidariedade e pesar à família de Juan Segundo Catril Neculqueo”.

A ministra do Interior, Izkia Siches, expressou “nossa absoluto rechaço aos atos de violência que temos presenciado em Arauco”, agregando que “solicitei ao nosso delegado presencial que apresente as acusações correspondentes, assim como também acompanhar a família deste homem trabalhador, que novamente é uma vítima a mais da violência que impera em nosso sul”. 

Siches – que logo depois de assumir seu cargo em março, experimentou ser repelida com disparos ao ar quando tentou ingressar sem coordenação prévia na comunidade indígena de Temucuicui -, insistiu que “nosso governo está empenhado em abordar os problemas a fundo” – as demandas de restituição de terras e de autonomia pelos mapuche -, mas que “também se encarrega da aresta de segurança”. 

Em outro setor da macrozona, na comuna de Arauco, várias dezenas de habitantes mapuche forçaram um contingente de Carabineiros, que estava a cargo da proteção de uma fazenda florestal, a abandonar o lugar após ser advertido que se não o fizessem deveriam “ater-se às consequências”. 

Chile: Para superar onda de conflitos, Boric anuncia reparação histórica a povos indígenas

A polícia solicitou à promotoria, para manter o resguardo, à disposição de dependências “blindadas”, com as quais não contam nesse momento, após o que se suspendeu a ordem judicial de dar proteção ao Fundo Quidico.

No Wallmapu, de uns 72 mil quilômetros quadrados de extensão, ocorre de maneira crescente há 20 anos um movimento indigenista rupturista pela devolução de seus territórios originais, que tem deixado dezenas de mortos, tanto mapuche como huincas (chilenos, brancos).

Aldo Anfossi, correspondente de La Jornada em Santiago do Chile
Tradução Beatriz Cannabrava



As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Aldo Anfossi

LEIA tAMBÉM

Luis Abinader
Política de Abinader contra refugiados do Haiti é contradição que ameaça economia dominicana
Carlos Rodríguez
"Milei provocou uma das recessões mais rápidas e profundas da história", diz ex-braço direito
Embajada_de_México_en_Ecuador
México pede medidas cautelares devido à invasão da embaixada em Quito e CIJ rejeita
Luis-Abinader
Como reeleição de Luis Abinader na República Dominicana impacta crise no Haiti