Pesquisar
Pesquisar

Além do presidente espanhol, 61 políticos pró-independência da Catalunha foram espionados

Com uso do programa israelense Pegasus, 2,5 gigas de dados foram coletados sobre Pedro Sánchez; ministra da Defesa também teve celular violado
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

O presidente do governo espanhol, o socialista Pedro Sánchez, e sua ministra da defesa, Margarita Robles, foram espionados por meio do software desenvolvido por uma empresa israelense, Pegasus, entre maio e junho de 2021. Foram extraídas vastas informações de seus telefones celulares. 

O Ministro da Presidência, Felix Bolaños, explicou a situação e anunciou a apresentação de uma queixa legal para iniciar uma investigação sobre o assunto. 

NSA, dos EUA, foi grande beneficiada pelo escândalo dos números espionados pelo programa israelense Pegasus

Este novo caso de espionagem política coincide com a polêmica que surgiu a partir da descoberta de que dezenas de líderes políticos pró-independência na Catalunha e no País Basco foram espionados usando o mesmo suporte informático, que só pode ser acessado por governos ou instituições internacionais. 

O escândalo em torno do programa de espionagem da Pegasus foi descoberto há quinze dias após uma investigação realizada pela Universidade de Toronto e publicada na revista The New Yorker, que revelou um suposto complô de vigilância em massa de até 61 líderes políticos e sociais ligados aos movimentos de independência na Catalunha e no País Basco. 

A maior parte da vigilância foi supostamente realizada nos últimos três anos, durante o governo do atual presidente espanhol, o socialista Pedro Sánchez, e sua coalizão com Unidas Podemos (UP). 

O vazamento de espionagem causou uma fenda entre os partidos do governo central e seus aliados tradicionais, especialmente Esquerra Republicana de Catalunya (ERC) e Junts per Catalunya (JxCat), que anunciaram a retirada de seu apoio parlamentar até que o assunto fosse esclarecido ou que as responsabilidades fossem esclarecidas. 

Com uso do programa israelense Pegasus, 2,5 gigas de dados foram coletados sobre Pedro Sánchez; ministra da Defesa também teve celular violado

Wikipédia
61 políticos pró-independência da Catalunha foram espionados

Comissão parlamentar sobre segredos oficiais

O primeiro passo do governo foi abrir a comissão parlamentar sobre segredos oficiais a estes grupos políticos, assim como a outros, como os bascos de EH-Bildu e os anticapitalistas da CUP, mas antes da primeira reunião, este novo escândalo eclodiu.

Segundo informações fornecidas pelo Ministro Bolaños, o homem mais próximo do Presidente Sánchez, os telefones celulares do Presidente espanhol e da Ministra da Defesa foram espionados entre maio e junho de 2021; um total de 2,5 gigabytes de informação foi extraído do primeiro e 130 megabytes do segundo. 

Espanha: Eleitores se revoltam contra Partido Popular após caso de corrupção e espionagem

O governo espanhol ainda está investigando quais informações foram retiradas de ambos os telefones, que são oficiais e não números pessoais. 

O governo espanhol descreveu as práticas como “ilícitas” e “externas”, atribuindo a suposta espionagem a um terceiro país, que, segundo outras versões não oficiais, poderia ser o Marrocos, um território recentemente ligado a um caso semelhante envolvendo o uso do programa Pegasus e, além disso, o uso coincidiria temporalmente com a crise diplomática vivida por Espanha e Marrocos por causa do problema humanitário na fronteira de Ceuta e Melilla. 

O líder da oposição e do Partido Popular (PP), Alberto Núñez Feijóo, deu apoio ao governo, mas semeou dúvidas sobre a “não pequena coincidência política” já que o vazamento foi revelado em meio à crise com o movimento de independência catalão. 

“Esta é a primeira explicação que o governo nos deu após 15 dias de debate e comentários sobre esta questão. O Governo deve saber que tem o apoio inequívoco do Partido Popular para preservar a segurança do Estado e de todas as suas instituições, mas não com o apoio do PP para que políticos que estão contra a unidade do Estado participem na segurança do Estado”, disse Feijóo.

Governo sionista de Israel aprova exportações do programa de espionagem Pegasus e diz que seu objetivo é “salvar vidas”

Houve também uma reação inequívoca do movimento pró-independência catalão para revelar as áreas ocultas desta trama. 

O presidente catalão, Pere Aragonès, declarou que “qualquer espionagem política é extremamente séria”. Temos denunciado isso durante dias sem obter explicações do governo espanhol. Quando a espionagem é maciça contra as instituições catalãs e o movimento de independência, silêncio e desculpas. Hoje é tudo uma questão de pressa. As responsabilidades devem ser assumidas imediatamente”. 

Armando G. Tejeda é correspondente do La Jornada em Madri
Tradução por Vanessa Martina Silva.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

2560px-Hotel_InterContinental_(Madrid)_01
Grupo que articula ataques a Obrador faz novo encontro da ultradireita global em Madri
netanyahu-genocidio-Palestina
Pogroms, censura, manipulação midiática: o que Ocidente esconde sobre o genocídio palestino
Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso