Pesquisar
Pesquisar
Foto: Flickr

“Vitória total” sobre Hamas segue uma utopia e teatro de Netanyahu já é insustentável

Exército de ocupação não pode erradicar o movimento de resistência palestino ou afirmar o controle colonial sobre o território sitiado
Villar Xavier
Observatório da Crise
Barcelona

Tradução:

Carolina Ferreira

Seis meses após o início da guerra relâmpago de Israel em Gaza, a inteligência militar do Estado ocupante reconheceu a contragosto o que muitos suspeitavam: alcançar uma vitória decisiva sobre o Hamas é um objetivo inatingível. Apesar da retórica de aniquilação total do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, a realidade no terreno fala o contrário.

Tzachi Hanegbi, chefe da segurança nacional de Israel, tinha afirmado anteriormente que era necessária nada menos do que uma “vitória total”. No entanto, como admitiu o porta-voz militar Daniel Hagari em 18 de março, o Hamas continua a reagrupar-se – alega – e está ativo em torno do hospital Al-Shifa, no norte da Faixa.

Leia também | Por que Israel não pode derrotar o Hamas

Como observou o conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, na semana passada: “Israel atacou Shifa uma vez, mas o Hamas regressou a Shifa, levantando questões sobre como garantir uma campanha sustentável contra o Hamas para que este não possa recuperar e retomar o território”.

Missão Impossível

De um ponto de vista político, isto sugere que o exército de ocupação não pode erradicar o movimento de resistência palestino ou afirmar o controle sobre o território sitiado. O General da Reserva Itzhak Brik, que anteriormente criticou o “caos total” entre as fileiras dos soldados israelitas em Gaza, advertiu que “a destruição completa do Hamas não é viável, e as declarações de Benjamin Netanyahu sobre este assunto destinam-se apenas a enganar a população”.

O fracasso de Tel Aviv em desmantelar a extensa rede de túneis do Hamas realça ainda mais a inadequação dos seus esforços militares. As autoridades israelitas confirmaram que cerca de 80% do sistema de túneis do Hamas permanece intacto, apesar de meses de ataques aéreos e operações terrestres. Esta rede, segundo funcionários do Ministério da Defesa iraniano que falaram sob condição de anonimato, estima-se que se estenda entre 350 e 450 milhas (aprox. 724 km), um feito surpreendente, dado que o ponto mais longo em Gaza tem 40 quilômetros. Dois funcionários também avaliaram que existem cerca de 5.700 poços que levam a esses túneis.

Leia também | André Martin: Netanyahu está desesperado; até agora vitória estratégica é do Hamas

O orgulho israelita de bombardear repetidamente os túneis do Hamas soa falso à luz dessas descobertas. Mesmo as munições avançadas, como as bombas de “penetração profunda” GBU-28, revelaram-se ineficazes contra a profundidade e complexidade dos túneis.

Provas de incapacidade

As provas da incapacidade de Israel para quebrar as defesas do Hamas continuam a acumular-se. Num discurso proferido em 12 de março, o líder iraniano, aiatolá Ali Khamenei, revelou ter recebido uma mensagem da resistência Palestina dizendo que “90% das nossas capacidades estão intactas”.

Segundo o presidente do Comitê de Inteligência do Senado dos EUA, Mark Warner, os militares israelitas conseguiram destruir no máximo um terço da rede de túneis do Hamas, acrescentando: “A ideia de que vão eliminar todos os combatentes do Hamas não é uma ideia realista”.

Leia também | O que a mídia sionista não diz sobre o Hamas

É muito claro que o objetivo declarado de Israel de destruir o Hamas não foi alcançado, nem o será no futuro. Até o Wall Street Journal, num artigo de 29 de fevereiro elogiando os ataques bem sucedidos do exército de ocupação às forças do Hamas, reconheceu que “Israel ainda está longe do seu objetivo declarado de eliminar o Hamas como uma importante entidade militar e política”.

Fracassos de Israel

Os fracassos de Israel podem ser analisados ​​a partir de duas perspectivas diferentes. Primeiro, a forma de resistência militar do Hamas é assimétrica, permitindo-lhe infligir danos a um adversário muito maior sem sofrer baixas significativas.

Compreendendo a necessidade de salvaguardar a sua dupla estrutura político-militar, o Hamas organiza operações militares em células independentes sob a autoridade das Brigadas Al-Qassam.

Em segundo lugar, o Hamas consiste não apenas numa força de combate, mas também numa ideologia profundamente enraizada na luta Palestina pela libertação nacional dentro da noção islâmica de jihad – ou “esforço meritório”. O poder deste movimento anticolonial e, em particular, a sua popularidade generalizada e profundamente enraizada entre o povo palestino, torna a sua erradicação uma tarefa quase impossível.

Leia também | Fatah e Hamas unem-se para combater o plano de anexação sionista de Benjamin Netanyahu

Em contraste com a aceitação pela Autoridade Palestina (AP), liderada pela Fatah e apoiada por Israel, de um governo com numerosas limitações (exemplificadas pelos Acordos de Oslo), a rejeição de tais acordos pelo Hamas reflete a sua firme oposição à visão colonial de Israel e oferece uma perspectiva atraente e uma postura política alternativa.

Avaliação da guerra como ferramenta política

Em suma, as ameaças de aniquilar o Hamas e destruir Gaza são inúteis. Na perspectiva do grupo de resistência Palestina, as consequências seriam muito mais graves se o povo palestino se submeter às exigências de Israel. Esta mesma lógica de resistência é partilhada pela esmagadora maioria dos seguidores do Hamas, incluindo os secularistas. Além disso, a lógica da resistência anticolonial é transmitida de geração em geração, e a dinâmica genocida do sionismo serve apenas para perpetuar essa mesma lógica.

O reconhecido fracasso do sionismo numa “vitória total” sobre o Hamas deve ser entendido de uma perspectiva política. Enquanto a ocupação colonial de Israel persistir nos seus objetivos de deslocamento e conquista da Palestina, a ideologia da resistência, hoje personificada pelo Hamas, permanecerá forte. Pesquisas realizadas entre palestinos corroboram esta análise. Um inquérito realizado pelo Centro Palestino de Política e Investigação em dezembro de 2023 indica um apoio crescente ao Hamas em todos os territórios palestinos, juntamente com um declínio acentuado do apoio da Autoridade Palestina

Leia também | Não há provas: Intercept desmente matéria do NYT sobre estupros realizados pelo Hamas em 7/10

Os dados revelam ainda um apoio generalizado às ações do Hamas, incluindo a operação de resistência Avalanche de Al-Aqsa, de 7 de outubro, e uma exigência de demissão de Mahmoud Abbas, o presidente da Autoridade Palestina. A declaração do antigo vice-presidente do Conselho de Segurança Nacional de Israel, reconhecendo que “não há soluções militares para os conflitos em que Israel está envolvido, particularmente na região sul”, confirma a cegueira política do atual status quo israelense.

Compreendendo o eixo de resistência

É importante notar que por vezes se assume que uma ideologia pode estar subordinada a um conjunto de interesses políticos, o que poderia levar essa ideologia a modificar os seus objetivos políticos em algum momento. No entanto, este não é o caso do Hamas, nem quando se analisam as razões da oposição do Hezbollah e do Irã a Israel.

Nem o Hamas, nem o resto dos membros do Eixo da Resistência podem ser ameaçados ou bombardeados até à submissão, uma vez que estes grupos autônomos têm a sua própria agenda política que consideram inegociável, mesmo face à campanha genocida de Israel. Como o secretário-geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah, enfatizou repetidamente num discurso televisionado em 16 de fevereiro:

“Deparamo-nos com duas opções: resistência ou rendição, e o preço da rendição… significa submissão, humilhação, escravidão e desprezo pelos nossos mais velhos, pelos nossos filhos, pela nossa honra e pela nossa riqueza natural. O preço da rendição no Líbano significa o domínio israelita sobre nosso país”.

Leia também | O genocídio em Gaza: pela memória dos que já não podem falar

Como exemplo, consideremos o firme compromisso do Irã com a Palestina, apesar dos riscos internos que representa para a segurança nacional iraniana, ao confrontar tanto os Estados Unidos como Israel. No entanto, estes riscos e ameaças não influenciam a estratégia política regional de Teerã, que está firmemente enraizada na sua visão revolucionária.

Isto marca uma diferença fundamental em relação às coligações militares ocidentais criadas improvisadamente por Estados com ideias semelhantes para combater uma ameaça sem compromissos de longo prazo. O “colapso” da fraca coligação liderada pelos EUA destinada a combater as operações navais anti-Israel do Iêmen no Mar Vermelho é um exemplo disso.

Contraste

Em contraste, o Eixo da Resistência é mais do que uma simples coligação de grupos; está ancorado numa ideologia anti-colonial que partilha objetivos inegociáveis, mas permite diferentes estratégias para os alcançar. Por outras palavras, todos os grupos que compõem o Eixo da Resistência – sejam sunitas, xiitas, árabes, não-árabes, seculares ou islâmicos – são capazes de chegar a acordos (e desentendimentos ocasionais) utilizando a mesma linguagem da tradição anticolonial.

Embora a guerra em Gaza já dura meio ano, o custo em vidas e infraestruturas palestinas tem sido devastador. Apesar de alguns avanços táticos por parte das forças de ocupação, é cada vez mais claro que Israel caminha para uma derrota estratégica.

O seu fracasso em alcançar os seus objetivos contrasta fortemente com a determinação inabalável da resistência Palestina, reforçada por uma aliança regional com a sua posição intransigente contra o Estado ocupante.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Villar Xavier

LEIA tAMBÉM

emmanuel-macron
Enquanto fascismo avança, Macron equipara esquerda à extrema-direita e rejeita frente popular
zelensky-conferencia-paz-eua2
“Conferência de Paz” de Zelensky: plano da Otan é manter guerra “até o último ucraniano”
Congo-golpe-Christian-Malanga
Quem são e o queriam golpistas dos EUA mortos em ataque ao Congo em 19/5
Cuba-bloqueio
EUA mantêm Cuba como patrocinadora do terrorismo para afogar projeto cubano de soberania