Pesquisar
Pesquisar

A pedido de Maduro, Venezuela envia cilindros de oxigênio para o estado do Amazonas

De acordo com o governador Wilson Lima, o consumo de oxigênio aumentou cerca de 130%; governo brasileiro pediu ajuda à embaixada dos EUA
Redação Brasil de Fato
Brasil de Fato
São Paulo (SP)

Tradução:

A pedido do presidente Nicolás Maduro, o governo venezuelano está enviando cilindros de oxigênio ao estado do Amazonas. 

A informação foi confirmada pelo deputado federal José Ricardo (PT-AM) nas redes sociais.

O governador do estado, Wilson Lima (PSC), agradeceu ao governo venezuelano.

Enquanto isso, o Itamaraty solicitou ao governo estadunidense ajuda para transportar cilindros de oxigênio. 

De acordo com o governador Wilson Lima, o consumo de oxigênio aumentou cerca de 130% de abril de 2020, o primeiro pico da doença, para o dia 13 de janeiro de 2021. 

De acordo com o governador Wilson Lima, o consumo de oxigênio aumentou cerca de 130%; governo brasileiro pediu ajuda à embaixada dos EUA

Raphael Alves/Amazônia Real
Sem oxigênio, estado depende da ajuda de estados vizinhos; Mato Grosso anunciou que pode receber 120 pacientes de Manaus

Relatos de familiares de pacientes internados por covid-19 e profissionais da saúde em Manaus, na capital do Amazonas, indicam que a situação se agravou nas últimas horas devido à escassez de oxigênio. 

Segundo o presidente do Sindicato dos Médicos do Amazonas, Mário Vianna, em um vídeo publicado na internet, pacientes estão sendo mantidos vivos “pelo esforço dos profissionais médicos, enfermeiros e técnicos”. 

“Uma situação terrível que nós temíamos e denunciamos. Nesse momento, faço um apelo a todas autoridades que se unam para que possamos de forma emergencial encontrar solução. Transportar oxigênio de outros estados em caráter de guerra é uma necessidade para salvar vidas”, afirmou nas redes. 

Toque de recolher

Diante dos acontecimentos das últimas horas, o governador Wilson Lima (PSC) decretou toque de recolher em Manaus, das 19h às 6h. 

Segundo Lima, está ocorrendo “algo sem precedentes no Estado do Amazonas”, principalmente em relação à dificuldade para conseguir insumos e, mais especificamente, aquisição de oxigênio agora”.

De acordo com o boletim do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), divulgado às 18h desta quinta-feira (14), foram registrados 5.920 óbitos e 223.360 casos da doença no estado. 

Na semana do dia 3 a 9 de janeiro, foram registrados 344 óbitos, sendo que na semana anterior, de 27 de dezembro a 2 de janeiro, foram contabilizadas 152 mortes. 

A alta também pode ser observada no número de novos casos da doença. Entre 3 e 9 de janeiro foram 11.129 novas pessoas infectadas e, na semana anterior – 27 de dezembro a 2 de janeiro –  foram 5.930. Menos que a metade. 

Edição: Rogério Jordão

Veja também

——–

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Brasil de Fato

LEIA tAMBÉM

EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Crise-drogas-EUA
EUA culpam cartéis do México por crise de drogas entre estadunidenses
Laura Richardson - Peru
Rio Amazonas em risco: o que se sabe sobre laboratórios biológicos dos EUA no Peru
gravidez precoce argentina
Programa que cortou pela metade gravidez precoce na Argentina pode desaparecer sob Milei