Pesquisar
Pesquisar

Alarme mundial: fome provocada pelo neoliberalismo mata mais que coronavírus

A desnutrição mata 17.000.000 de pessoas por ano, o que corresponde a 46.575 pessoas, a cada dia, das quais 8.500 crianças de até 15 anos por causas preveníveis
Juan Verástegui Vásquez
Diálogos do Sul
Buenos Aires

Tradução:

Há um alarme mundial sobre o coronavírus, e não é, pois, de nenhuma maneira para ser ignorado. São extremadas as medidas para sufocar esta pandemia. O mundo quase tem se isolado. Em nosso país foram extremadas as medidas, tendo até toque de recolher. 

Porém, chama poderosamente a atenção que a imprensa nacional e internacional não o recolha e não haja um alarme, nem que aos governantes de turno lhes inquiete, outro fenômeno muitíssimo mais dramático e mais indignante: As mortes por fome e desnutrição.

Efetivamente: 

  • O coronavírus, desde seu aparecimento na China (01.12.2019) até a atualidade (aproximadamente) tem um tempo de duração de 4 meses e provocou 18.700 mortes; ou seja, em quatro meses causou 156 mortes por dia, em média. 

  • A fome mata 17.000.000 (dezessete milhões) de pessoas por ano, o que corresponde a 46.575 (quarenta e seis mil, quinhentos e setenta e cinco) pessoas, a cada dia.

  • Significando, então que a fome mata 29.756% (vinte e nove mil, setecentos e cinquenta e seis por cento) mais que o coronavírus.

  • Morrem, a cada dia, por desnutrição 8.500 (oito mil quinhentas) crianças de até 15 anos (2017) por causas preveníveis, mas não há dinheiro (Unicef, Banco. Mundial, OMS, e a Divisão de População das Nações Unidas).

  • O que quer dizer que morrem por desnutrição 5.349% (cinco mil e trezentos e quarenta e nove por cento) mais crianças que pelo coronavírus.

A desnutrição mata 17.000.000 de pessoas por ano, o que corresponde a 46.575 pessoas, a cada dia, das quais 8.500 crianças de até 15 anos por causas preveníveis

ONU
Esta iniquidade e injustiça é consequência de que nos impuseram (em todo o mundo) um modelo econômico brutal e feroz: o neoliberalismo

De acordo com a FAO, na atualidade são produzidos alimentos para nutrir 12 bilhões de pessoas em um planeta habitado por 7,5 bilhões, o que significa que o mundo produz quase duas vezes mais do que se requer de alimentos. Ninguém deve morrer de fome! 

Argentina produz  alimentos para 410 milhões de pessoas, sendo o terceiro produtor mundial de mel, soja, alho e limão; o quinto de maçãs; o sétimo de trigo e azeites; o oitavo de amendoim; no entanto, entre um e três milhões de argentinos passavam fome e o presidente neoliberal Mauricio Macri não pode alimentar a décima parte de sua população. 

O mais rico do mundo pode gastar um milhão de dólares diários durante mais de três mil anos e ainda lhe sobraria sua riqueza. 1% da população mais rica do mundo tem riqueza equivalente à pobreza de 99% da população mais pobre. Estas desigualdades não são precisamente por meritocracia, produtividade, gerência; são consequências de lobbys, monopólios, salários paupérrimos, heranças, Panamá Papers, etc.

Toda esta iniquidade e injustiça é consequência de que nos impuseram (em todo o mundo) um modelo econômico brutal e feroz: o neoliberalismo. Se queremos arrastá-lo por 500 anos mais, continuemos elegendo aqueles que nos matam de fome e nos roubam. 

 

Juan Verastegui Vásquez é colaborador da Diálogos do Sul desde Buenos Aires

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Juan Verástegui Vásquez

LEIA tAMBÉM

Crise-drogas-EUA
EUA culpam cartéis do México por crise de drogas entre estadunidenses
Laura Richardson - Peru
Rio Amazonas em risco: o que se sabe sobre laboratórios biológicos dos EUA no Peru
gravidez precoce argentina
Programa que cortou pela metade gravidez precoce na Argentina pode desaparecer sob Milei
Vacina_russa_Putin
Rússia deve finalizar vacina contra o câncer em breve, diz Putin